O DIPR – DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO E A EDUCAÇÃO JURÍDICA: UM DIÁLOGO ESSENCIAL

Renata Alvares Gaspar, Samuel Mendonça

Resumo


O artigo discute a questão do Direito Internacional Privado (DIPr) no contexto da Educação Jurídica. Considera essencial que os currículos dos cursos de graduação em Direito possam abrir mais espaço para o oferecimento de conteúdos do DIPr na consideração das exigências do mundo capitalista e global que orientam um saber cada vez mais participativo e ativo do protagonista do Direito. O problema consiste na pergunta: os cursos de graduação em Direito oferecem, em seus currículos, o DIPr, de forma a possibilitar a realização da justiça? O método utilizado consiste em revisão de literatura e pesquisa empírica, com análise de currículos de quatro instituições de Direito. Como resultados, observa-se a necessidade de reformulação de matrizes curriculares dos cursos de Direito da amostra, para que o DIPr tenha mais espaço na busca de resolução de conflitos e da realização da justiça, embora a Universidad Nacional del Litoral de Argentina tenha apresentado um currículo adequado ao estudo da disciplina.


Palavras-chave


Acesso à Justiça; Currículo; Diálogo; Direito Internacional Privado; Educação Jurídica.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAID, Felipe Alves Pereira. Análise comparativa das tendências teóricas sobre o Ensino Jurídico no Brasil de 2004 a 2014. 2016. 180 p. Dissertação (Mestrado em Educação). Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2016.

ADEODATO, João Maurício. A OAB e a massificação do ensino jurídico. In: SILVEIRA, Vladmir Oliveira et al. (Org.) Educação Jurídica. São Paulo: Saraiva, 2013.

ASSOCIACIÓN AMERICANA DE DERECHO INTERNACIONAL PRIVADO. Miembros. Disponível em: http://www.asadip.org/v2/. Acesso em: 20 abr. 2017.

AUDINET, Eugenio. Principios de Direcho Internacional Privado. Tradução de J. Moreno Barutell. Madrid: López Hoyos, [189-?].

BITTAR, Eduardo C. B. Linguagem Jurídica. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

BITTAR, Eduardo C. B. O Direito na Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

BRASIL. Constituição Federal. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 5 maio 2017.

CÁTEDRA ABIERTA LATINOAMERICANA DE DERECHO INTERNACIONAL PRIVADO. Universidades. Disponível em: http://catedradipr.org/diprwp. Acesso em: 20 abr. 2017.

CHALAS-KUDELKO, Sophie. La coopération en droit international Privé: originalités d´une méthode. Paris: Université Paris Ouest, 2014. Disponível em: https://bdr.u-paris10.fr/theses/internet/2014PA100015.pdf. Acesso em: 5 maio 2017.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Resolução 9 de 29 de setembro de 2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito e dá outras providências. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces09_04.pdf. Acesso em: 16 maio 2017.

FOUCAULT, Michel. A Hermenêutica do Sujeito. Tradução de Márcio Alves da Fonseca. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

GASPAR, Renata Alvares. Cooperação Jurídica no Mercosul: nascimento de um Direito Processual Civil Mercosurenho. Santos: Universitária Lopoldianum, 2014.

GASPAR, Renata Alvares. Reconhecimento de Sentenças Arbitrais Estrangeiras no Brasil. São Paulo: Atlas, 2009.

HERRERA, Luiz Henrique Martim. Raízes da Educação Jurídica no Brasil. São Paulo: Safe, 2015.

JAYME, E. Identité Culturalle et Intégration: le droit internacional privé postmoderne. Cours général de droit internacional privé, R. des C., v. 251, 1995.

JESUS, Diego Santos de Vieira. O baile do monstro: o mito da Paz de Vestfália na história das relações internacionais modernas. História, São Paulo, v. 29, n.2, p. 221-232, 2010.

MENDONÇA, Samuel. Problemas e desafios para a produção do conhecimento em educação: fundamentos filosóficos. Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 20, n. 2, p. 71-94, jul./out. 2015.

NIETZSCHE, Friedrich. Menschliches Allzumenschliches: Ein Buch für freie Geister. Berlim: Goldmann, 1999.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Rousseau e as Relações Internacionais. Tradução de Sérgio Bath. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2003.

ROZAS, José Carlos Fernandez; LORENZO, Sixto Sanchez. Curso de Derecho Internacional Privado. Madrid: Civitas, 1996.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2001.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. 16. ed. Porto: Afrontamento, 2010.

VALLADÃO, Haroldo. Direito internacional privado: em base histórica e comparativa, positiva e doutrinária, especialmente dos estados americanos. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1974.

VASCONCELOS, Raphael Carvalho de. Teoria do Estado e a Unidade do Direito Internacional. Belo Horizonte: Arraes, 2016.




DOI: https://doi.org/10.5902/1981369427249

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

REVISTA ELETRÔNICA DO CURSO DE DIREITO DA UFSM - Qualis A1

RECDUFSM  /  ISSN 1981-3694   /  Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/19813694  http://periodicos.ufsm.br/revistadireito

Revista Qualis A1 área de Direito /  Classificações de Periódicos Quadriênio 2013-2016 (CAPES)