DA GENEALOGIA DOS MECANISMOS VINCULANTES BRASILEIROS: DOS ASSENTOS PORTUGUESES ÀS “TESES” DOS TRIBUNAIS SUPERIORES

Lenio Luiz Streck, Igor Raatz dos Santos, Gilberto Morbach

Resumo


O presente ensaio visa a traçar a genealogia dos “mecanismos vinculantes” brasileiros, os quais, equivocadamente, vêm sendo comparados aos precedentes do common law. Para tanto, será realizada uma pesquisa histórica, baseada no “método” fenomenológico-hermenêutico, a fim de desvelar não somente os elementos políticos presentes na instituição dos assentos em Portugal — os quais sempre estiveram ligados a um projeto de centralização do poder político que se relacionava com o poder exclusivo de “interpretação autêntica” do soberano — mas também o vínculo genético existente entre os assentos e os mecanismos vinculantes brasileiros. Afinal, a pesquisa aponta que, no Brasil, esses mecanismos repetem o propósito de conferir às Cortes de Precedentes a possibilidade de criar “leis interpretativas” — ou seja, normas gerais e abstratas de caráter prescritivo, o que demandaria, pelo menos, uma reforma constitucional. 


Palavras-chave


Assentos luso-brasileiros; Precedentes obrigatórios; Direito português; Mecanismos vinculantes

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTO DO REIS, José. Código de processo civil anotado. Volume VI. Coimbra: Coimbra editora, 1985.

ALMEIDA COSTA, Mário Júlio de. História do Direito português. 3 ed. Coimbra: Almedina, 1996.

ALMEIDA JÚNIOR, João Mendes de. Direito judiciário brasileiro. São Paulo: Freitas Bastos, 1960.

AZEVEDO, Álvaro Villaça. Os assentos no direito processual civil. Justicia. Ano XXXIII. 3º Trimestre de 1971. V. 74. São Paulo: Ministério Público de São Paulo, 1971.

AZEVEDO, Luiz Carlos de. Lições de história do processo civil lusitano. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

AZEVEDO, Luiz Carlos de. O reinado de D. Manuel e as Ordenações Manuelinas. Revista da Faculdade de Direito – USP. v. 95. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2000.

CAVANNA, Adriano. Storia del diritto moderno in europa: le fonti e il pensiero giuridico. Vol. I. Milano: Dott. A. Giuffrè Editore, 1982.

CAZETTA JÚNIOR, José Jesus. Os assentos da Casa da Suplicação. Revista do advogado. Ano XXIV. N.º 84, dezembro de 2005.

CORRÊA TELLES, José Homem. Comentário crítico à lei da boa razão: em data de 18 de agosto de 1769. Lisboa: Typographia de Maria da Madre de Deus, 1865.

COSTA, Eduardo José da Fonseca. Tribunais superiores são órgãos transcendentais? Revista consultor jurídico – CONJUR. São Paulo: 03 out. 2016. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2016-dez-03/eduardo-costa-tribunais-superiores-sao-orgaos-transcendentais. Acesso em: 6 dez. 2018.

COSTA, Moacyr Lobo da. A revogação da sentença. São Paulo: Ícone, 1995.

CRUZ E TUCCI, José Rogério. AZEVEDO, Luiz Carlos de. Lições de história do processo civil lusitano. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

CRUZ E TUCCI, José Rogério. AZEVEDO, Luiz Carlos de. Precedente judicial como fonte do Direito. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004.

DA CRUZ, Guilherme Braga. Obras esparsas, volume II: estudos de história do Direito. Direito moderno. 2ª Parte. Coimbra: Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, 1981.

FERNANDES, Ernesto. RÊGO, Anibal. História do Direito português: súmulas das lições proferidas pelo Exmo. Prof. Doutor Marcelo Caetano no curso do 1º ano jurídico de 1940-41 na Faculdade de Direito de Lisboa. Lisboa, 1941.

GADAMER, Hans-Georg. Hermenêutica em retrospectiva: a virada hermenêutica. Vol. II. Tradução de Marco Antônio Casanova. Petrópolis: Vozes, 2007.

GROSSI, Paolo. Justiça como lei ou lei como justiça? Observações de um historiador. Mitologias jurídicas da modernidade. Fundação Boiteux, 2004.

HESPANHA, António Manuel. Governo da lei ou governo dos juízes? O primeiro século do supremo tribunal de justiça em Portugal. História constitucional. n. 12, 2011. Disponível em http://www.historiaconstitucional.com. Acesso em: 11 out. 2018.

LOPES FILHO, Juraci Mourão. Os precedentes judicias no constitucionalismo brasileiro contemporâneo. 2. ed. Salvador: JusPodivm, 2016.

MARCOS, Rui Manuel de Figueiredo. A legislação pombalina: alguns aspectos fundamentais. Coimbra: Almedina, 2006.

MARQUES, Mário Reis. História do Direito português medieval e moderno. Coimbra: Almedina, 2002.

MELLO, Patrícia Perrone Campos; BARROSO, Luís Roberto. Trabalhando com uma nova lógica: a ascensão dos precedentes no Direito brasileiro. Revista da AGU, v. 15, n. 3. Brasília: Fórum, jul./set. 2016.

MITIDIERO, Daniel. Precedentes: da persuasão à vinculação. São Paulo: RT, 2016.

NASCIMENTO, Walter Vieira. Lições de história do direito. Rio de Janeiro: Forense, 1998.

NEVES, Antonio Castanheira. O instituto dos “assentos” e a função jurídica dos supremos tribunais. Coimbra: Coimbra, 1983.

PICARDI, Nicola. Introdução ao code louis (ordonnance civile, 1667). Jurisdição e processo. Rio de Janeiro: Forense, 2008.

RAATZ, Igor. O que há de novo no “papel iluminista” do Supremo Tribunal Federal? Revista consultor jurídico – CONJUR. São Paulo: 03 mar. de 2018 Disponível em: https://www.conjur.com.br/2018-mar-31/igor-raatz-papel-iluminista-supremo . Acesso em: 24 nov.2018.

RAATZ, Igor. Precedentes à brasileira: uma autorização para "errar" por último?. Revista consultor jurídico – CONJUR. São Paulo: 03 out. 2016. Disponível em: http://www.conjur.com.br/2016-out-03/igor-raatz-precedentes-autorizacao-errar-ultimo . Acesso em: 11 nov.2018.

ROSSONI, Igor Bimkowski. Os assentos da casa de suplicação como ápice da centralização burocrático-jurisdicional do Estado Português. Revista magister de direito civil e processual civil. V. 47, mar./abr. 2012. Porto Alegre: Magister, 2012.

SILVA, Nuno J. Espinosa Gomes da. História do Direito português: fontes de direito. 2. ed. Lisoba: Fundação Calouste Gulbenkian, 1991.

SOUSA, Joaquim José Caetano Pereira e. Segundas linhas sobre o processo civil, ou antes addicções às primeiras, do bacharel Joaquim José Caetano Pereira e Sousa. Lisboa: Imprensa Nacional, 1855.

STEIN, Ernildo. Aproximações sobre hermenêutica. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1996.

STRECK, Lenio Luiz. Precedentes Judiciais e Hermenêutica: o sentido da vinculação no CPC/2015. Salvador: Juspodivm, 2018.

STRECK, Lenio Luiz. ABBOUD, Georges. O que é isto – o precedente judicial e as súmulas vinculantes? 2. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2014.

STRECK, Lenio Luiz. Súmulas, vaguezas e ambigüidades: necessitamos de uma “teoria geral dos precedentes”? Direitos Fundamentais & Justiça. Ano 2. N º 5. Out./Dez. Porto Alegre: HS Editora Ltda., 2008.

STRECK, Lenio Luiz. A hermenêutica jurídica e o efeito vinculante da jurisprudência no Brasil: o caso das súmulas. Boletim da faculdade de direito [da] Universidade de Coimbra. Coimbra, v. 82, p. 213-217, jan. 2006.

TARUFFO, Michele. Aspetti del precedente giudiziale. In: Criminalia: Annuario di Scienze Penalistiche. Pisa: Edizioni ETS, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1981369437204

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

REVISTA ELETRÔNICA DO CURSO DE DIREITO DA UFSM - Qualis A1

RECDUFSM  /  ISSN 1981-3694   /  Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/19813694  http://periodicos.ufsm.br/revistadireito

Revista Qualis A1 área de Direito /  Classificações de Periódicos Quadriênio 2013-2016 (CAPES)