A cultura visual como espaço de encontro entre construtor e pesquisador bricoleur

Laila Loddi, Raimundo Martins

Resumo


A palavra bricolagem é originada do termo francês bricolage, que caracteriza especialmente o ato de operar com materiais fragmentários, adotando procedimentos que se desviam e se afastam da norma técnica. Neste sentido, o construtor bricoleur é aquele que trabalha com as próprias mãos, executando um trabalho sem projeto preconcebido, lidando diretamente com o acaso e o improviso, coletando e resignificando objetos. A palavra bricolagem também vem sendo aplicada a métodos de pesquisa, surgindo como forma de construir uma ciência crítica da complexidade. No contexto deste artigo, bricolagem se refere à noção de interdisciplinaridade, operando a partir de uma visão acerca das formas dominantes de poder. O pesquisador bricoleur é aquele que redefine o objeto de investigação, adotando uma ontologia relacional. O texto desenvolve uma perspectiva de pesquisa bricolagem, tem como foco um estudo dos modos de fazer do construtor bricoleur e como espaço de discussão o campo transdisciplinar da cultura visual.


Palavras-chave


Bricolagem; Bricoleur; Pesquisa; Cultura visual

Texto completo:

PDF

Referências


BAUDRILLARD, Jean. O sistema dos objetos. São Paulo: Perspectiva, 2006.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2007.

DENZIN, Norman K; LINCOLN, Yvonna S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DIKOVITSKAYA, Margaret. The study of the visual after the cultural turn. Cambridge, Mass.: The MIT, 2005.

FUÃO, Fernando (Coord.). Arquiteturas Fantásticas. Porto Alegre: Editora UFRGS, 1999.

GULLAR, Ferreira. Argumentação contra a morte da arte. Rio de Janeiro: Revan, 1999.

HERNÁNDEZ, Fernando. Catadores da cultura visual: proposta para uma nova narrativa educacional. Porto Alegre: Mediação, 2007.

JACQUES, Paola B. Estética da ginga: a arquitetura das favelas através da obra de Hélio Oiticica. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2001.

KINCHELOE, Joe; BERRY, K. Pesquisa em educação: conceituando a bricolagem. Porto Alegre: Artmed, 2007.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. São Paulo: Editora Nacional, 1970.

MARTINS, Raimundo. A cultura visual e a construção social da arte, da imagem e das práticas do ver. OLIVEIRA, Marilda O; HERNÁNDEZ, Fernando (Orgs.). Arte, educação e cultura. Santa Maria: Editora da UFSM, 2007.

_______. Porque e como falamos da cultura visual? In: Visualidades: Revista do Programa de Pós-Graduação em Cultura Visual. Goiânia-GO: UFG, FAV, 2006.

VAN MANEN, Max. Investigación educativa y experiencia vivida. Barcelona: Idea Books, 2003.

ZALUAR, Amélia. A casa da flor: uma tentativa de compreensão. In: FUÃO, F. (Coord.). Arquiteturas Fantásticas. Porto Alegre: Editora UFRGS, 1999.




DOI: https://doi.org/10.5902/198373482189

 
 
 
DOI: Digital Object Identifier 10.5902/19837348

Qualis B1

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

Acessos a partir de 17/09/2015

CopySpider - Software Anti-plagio