A criança pomerana na educação infantil: posso falar minha língua aqui?

Rosali Rauta Siller, Vânia Carvalho de Araújo

Resumo


Este artigo busca analisar o trato, o direito e o reconhecimento das crianças pomeranas que chegam às instituições de educação infantil monolíngues falando somente sua língua materna (pomerana) ou na condição de bilíngues, falando também a língua portuguesa. A partir de pesquisa bibliográfico-documental, foi possível perceber, no âmbito dos documentos normativos, que, no Brasil, são recentes a conquista de direitos que garantem uma educação infantil diferenciada, intercultural e bilíngue e as políticas públicas que priorizam, na escola, o uso da língua materna das crianças pomeranas. Concluiu-se que este modelo de educação que se busca construir deve, principalmente, incorporar a língua, mantenedora da memória e da identidade do povo pomerano, como um patrimônio a ser estudado e valorizado. Isso precisa ocorrer, sobretudo, mas não somente nas instituições de educação infantil situadas nas comunidades pomeranas, reafirmando o direito à diferença, o qual ainda constitui um grande desafio, que requer o engajamento de todos nós.


Palavras-chave


Infância; Criança pomerana; Bilinguismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo: antissemitismo, imperialismo, totalitarismo. Trad. Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

BAGNO, Marcos. A língua de Eulália: novela sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2008. 219 p.

BAHIA, Joana. Uma bela história a ser contada: os pomeranos no Estado do Espírito Santo. In: MELO, Sandra Márcia de; SOUZA, Marcos Teixeira de. (Orgs.). Pomeranos no Brasil: olhares, vozes e histórias de um povo. Rio de Janeiro: Letras e Versos, 2015. p. 35-53.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição [da] República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Decreto nº 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2018.

BRASIL. Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2018.

CAVALCANTI, Marilda. C. Estudos sobre educação bilíngue e escolarização em contextos de minorias linguísticas no Brasil. Delta, v. 15. n. esp., p. 385- 417, 1999.

DETTMANN, Jandira Marquardt. Práticas e saberes da professora pomerana: um estudo sobre interculturalidade. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014.

DIEGUES JÚNIOR, Manuel. Imigração, urbanização e industrialização. Rio de Janeiro: Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais, 1964.

DUARTE, Dulce Almeida. Bilinguismo ou Diglosia? As relações de força entre o crioulo e os portugueses na sociedade cabo-verdiana. 2. ed. Praia: Spleem Edições, 2013.

ELIAS, Norbert; SCOTSON, John L. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Prefácio. In: SILLER, Rosali Rauta. Infância, educação infantil e migração. Curitiba: Apris, 2016. p.24-25.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Trad. Adelaine La Guardia Resende et al. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

HALL, Stuart. Identidade cultural e diáspora. Revista do Patrimônio Histórico e Arte Nacional, n. 24, 1997. p. 68-75.

IBGE. Censo demográfico. 2016. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2018.

IBGE. Infográficos: dados gerais do município de Santa Maria de Jetibá. Disponível em: . Acesso em: 5 fev. 2018.

JACOB, José. Kuster. A imigração alemã e a culinária pomerana no Espírito Santo. In: BELING, Romar Rudolf. (Org.). Terra dos bravos: imigração alemã no Brasil - 180 anos. Santa Cruz do Sul: Gazeta Santa Cruz, 2007. p.140-154.

KÜSTER, Sintia Bausen. Cultura e língua pomeranas: um estudo de caso em uma escola do ensino fundamental no município de Santa Maria de Jetibá – Espírito Santo – Brasil. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2015.

MACHADO, Jurema. Desafios para a efetivação da Convenção. Revista Observatório Itaú Cultural: OIC, São Paulo, n. 8, p. 29-34, abr./jul. 2009.

MAHER, Terezinha. A criança indígena: do falar materno ao falar emprestado. IN: FARIA, Ana Lucia Goulart de; MELLO, Suely Amaral. (Orgs.). O mundo da escrita no universo da pequena infância. Campinas: Autores Associados, 2005. p. 75-108.

MAHER, Terezinha. Do casulo ao movimento: a suspensão das certezas na educação bilíngue e intercultural. In: S. M. Bortoni-Ricardo; CAVALCANTI, M. C. (Orgs.). Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas: Mercado de Letras, 2007. p. 67-96.

MARTINS, José. de Souza. Por uma pedagogia dos inocentes. Tempo Social: Revista Social, USP, São Paulo, n 13. p. 21-30, nov. 2001.

SANTOS, Miriam de Oliveira; BAHIA, Joana; GOMES, Charles. Aspectos socioeducativos dos processos migratórios. In: BAHIA, Joana; SANTOS, Miriam. (Orgs.). Um olhar sobre as diferenças: a interface entre projetos educativos e migratórios. São Leopoldo: Oikos, 2016. p.7-17.

SARTRE, Jean-Paul. Prefácio. In: FANON, Frantz. Os condenados da terra. Trad. José Laurênio de Melo. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1961. p. 23-48.

SEYFERTH, Giralda. Identidade étnica, assimilação e cidadania: a imigração alemã e o estado brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 1994.

VITOR, Ana Dulce Moraes Albuquerque. Educação bilíngue: uma cartografia e as particularidades de um caso brasileiro. 140 f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagem) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2016.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984644434697

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

    

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar