Diagnóstico das atividades de educação ambiental em unidades de conservação: propondo ações no contexto atual

Fabrícia Barbieri, Ísis Samara Ruschel Pasquali, Paulo Romeu Moreira Machado, Denis Rasquin Rabenschlag

Resumo


O presente trabalho apresenta um diagnóstico das atividades de educação ambiental em Unidades de Conservação, faz um levantamento dos problemas enfrentados pelas UCs e propõe ações para auxiliar na efetividade destas atividades. O estudo foi realizado através de um questionário onde seis UCs responderam à pesquisa: Parque Nacional Aparados da Serra e Parque Nacional da Serra Geral, Parque Estadual Delta do Jacuí e Área de Proteção Ambiental Estadual Delta do Jacuí, Parque Estadual de Itapeva, Parque Estadual de Itapuã, Área de Proteção Ambiental do Banhado Grande e Parque Natural Municipal Morro do Osso. Todas as UCs informaram realizar alguma atividade de educação ambiental, com exceção da APA Banhado Grande. O principal problema citado para a não realização das atividades é a falta de incentivo financeiro e falta de pessoal. Sobre as necessidades para a efetividade das ações e alcance dos objetivos da UC, foram citadas: a falta de recursos humanos, capacitação de pessoal, recursos financeiros e fiscalização. Ações propostas pelo estudo para auxiliar a gestão e tornar ações efetivas, incluem: diagnóstico rápido participativo, pesquisas de educação ambiental em UC, parcerias com outras instituições, capacitação de educadores ambientais, estratégias de arrecadação de recursos financeiros, monitoramento e acompanhamento da efetividade das atividades.

Palavras-chave


Educação Ambiental; Unidades de Conservação; Conflitos; Gestão Ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


BROCKELMAN,W. Y.; GRIFFITHS, M. Mecanismos de fortalecimento das áreas protegidas. In: Tornando os parques eficientes: estratégias para conservação da natureza nos trópicos. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2002. p. 290-304.

FERREIRA, L. V.; VENTICINQUE, E.; ALMEIDA, S. O desmatamento na Amazônia e a importância das áreas protegidas. Estudos Avançados. São Paulo, v. 19 (53), p.157-166. 2005. DOI: 10.1590/S0103-40142005000100010.

GROSS, T.; JOHNSTON, S.; BARBER, C. V. A Convenção sobre Diversidade Biológica: Entendendo e influenciando o Processo. Instituto de Estudos Avançados das Nações Unidas. 2006.

HESSLER, M. L. A importância das unidades de conservação no Brasil. Sociedade e Natureza. Uberlândia, v. 17 (33), p. 79-89. 2005.

LIMA, G. S.; RIBEIRO, G. A.; GONÇALVES, W. Avaliação da efetividade de manejo das Unidades de Conservação de proteção integral em Minas Gerais. R. Árvore. Viçosa, v.29, n.4, p.647-653. 2005. DOI: 10.1590/S0100-67622005000400017.

LOUREIRO, C. F; CUNHA, C. C. Educação ambiental e gestão participativa em unidades de conservação: elementos para se pensar a sustentabilidade democrática. Ambiente & Sociedade. Campinas, v. 11, n. 2. P. 237:253. jul- -dez, 2008.

WWF. Efetividade da gestão das unidades de conservação federais do Brasil: resultados de 2010. 2012. Disponível em: https://www.wwf.org.br/informacoes/bliblioteca/?31645/Efetividade-de-Gesto-das-Unidades-de-Conservao-Federais-do-Brasil-resultados-de-2010. Acesso em 20 set. 2017.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. A unidade de conservação e o território: Reconhecendo o contexto socioambiental e geopolítico. Série Educação Ambiental e Comunicação em Unidades de Conservação. Caderno 1. 2015 a. Disponível em: http://www.mma.gov.br/publicacoes/educacao-ambiental/category/154-serie-ea-uc. Acesso em: 15 set. 2017.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Conflitos: estratégias de enfrentamento e mediação. Série Educação Ambiental e Comunicação em Unidades de Conservação. Caderno 4. 2015 b. Disponível em: http://www.mma.gov.br/publicacoes/educacao-ambiental/category/154-serie-ea-uc. Acesso:15 set. 2017.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Tornar-se visível: estratégia para promover articulações e captar recursos. Série Educação Ambiental e Comunicação em Unidades de Conservação. Caderno 5. 2015 c. Disponível em: http://www.mma.gov.br/publicacoes/educacao-ambiental/category/154-serie-ea-uc. Acesso em: 15 set. 2017.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Educação ambiental em unidades de conservação: 2016 ações voltadas para comunidades escolares no contexto da gestão pública da biodiversidade. 2016. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/publicacoes/publicacoes-diversas/ DCOM_ICMBio_educacao_ambiental_em_unidades_de_conservacao.pdf. Acesso em: 25 jul. 2017.

D’OLIVEIRA, R. G. et al. Diagnóstico rápido participativo - uma ferramenta de educação ambiental. Anais/Resumos da 62ª Reunião Anual da SBPC - SSN 2176-1221. 2010. Disponível em: www.sbpcnet.org.br/livro/62ra/resumos/resumos/4559.htm. Acesso em: 05 out. 2017.

QUINTAS, J. S. Por uma educação ambiental emancipatória: considerações sobre a formação do educador para atuar no processo de gestão ambiental. In: QUINTAS, J. S. (Org.). Pensando e praticando a educação ambiental na gestão do meio ambiente. Brasília: IBAMA. (3 ed.) p. 11-19. 2006. ISBN 85-7300-235-2.

VALENTI, M. W. et al. Educação Ambiental em Unidades de Conservação: Políticas Públicas e a Prática Educativa. Educação em Revista. Belo Horizonte, v.28, n.01, p.267-288. 2012. DOI: 10.1590/S0102-46982012000100012.

ZAPPES, C.A. Estudo Etnobiológico comparativo do conhecimento popular de pescadores em diferentes regiões do litoral brasileiro e implicações para a conservação do Boto-cinza Sotalia guianensis (van Bénéden, 1864) (Cetacea, Delphinidae). 2007. 161p. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas Comportamento e Biologia Animal) – Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora. 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130832853

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.