O TERRÁRIO COMO TEMÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO

Layanne Nayara de Moura, Laylla Natália de Moura, Ronaldo Eustáquio Feitoza Senra, Isabela Codolo de Lucena, Geison Jader Mello

Resumo


As aulas práticas contribuem para uma aprendizagem significativa dentro do Ensino de Ciências. Estas aulas além de se tornarem atividades diferenciadas do ensino tradicional, contribuem para inovar o processo de ensino-aprendizagem na Educação Básica. Este trabalho foi desenvolvido na Escola Estadual Senador Filinto Muller, distrito de Irenópolis, município de Juscimeira/ MT, sendo considerada uma escola do campo com aproximadamente 120 discentes. Desta maneira, o referido trabalho teve como objetivo avaliar se a construção de terrários pode ser indicada como prática de ensino que propicia a aprendizagem significativa dos discentes no Ensino de Ciências. O terrário foi estruturado e montado com a participação dos discentes e professores. Com os resultados, verificou-se que a confecção de terrários pode ser um instrumento para tornar o ensino de Ciências mais criativo, dinâmico, possibilitando aos discentes a capacidade de observação, análise e de construção dos seus próprios conhecimentos científicos sobre as vidas existentes em um ecossistema. Outro resultado identificado foi a motivação e a participação efetiva dos discentes nas aulas práticas. No contexto de uma escola do campo, a relação entre o ensino de Ciências e a realidade a qual a escola está inserida possibilitou a vivência e a aprendizagem significativa.

Palavras-chave


Terrário; Ensino de ciências; Educação do campo

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, José F. de. A professora “leiga”: um rosto de várias faces. In: Educação e escola no campo / Jacques Therrien, Maria Nobre Damasceno coords. – Campinas: Papirus, 1993. – (Coleção magistério. Formação e trabalho pedagógico).

ALVES, Rubem. A alegria de ensinar. 6ª edição. - São Paulo: Papirus, 2001.

ARROYO, Miguel Gonzalez. Políticas de Formação de Educadores (as) do Campo. In: Caderno Cedes, Campinas, vol.27, n.72, p.157-176, maio/ago. 2007. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br.

BOTELHO, Lazara Aparecida. O Terrário como instrumento organizador da aprendizagem em Ciências do 9º ano. Programa de Desenvolvimento Educacional – PDE. Curitiba – Paraná, 2008.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC /SEF, 1998.

CORRÊA, Rosa Maria. Dificuldades no aprender: um outro modo de olhar. - Campinas, SP: Mercado de Letras, 2001.

CALDART, Roseli Salete. A escola do campo em movimento. In: Projeto popular e escolas do campo / César Benjamin e Roseli Salete Caldart. – Brasília, DF: Articulação Nacional Por uma Educação Básica do Campo, 2000. Coleção Por uma Educação Básica do campo, nº3.

DELIZOICOV, Demétrio. ANGOTTI, José André. PERNANBUCO, Marta Maria. Ensino de Ciências fundamentais e métodos. 3 ed. - São Pulo: Cortez, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, editora Paz e Terra, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia dos Oprimidos. 44ª edição. - Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FLEURI, Reinaldo Matias. CONVERSIDADE: extensão universitária e movimentos sociais. In: O popular e a educação: movimentos sociais, políticas públicas e desenvolvimento / org. Cristina Fiorenze, Telmo Marco. – Ijuí: Ed. Unijuí, 2009. -296p.

KRONBAUER, Selenir Corrêa Gonçalves. SIMIONATO, Margareth Fadanelli. Formação de Professores: abordagens contemporâneas. - São Paulo: Paulinas, 2008.

MATO GROSSO. Secretaria de Estado de Educação – SEDUC. Projeto de educação ambiental - PrEA: projeto ambiental escolar comunitário – PAEC / Secretaria de Estado de Educação – Cuiabá: Tanta Tinta, 2004. 104p. (Série Caderno, 4).

MOLL, Jaqueline. Políticas de educação de jovens e adultos no Brasil: desafios da contemporaneidade. In: Pesquisando e gestando outra escola: desafios contemporâneos / Rute Baquero; Cecília Broilo (organizadoras). São Leopoldo-RS, Editora Unisinos, 2001.

MORAIS, F. A. O ensino de ciências e biologia nas turmas de EJA: experiências no município de Sorriso-MT. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.48, p.1-6, 2009.

PEDROTTI-MANSILLA, Débora Eriléia. Avaliando a Política de Educação Ambiental nas escolas do Mato Grosso: desafios entre os domínios da Governança e da Governabilidade. Tese de Doutorado - Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais, UFSCAR, 2010.

ROSA, Rosane T. N. da. Terrário no ensino de ecossistemas terrestres e teoria ecológica. Revista Brasileira de Educação Científica e Tecnológica. v. 2, núm. 1, p. 87- 104, jan/abr. 2009.

SILVA, Jerry Adriani da. Um estudo sobre as especificidades dos/as educandos/as nas propostas pedagógicas de educação de jovens e adultos – EJA: tudo junto e misturado! Belo Horizonte: UFMG/FAE, 2010.

TERRÁRIO. In: Departamento Editorial das edições melhoramentos, colaboração: POLILO, R. PEREIRA, A.T. TONELLA, A. HIDALGO, A. L. C. OLIVEIRA, A. A. Dicionário de Ciências Exitus. Mirador Internacional. São Paulo. 1975.

TERRÁRIO. In: Companhia de melhoramentos. Programa de Ciência exitus enciclopédia ilustrada. São Paulo: Mirador Internacional, 1975. 4ª ed. Pág. 12. Vol. I. pág. 1740-1741. Vol. IX.

THERRIEN, Jacques. A professora rural: o saber de sua prática social na esfera da construção social da escola no campo. In: Educação e escola no campo / Jacques Therrien, Maria Nobre Damasceno coords. – Campinas: Papirus, 1993. – (Coleção magistério. Formação e trabalho pedagógico).

ZÔMPERO, A. F. LABURÚ, C. E. Implementação de atividades investigativas na disciplina de Ciências em escola pública: uma experiência didática. Investigações em Ensino de Ciências – V17(3), pp. 675-684, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130820463

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.