(DES) LIGA ESSE CELULAR, MOLEQUE! SMARTPHONE COMO MINILABORATÓRIO NO ENSINO DE CIÊNCIAS

Márcio Delmondes da Rocha, Edson Gomes Evangelista, Nadja Gomes Machado, Geison Jader Mello

Resumo


A literatura científica tem apresentado significativo número de publicações sobre a utilização de recursos tecnológicos como tablets e smartphones no ensino de ciências. São bastante positivos os relatos de experiências que buscam tornar o ensino de ciências mais atrativo, desenvolvendo métodos diferenciados, praticados pela maioria dos educadores, tornando o processo de ensino aprendizagem mais dinâmico. Além das diversas experiências relatadas, as organizações, como a UNESCO, têm incentivado ações nessa perspectiva e têm divulgado documentos ostentativos.  No entanto muitas escolas ainda compreendem essas tecnologias como um adversário, subestimando-as, desconsiderando seu grande potencial em serem utilizadas como ferramenta pedagógica. É possível fazer destes dispositivos um minilaboratório de experimentos científicos, que além de potencializar a aprendizagem significativa, transforma a experiência em um mecanismo que leva a reflexão do construído, integra o ensino de Ciências ao cotidiano dos estudantes, interagindo a aprendizagem com a realidade dos alunos. As tecnologias das comunicações móveis, smartphone e seus derivados, fazem parte da identidade cultural dos estudantes e possibilitam aos alunos desenvolver suas próprias experiências científicas de maneira autônoma, levando o conhecimento construído em sala de aula ao exterior do meio escolar, permitindo a disseminação de seu aprendizado, bem como a divulgação de suas experiências nas redes sociais, tornando possível ao aluno aprender e ensinar ao mesmo tempo. O objetivo deste trabalho é ensinar conteúdos de ciências utilizando como ferramenta o smatphone/tablet como laboratório didático de forma a obter aprendizagens significativas.

Palavras-chave


Ferramenta pedagógica. Aprendizagem significativa. Tecnologias das comunicações móveis

Texto completo:

PDF

Referências


AB’SÁBER, Aziz Nacib Relevância e significado da educação científica para o Brasil.

ALVES Rubem. Filosofia da Ciência: Introdução ao jogo e suas regras, Editora Brasiliense 1981.

AUSUBEL, D. P. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

AUSUBEL, David Paul, NOVAK, Joseph e HANESIAN, Helen. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BARROQUEIRO, Carlos Henriques, (VII ENPEC Encontro Nacional de pesquisa em Educação em Ciências) O uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Ensino de Ciências e Matemática: uma benção ou um problema? Florianópolis-SC,08 de novembro de 2009.

BERNARDO, Julio César Oliveira, (Revista EDaPECI, Educação a Distância e Praticas Educativas Comunicacionais e Interculturais), Dispositivos Móveis Digitais na Incrementação do Processo de Ensino e Aprendizagem: Mobile Learning no Rompimento de Paradigmas, Vol. 13; N.1 Jan./abr.2013

BRASIL, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Edição e organização/Secretaria Executiva do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, Projeto Gráfico/Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), Diagramação/Diogo MoraesEstratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012 – 2015, Balanço das Atividades Estruturantes do MCTI 2011. Brasília – DF, 2012.

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. PCN - Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais /Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. 138p.

CITELLI, Adilson (Comunicação & Educação), Inflexões educomunicativas Ano XVII, N. 1 jan/jun 2012.

COSTA Jeremias Ferreira; RENGEL, Eduardo Sérgio; GIOPPO Christiane, (II Congresso Internacional TIC e Educação) O Celular e o Ensino de Ondas na Escola: Uma Proposta Preliminar, Universidade Federal do Paraná.

CRUZ, Carlos Henrique de Brito, Academia Brasileira de Ciências (ABC), Simpósio sobre Excelência em Educação Impacto social, econômico e intelectual da ciência brasileira 21/02/2014. Carlos Henrique de Brito Cruz Acadêmico e diretor-científico da Fapesp http://www.abc.org.br/article.php3?id_article=3123. Acessado em 20/10/2014.

FERNANDES Elisângela, (REVISTA NOVA ESCOLA), David Ausubel e a aprendizagem significativa http://revistaescola.abril.com.br/formacao/david-ausubel-aprendizagem-significativa-662262.shtml acessado em 20/09/2014, às 15:33hs.

FONSECA, Ana Graciela M. F. da (Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano), Aprendizagem, Mobilidade e Convergência: Mobile Learning com Celulares e Smartphones, Artigos Seção Livre, Número 2. 163-181 Junho 2013.

FREIRE, P. PEDAGOGIA DO OPRIMIDO. 17 eds. Rio de Janeiro: Editora: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GOOGLE. PLAY play.google.com/store/apps/details?id=com.fitnesskeeper.runkeeper.pro&hl=pt_BR acessado no dia 24/09/2014, às 23:56hs.

http://unesdoc.unesco.org/images/0021/002196/219641E.pdf acessado em 25/09/2014 às 03:45.

IBOPE, http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/paginas/52-milhoes-de-pessoas-tem-acesso-a-web-pelo-celular-aponta-ibope-media.aspx 09/05/2013 acessado em 15/09/2014 às 17:36hs.

MANNING, Peter K. Metaphorsof the fied: Varieties of organizational discourse, In Administrative Science Quarterly, vol. 24, no 4, December 1979, p. 660-671.

MARCOLIN, Neldson | Edição 221 - Julho de 2014, http://revistapesquisa.fapesp.br/2014/07/15/cientista-e-documentarista/acessado acessado em 20/10/2014.

MORAN, José Manuel; MASETTO, Marcos T.; BEHRENS, Marilda Aparecida. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000.

MOREIRA, Marco A. Mapas Conceituais e Diagramas V. Instituto de Física, UFRGS, 2006. http://www.if.ufrgs.br/~moreira/Livro_Mapas_conceituais_e_Diagramas_V_COMPLETO.pdf

MOREIRA, Marco Antônio. Aprendizagem significativa. Brasília: Ed. da UnB, 1998.

MOURÃO, Ronaldo Rogério de Freitas. Explicando a Teoria da Relatividade. Editora Ediouro, 2005.

NÓVOA, Antônio. (Revista Nova Escola). Professor se forma na escola. Edição 142, MAIO 2001.

PACIEVICHT, Thais. (INFOESCOLA), http://www.infoescola.com/curiosidades/historia-do-telefone/ acessado em 15/09/2014 às 17:22hs.

PROVIR o futuro se aprende http://porvir.org/porfazer/10-dicas-13-motivos-para-usar-celular-na-aula/20130225 acessado em 25/09/2014, às 21:26hs.

RITCHIE, Patricio Henríquez, (Revista Electrónica “Actualidades Investigativas en Educación”), Nuevos Procesos de Interactividad e Interacción Social: Uso de Smartphones por Estudiantes y Docentes Universitarios, Volumen 13, Número 3, Año 2013, ISSN 1409-4703.

RUIZ, Paulina A. Novas tecnologias e estudantes chilenos do Ensino Secundário. Contribuições para a discussão sobre a existência de novos aprendizados. Pontificia Universidad Católica de Chile, Facultad de Educación, Estudios Pedagógicos XXXIX, Nº 2: 279-298, 2013.

UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura - Orientações de Política para a Aprendizagem Móvel. 7, place de Fontenoy, 75352 Paris 07 SP, França 2013. Ensino de Ciências e Desenvolvimento: o que pensam os cientistas / organizado por Jorge Werthein e Célio da Cunha. -- 2.ed. -- Brasília: UNESCO, Instituto Sangari, 2009.276 p.

VIEIRA, Leonardo Pereira. Experimentos de Física com Tablets e Smartphones. Rio de Janeiro, 2013.

WISMAN, R. F.; FORINASH, K. Science in your pocket. International Journal on Handson Science, v. 1, n. 1, p. 1-9, set. 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130820435

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.