Espécies nativas de plantas frutíferas em uma área de Cerrado em Mato Grosso, Brasil

Nadja Gomes Machado, Bruna Gonçalves Aquino, Guilherme Araújo Pessoa Contúrbia Neves

Resumo


O Cerrado é o segundo maior bioma brasileiro, composto por savanas, matas, campos e matas de galeria com mais de 7 mil espécies de plantas, com 44% endêmicas. O objetivo deste trabalho foi identificar as espécies de plantas frutíferas de Cerrado na área do Campus São Vicente do IFMT e seu potencial. O campus está localizado em 15°49’S e 55°25’O, distante 86 km de Cuiabá/MT. A coleta de dados ocorreu entre maio e junho de 2010 com localização e identificação das plantas frutíferas na área denominada de Agri3. Foram encontrados 184 indivíduos distribuídos em 20 espécies e 14 famílias. As espécies Acrocomia aculeata e Anacardium humile apresentaram 48 e 47 indivíduos, respectivamente. Enquanto que, as espécies Mouriri elliptica, Brosimum gaudichaudii, Genipa americana, Talisia esculenta e Vitex montevidensis apresentaram apenas 01 indivíduo cada. Das 20 espécies, 07 apresentam usos na alimentação, medicinal e outros; enquanto que 01 apresentou apenas uso alimentar e medicinal; e, 05 apresentam somente uso alimentar. A vegetação é um recurso fundamental para alimentação humana, assim como sua exploração comercial pode propiciar desenvolvimento socioeconômico através de extrativismo ordenado ou plantação das espécies, podendo acarretar em políticas públicas de conservação das espécies.

Palavras-chave


Plantas nativas; Conservação; Uso alimentar; Uso medicinal; São Vicente da Serra

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, S. P. DE & SILVA, J. A. Piqui e buriti: importância alimentar para a população dos cerrados. EMBRAPA/CPAC, Planaltina (DF). 1994.

ALMEIDA, S. P. DE; PROENÇA, C. E. B.; SANO, S. M. & RIBEIRO, J. F. Cerrado: espécies vegetais úteis. EMBRAPA/CPAC, Planaltina (DF). 1998.

BRANDÃO, M. Plantas produtoras de tanino nos cerrados mineiros. Informe Agropecuário, 6 (173):33-35. 1992.

CASTRO, A.A.J.F.; MARTINS, F.R.; TAMASHIRO, J.Y. & SHEPHERD, G.H. How rich is the flora of Brazilian Cerrados? Annals of the Missouri in Botanical Garden 86: 192-224, 1999.

FRANKIE, G.F.; BAKER, H.G. & OPLER, P.A. 1974. Comparative phenological studies of trees in tropical wet and dry forests in the lowlands of Costa Rica. Journal of Ecology 62(3): 881-913.

GUARIM NETO, G. 2001. Flora medicinal, populações humanas e o ambiente do cerrado. Horticultura Brasileira 19 (2): 204-205.

JEPSON, W. A disappearing biome? Reconsidering land-cover change in the Brazilian savanna. The Geographical Journal 171: 99–111, 2005.

KLINK, C.A. & MACHADO, R.B. Conservation of the Brazilian Cerrado. Conservation Biology 19: 707-713, 2005.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras. Plantarum. 1998.

LORENZI, H. Frutas Brasileiras e Exóticas Cultivadas: de Consumo in Natura. Plantarum. 2006.

MACEDO, J. F. Plantas corticosas do cerrado e sua utilização. Informe Agropecuário 15 (168): 33 37. 1991.

MATTHES, L.A.F. 1980. Composição florística, estrutura e fenologia de uma floresta residual do planalto paulista: Bosque dos Jequitibás (Campinas, SP.). Dissertação de Mestrado, Campinas, UNICAMP.

MORELLATO, L.P.C. 1991. Estudos da fenologia de árvores, arbustos e lianas de uma floresta semidecídua no sudeste do Brasil. Tese de Doutorado, Campinas, UNICAMP.

MORELLATO, L.P.C.; RODRIGUES, R.R.; LEITÃO FILHO, H.F. & JOLY, C.A. 1989. Estudo comparativo da fenologia de espécies arbóreas de floresta de altitude e floresta mesófila semidecídua na Serra do Japi, Jundiaí, São Paulo. Revista Brasileira de Botânica 12: 85-98.

PASA, M.C.; SOARES, J.J. & GUARIM NETO, G. 2005. Estudo etnobotânico na comunidade de Conceição-Açu (alto da bacia do rio Aricá-Açu, MT, Brasil). Acta Botânica Brasílica 19 (2): 195-207.

PAULA, J. E. DE & ALVES, J. L. DE H. Madeiras nativas: anatomia, dendrologia, dendrometria, produção e uso. Fundação Mokiti Okada, Brasília. 1997.

POTT, A. & POTT, V. Plantas do Pantanal. Embrapa. 1994.

PROENÇA, C.; OLIVEIRA, R. S. & SILVA, A. P. Flores e frutos do cerrado. EdUnB, Brasília. 2000.

RATHCKE, B. & LACEY, E.P. 1985. Phenological patterns of terrestrial plants. Annual Review of Ecology and Systematics 16: 179-214.

RATTER, J.A.; RIBEIRO, J.F. & BRIDGEWATER, S. 1997. The Brazilian Cerrado: Vegetation and Threats to its Biodiversity. Annals of Botany 80: 223-230.

RIBEIRO, J. F.; SILVA, J. A. DA & FONSECA, C. E. I. Espécies frutíferas da região do cerrado. Pp.159-189. IN: DONADIO, L. C.; MARTINS, A.B.G. & VALENTE, J.P. Fruticultura tropical. FUNEP-FCAV/UNESP, Jaboticabal. 1992.

ROBOREDO, D.; MAIA, J.C.S.; OLIVEIRA, O.J. & ROQUE, C.G. 2010. Uso de dois penetrômetros na avaliação da resistência mecânica de um latossolo vermelho distrófico. Engenharia Agrícola 30 (2): 307-314.

SHIKI, S.; SILVA, J. G. DA & ORTEGA A. C. (Orgs.). Agricultura, meio ambiente e sustentabilidade do cerrado brasileiro. UFU, Uberlândia. 1997.

SILVA JUNIOR, M. C. 100 Árvores do Cerrado: Guia de Campo. Rede de Sementes do Cerrado. 2005.

SILVA, J. A.; SILVA, D. B.; JUNQUEIRA, N. T. & ANDRADE, L. R. M. Frutas nativas dos cerrados. EMBRAPA/CPAC, Planaltina (DF). 1994.

SIQUEIRA, J.C. Utilização popular das plantas do cerrado. Ed. Loyola, São Paulo. 1981.

SPINA, A.P., FERREIRA, W.M. & LEITÃO-FILHO, H.F. 2001. Floração, frutificação e síndromes de dispersão de uma comunidade de floresta de brejo na região de Campinas. Acta Botanica Brasilica 15: 349-368.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236130813068

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.