O curioso caso do homem plano de Patrícia Portela: uma leitura desestabilizadora

Paulo Ricardo Kralik Angelini

Resumo


Para cima e não para norte, de Patrícia Portela, apresenta o homem plano, personagem que desliza entre as linhas dos livros e concretiza-se no processo de leitura. Assumindo seu espaço na linhagem de narradores portugueses dramatizados e com consciência de si próprios, o texto de Portela encaminha-se num projeto performático, valendo-se de estratégias narrativas inovadoras, projeto gráfico interativo, contaminado por outras manifestações artísticas, como teatro, artes visuais e cinema, para provocar o leitor, sequestrando-o para dentro da obra. Como suporte teórico, autores como Wayne Booth, Paul Ricoeur, Paul Zumthor, Brian Richardson, Ricardo Piglia, Umberto Eco, entre outros.


Palavras-chave


Para cima e não para norte; Performance; Narrador dramatizado; Literatura portuguesa

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Lobo. Ontem não te vi em Babilônia. Lisboa: Dom Quixote, 2006.

ARRUDA, Renata. eu olhava para ti, e tu olhavas para mim. Blog Prosa espontânea. Disponível em http://mardemarmore.blogspot.com.br/2013_06_01_

archive.html. Acesso em 11/06/2016.

BARTHES, Roland. O prazer do texto. São Paulo: Perspectiva, 2006.

BOOTH, Wayne. A retórica da ficção. Lisboa: Arcádia, 1980.

CARVALHO, Mário de. Fantasia para dois coronéis e uma piscina. 3. ed. Lisboa: Caminho, 2004. JAMES, Henry. A arte da ficção. São Paulo: Imaginário, 1995.

CARVALHO, Rodrigo Guedes de. Canário. Lisboa: Dom Quixote, 2007.

CENTENO, Yvette K. Amores secretos. Lisboa: ASA, 2006.

CORTÁZAR, Julio. Valise de cronópio. São Paulo: Perspectiva, 1974.

ECO, Umberto. Seis passeios nos bosques da ficção. Algés: Difel, 1997.

GARRETT, Almeida. Frei Luis de Souza. Lisboa: Publicações Europa--América, 1957.

GARRETT, Almeida. Viagens na minha terra. 4. ed. São Paulo: Nova Alexandria, 1992.

LIMA, Maria João. Para cima e não para norte: paginação. Panóplia Design gráfico. Editora Discográfica. Disponível em http://panopliamjl. blogspot.com.br/2010/09/romance_20.html. Acesso em 18/06/2016.

LUBBOCK, Percy. A técnica da ficção. São Paulo: Cultrix, 1976.

MACEDO, Helder. Pedro e Paula. 2. ed. Lisboa: Editorial Presença, 1998.

O plano de um comum homem plano. Blog: Sobre Fatalismos. Disponível em https://sobrefatalismos.wordpress.com/2013/04/15/o--plano-de-um-comum-homem-plano/#jp-carousel-4351. Acesso em 10/06/2016.

PIGLIA, Ricardo. O último leitor. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

PORTELA, Patrícia. Para cima e não para norte. Rio de Janeiro: Leya, 2012.

REIS, Carlos; LOPES, Ana. Dicionário de Teoria da Narrativa. São Paulo: Ática, 1988.

RICHARDSON, Brian. Unnatural voices: extreme narration in Modern and Contemporary Fiction. Columbus: The Ohio States University Press, 2006.

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa. Campinas: Papirus, 1997.

SARAMAGO, José. Memorial do convento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000. 25ª ed.

SITI, Walter. “O romance sob acusação”. In: MORETTI, Franco. A cultura do romance. São Paulo: Cosac Naify, 2009.




DOI: https://doi.org/10.5902/2176148525081

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Letras



 

                      

 

                

 

                

 

    

  

   

 

  

 

 

                                     QUALIS/CAPES: Letras A2

                              ISSN Versão Impressa: 1519-3985

                              ISSN Versão Digital: 2176-1485



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.