O uso de aplicativos de leitura e escrita com alunos com deficiência intelectual

Ana Cláudia Oliveira Pavão, Karolina Waechter Simon

Resumo


O estudo objetiva analisar o potencial dos aplicativos educacionais no ensino da leitura e escrita a estudantes com deficiência intelectual. Para tal, apresenta abordagem qualitativa e procedimentos de pesquisa participante. Os sujeitos são 12 estudantes com deficiência intelectual. O instrumento foi o diário de campo, por meio de uma matriz de referência, que caracteriza quatro níveis de leitura e escrita e requisitos pedagógicos e técnicos que os aplicativos devem conter em cada nível. Foram analisados doze aplicativos e os dados tratados por uma análise reflexiva. Os resultados evidenciam que os aplicativos não são desenvolvidos considerando o nível de leitura e escrita; nem todo aplicativo é adequado para o ensino e aprendizagem, mesmo possuindo requisitos importantes e, por fim, conclui-se a necessidade de desenvolver diretrizes para a utilização de aplicativos que contemplem os quatro níveis de leitura e escrita.


Palavras-chave


Aplicativos; níveis de leitura e escrita; deficiência intelectual.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ANDRADE, Maria Margarida de. Técnicas para elaboração dos trabalhos de graduação. In: Introdução à metodologia do trabalho científico. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2006, p. 25-38.

BAHIA, Ana Beatriz. Desenhando health games para não gamers. In: ALVES, Lynn e COUTINHO, Isa de Jesus. Jogos Digitais e aprendizagem: fundamentos para uma prática baseada em evidências. Campinas: Papirus, 2016, p. 77-104.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: CORDE, 1994.

BUSARELLO, Raul Inácio. Gamification: princípios e estratégias. São Paulo: Pimenta Cultural, 2016. 140p.

ESPINOSA, Ruth Contreras. e GÓMEZ, Jose Luis Eguia. Pesquisa da avaliação e da eficácia de aprendizagem baseada em jogos digitais: reflexões em torno da literatura científica. Trad. Beatriz Marchesini. In: ALVES, Lynn e COUTINHO, Isa de Jesus. Jogos digitais e aprendizagem: fundamentos para uma prática baseada em evidências. Campinas: Papirus, 2016, p. 61-76.

FAGUNDES, Natalia Filipini. O uso de aplicativo de celular como recurso didático no Atendimento Educacional Especializado (AEE) com aluno autista do ensino fundamental. Artigo (especialização) - Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Tecnologia, Curso de Especialização em Mídias na Educação, EaD, RS, 2019.

FERREIRO, Emilia; TEBEROSKY, Ana. A psicogênese da língua escrita. Diana Myriam Lichteinstein (Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.

GALVÃO FILHO, Teófilo. Tecnologia Assistiva: favorecendo o desenvolvimento e a aprendizagem em contextos educacionais inclusivos. In: GIROTO, Claudia Regina Mosca; POKER, Rosimar Bortolini. OMOTE, Sadão. (Org.). As tecnologias nas práticas pedagógicas inclusivas. Marília/SP: Cultura Acadêmica, 2012 p. 65-92.

GALVÃO FILHO, Teófilo. Deficiência intelectual e tecnologias no contexto da escola inclusiva. In: GOMES, Cristina (org.). Discriminação e racismo nas Américas: um problema de justiça, equidade e direitos humanos. Curitiba: CRV, 2016, p. 305-321. Disponível em: http://www.galvaofilho.net/DI_tecnologias.htm. Acesso em: 11 jul. 2020.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

HENRIQUE, Hélen Cristina Rodrigues; SOUZA, Fúlvio Rafael Bento de; SILVA, Rejane Maria Ghisolfi. Avaliando mediações e interações “com, no e pelos” objetos de aprendizagem no contexto escolar. In: SOUZA JUNIOR, Arlindo José. et al. Objetos de aprendizagem: aspectos conceituais, empíricos e metodológicos. Uberlândia: Edufu, 2010, p. 61-98.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér; BATISTA, Cristina Abranches Mota. Atendimento educacional especializado em deficiência mental. In: BRASIL. Atendimento educacional especializado: deficiência mental. Brasília: SEESP/MEC, 2007, p. 13-42.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento, pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo/ Rio de Janeiro: Hucitec/ABRASCO, 2014.

MOOJEN, Sônia Maria Palaoro. A escrita ortográfica na escola e na clínica – teoria, avaliação e tratamento. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2009.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO E A CULTURA. Relatório Global UNESCO - abrindo novos caminhos para o empoderamento: TIC no acesso à informação e ao conhecimento para as pessoas com deficiência /UNESCO. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2014.

PAIXAO, Katia de Moura Graça. Mediação Pedagógica e Deficiência Intelectual: em cena a linguagem escrita. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Marília, 2018.

PASSERINO, Liliana Maria.; DIAS, Carla Cristina Lui E RAPKIEWICZ, Clevi Elena. Acessibilidade em Objeto de Aprendizagem na Área de Química: uma mistura legal. In: Arlindo José de Souza Junior; Carlos Roberto Lopes; Márcia Aparecida Fernandes; Rejane Maria Ghisolfi da Silva. (Org.). Objeto de aprendizagem: aspectos conceituais, empíricos e metodológicos. 124 ed. Uberlândia: EDUFU, 2010.

PETRY, Arlete dos Santos. Jogos digitais e aprendizagem: algumas evidências de pesquisa. In: ALVES, Lynn; COUTINHO, Isa. Jogos digitais e aprendizagem: fundamentos para uma prática baseada em evidências. Campinas: Papirus, 2016, p. 43-60.

ROCHA, Jaquelini Grillo Biral, & THIENGO, Edmar Reis. Alfabetização de estudante com deficiência intelectual: uso de um software educativo. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 11(11), e513, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.25248/reas.e513.2019 Acesso em: 22 ag. 2020.

RODRIGUES, Jeanine Taís Drescher. As tecnologias da informação e da comunicação na mediação da alfabetização de alunos com deficiência intelectual. Artigo (especialização) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2018. Disponível em: http://repositorio.ufsm.br/handle/1/15368. Acesso em: 9 jul. 2020.

SANTOS, Maria Aline Marques dos. Promoção da aprendizagem da leitura através das Tecnologias da Informação e Comunicação, numa criança com Perturbação do Espetro do Autismo. Dissertação de Mestrado. Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Coimbra. Coimbra, 2014.

TOBIAS, Sigmund; FLETCHER, Dexter; WIND, Alexander. Game based learning. In: SPECTOR, J.M. et al. (org). Editors handbook of research on educational communications and techbology. 4ª ed. Nova York: Springer Science +Business Media, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984686X46925

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação Especial agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

__________________________________________________