Cartografia tátil e deficiência visual: um olhar na perspectiva da educação escolar inclusiva

Ronise Venturini Medeiros, Josefa Lídia Costa Pereira

Resumo


Este estudo configura-se como um recorte de um trabalho de conclusão de curso, o qual a partir do atual contexto escolar inclusivo e da evidência da importância da utilização dos recursos didáticos para o processo de ensino aprendizagem de alunos com deficiência visual, teve como objetivo investigar de que forma a Cartografia Tátil é utilizada por professores de Geografia e de Educação Especial e como influencia na aprendizagem de alunos com deficiência visual matriculados em escola de ensino regular da rede pública da cidade de Santa Maria - RS. A pesquisa é de cunho qualitativo, com modalidade estudo de caso e foi realizada em uma escola regular da rede municipal de ensino da cidade de Santa Maria – RS. Verificou-se que a Cartografia Tátil, mais especificamente, os mapas táteis, é um recurso utilizado pelos professores de Geografia e de Educação Especial com os alunos cegos, bem como, contribui positivamente para o processo de aprendizagem dos conceitos de Geografia. Dessa forma, compreende-se que a utilização dos recursos cartográficos táteis torna-se imprescindível para o ensino de conceitos geográficos para alunos com deficiência visual. Estima-se que a pesquisa possa contribuir para a disseminação da área no campo da Educação Especial, vindo a motivar novas pesquisas.


Palavras-chave


Educação Especial. Deficiência Visual. Cartografia Tátil.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1984686X24479

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

 

 

Periodicidade – Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição 31 março.

Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição 30 junho.

Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição 30 setembro.

Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________