Estimativa da biomassa comercial de brotos de Ilex paraguariensis A.St.-Hil.

Elisabete Vuaden, Frederico Dimas Fleig, Gerson Luiz Selle, Mayara Dalla Lana, Gustavo Fernandes da Silva, Jonas Flores Vargas

Resumo


Este estudo teve como objetivo desenvolver modelos que permitam estimar a biomassa comercial verde dos brotos de erva-mate (Ilex paraguariensis) após a poda, aos 10 anos de idade. Em setembro de 2007, 40 erveiras foram podadas, um ano após a primeira poda, em 2008, estas foram avaliadas dendrometricamente e sua biomassa comercial determinada a partir da colheita de 16 indivíduos, para as demais, a biomassa comercial foi estimada pelo somatório da biomassa dos brotos. Como resultado obteve-se que: a biomassa comercial dos brotos pode ser estimada como função do comprimento folhado dos mesmos, com modelos específicos para brotos curtos: √bc = 0,8682 + 0,0113 . cf2, brotos médios simples e compostos: ln bc = -2,1600 + 1,3861 . ln cf e brotos longos compostos: ln bc = -0,6288 + 1,0584. ln ∑cf; os modelos utilizados para a estimativa da biomassa comercial dos brotos que utilizam o comprimento folhado e somatório do comprimento folhado como variáveis independentes, subestimam os valores de biomassa com uma margem de erro de apenas 2,6 %.

Palavras-chave


equação; brotos; erva-mate

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, L. F. A. et al. Ácaros fitófagos da erva-mate: situação atual e perspectivas de controle. In: CONGRESSO SUL- AMERICANO DE ERVA-MATE, 2., 2000, Encantado. Anais... Encantado, Evangraf, 2000. p. 39-42.

ANDRAE, F.; KRAPFENBAUER, A. Inventário de um reflorestamento de araucária de 17 anos em Passo Fundo – RS: inventário de nutrientes. In:______. Pesquisa austríaco-brasileira (1973-1982). Santa Maria, 1983. p. 30-55.

BAGGIO, A J.; CARPANEZZI, A. A.; SANMIGUEL, A. A. Equações para a estimativa de peso da biomassa aérea de bracatinga (Mimosa scabrela Benth.) na idade de corte. Boletim de Pesquisa Florestal, Curitiba, n. 30/31, p. 37-49, jan./dez. 1995.

BARRICHELLO, L. R. Quantificação da Biomassa e dos Nutrientes em Floresta de Acácia mearnsii De Wild. na região sul do Brasil. 2003. 58 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

BERGER, G. Biomassa e nutrientes em plantios de erva-mate (Ilex paraguariensis A. ST.-Hil.), no municípo de Nova Prata, RS. 2006. 93 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

DA CROCE, D. M.; HIGA, A. R.; FLOSS, P. A.. Escolha de fontes de sementes de erva-mate (Ilex paraguariensis St. Hil.) para Santa Catarina. Florianópolis: EPAGRI, 1994. 23 p. (Boletim Técnico, 69).

DA CROCE, D. M.; FLOSS, P. A. Cultura da Erva-Mate no Estado de Santa Catarina. Florianópolis: EPAGRI, 1999. 81 p. (Boletim Técnico,100).

FLEIG, F. D. Morfometria e quantificação da biomassa comercial e residual da poda de erva-mate (Ilex paraguariensis St. Hil.) em reflorestamentos. 2002. 140 f.. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

FLEIG, F. D.; SCHNEIDER, P. R.; FINGER, C. A. G. Determinação da biomassa comercial da erva-mate (Ilex paraguariensis St. Hil.) em função do diâmetro da copa, altura total e área folhada da copa. In: SIMPÓSIO LATINO-AMERICANO SOBRE MANEJO FLORESTAL, 3., 2004, Santa Maria. Anais... Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, 2004. p. 374-380.

MAGALHÃES, R. A. S. dos. Quantificação e localização da biomassa florestal. Coimbra, 1993. 145 f. Monografia (Estágio Profissionalizante)- Escola Superior agrária de Coimbra. Instituto Politécnico de Coimbra.

MALUF, J. R. T., Nova classificação climática do estado do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa Maria, v. 8, n. 1, p. 141-150, jan./abr. 2000.

MARTINS, F. B. Estabelecimento de equações de biomassa para Pinus pinaster Aiton. 2004. 92 f. Monografia (Relatório de estágio)- Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

RIBEIRO, C.; MADEIRA, M. Decomposição e liberação de nutrientes de agulhas de Pinus pinaster na região Centro Litoral de Portugal. In: ENCONTRO ANUAL SOCIEDADE PORTUGUESA DE CIÊNCIA DO SOLO, 6., 2003, Coimbra: Anais... Coimbra, ESAC, 2003. p. 110.

SILVA, J. V. M. da. et al. Quantificação da biomassa e do carbono no resíduo de uma floresta de Eucalyptus Grandis aos 11 anos de idade em diferentes intensidades de colheita. In: SIMPÓSIO LATINO- AMERICANO SOBRE MANEJO FLORESTAL, 3., 2004, Santa Maria. Anais...Santa Maria: PPGEF, 2004. 465 p.

SALATI, E. Emissão x sequestro de carbono do CO2 In: EMISSÃO X SEQUESTRO DE CARBONO DO CO2 – UMA NOVA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIOS PARA O BRASIL, 1994, Rio de Janeiro. Anais...Rio de Janeiro, CVRD, 1994. p. 13-37.

SAS. The SAS System for Windows. Copyright (c) 1999-2001 by SAS Institute Inc., Cary, NC, USA. 1999.

ST. CLAIR, J. B. Familiy diferences in equations for predicting biomass and leaf area in Douglas-Fir (Pseudotsuga menziesii var. Menziesii). Forest Sciense, Bethesda, v. 39, n. 4, p. 743-755, Nov. 1993.

STRECK, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. 2. ed. Porto Alegre: EMATER/RS, 2008. 222 p.

TOPIC, V. et al. Regression models for estimating biomass of repour pubescent aok (Quercus pubescens Willd.), italina oak (Quercus fainetto Tem.) and holm oak (Quercus ilex L.) Glas. Sum. Pokuse, Zagreb, v. 37, p.123-131. 2000.




DOI: https://doi.org/10.5902/19805098882

Licença Creative Commons