Modelos de crescimento em diâmetro de árvores individuais de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze em Floresta Ombrófila Mista

Tatiane Chassot, Frederico Dimas Fleig, César Augusto Guimarães Finger, Solon Jonas Longhi

Resumo


Este trabalho objetivou modelar o crescimento em diâmetro para árvores individuais de Araucaria angustifolia, ocorrentes na Floresta Ombrófila Mista no nordeste do Rio Grande do Sul. Para tanto, foram utilizadas remedições em intervalo de 7 anos de 251 indivíduos de araucária ocorrentes nas parcelas permanentes do Projeto PELD/CNPq. Foi construído um modelo de produção, tendo como variável dependente o diâmetro futuro, utilizando regressão e análise de covariância. Como variáveis independentes, foram utilizadas as características dimensionais e sociológicas dos indivíduos e os índices de concorrência independentes de distância. A variável mais correlacionada com o diâmetro futuro foi o diâmetro atual. Os índices de concorrência apresentaram alta correlação com a variável dependente, representando a pressão competitiva exercida sobre a árvore, mas não foram selecionados no modelo de regressão. Somente o diâmetro atual, multiplicado por um coeficiente, acrescido de um valor constante o qual diferiu de acordo com a posição sociológica do indivíduo, foi eficiente para predizer o diâmetro futuro. Foram construídos três variações do modelo de produção. Esses modelos apresentaram melhores estimativas para indivíduos de Araucaria angustifolia emergentes, no entanto, o seu emprego na prognose de crescimento de árvores individuais deve ser cauteloso por causa da magnitude dos erros de predição que apresentou.


Palavras-chave


concorrência; incremento diamétrico; pinheiro-brasileiro

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, F. M. De. Cultivo de Araucaria angustifolia: análise de viabilidade econômico-financeiro. Florianópolis: BRDE, 2005. 53 p.

CAMPOS, J. C. C.; LEITE, H. G. Mensuração Florestal: Perguntas e respostas. 2. ed. Viçosa: UFV, 2006. 470 p.

DELLA–FLORA, J. B. Modelos de Crescimento para Árvores Singulares Nectandra megapotamica (Spreng.) Mez. e Ocotea puberula Ness. 2001. 60 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal)–Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2001.

ENCINAS, J. I.; SILVA, G. F.; PINTO, J. R. R. Idade e Crescimento das Árvores. Comunicações Técnicas Florestais, Brasília, v. 7, n. 1, dez. 2005.

HASENAUER, H. Ein Einzelbaumwachtumssimulator für ungleichaltrige Fichten- Kiefernund Buchen-Fichtenmischbestände. Fostliche Schriftenreihe, Universität für Bodenkultur, Wien. Band 8, 152 p. 1994.

HESS, A. F.; SCHNEIDER, P. R.; FINGER, C. A. G. Crescimento em diâmetro de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze em função da idade, em três regiões do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 19, n. 1, p. 7-22, jan./mar. 2009.

IBDF/FATEC. Plano de manejo para a Floresta Nacional de São Francisco de Paula – RS. Santa Maria: Ministério do Interior, 1989. 217 p.

KIERMAN, D. H.; BEVILACQUA, E.; NYLAND, R. D. Individual-tree diameter growth model for sugar maple trees in uneven-aged northern hardwood stands under selection system. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 256, p. 1579-1586, 2008.

LONGHI, S. J. et al. Classificação e caracterização de estágios sucessionais em remanescentes de Floresta Ombrófila Mista na Flona de São Francisco de Paula, RS, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 16, n. 2, p. 113-125, abri./jun. 2006.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2. ed.. Nova Odessa, SP: Ed. Plantarum, 1998. 352 p. v.1

MÄKINEN, H. Effect of Intertree Competition on Branch Characteristics of Pinus sylvestris Families. Canadian Journal Forest Research, Vancouver, v. 11, p. 129-136, 1996.

MATTOS, R. B. Produtividade e incremento de Cabralea canjerana (Vell.) Mart., Cedrela fissilis Vell. e Cordia trichotoma (Vell.) Arrab. Ex Steud., em floresta nativa no Rio Grande do Sul, RS. 2007. 106 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal)–Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961. 41 p.

NARVAES, I. S. da. Classificação e caracterização da regeneração em Floresta Ombrófila Mista na Floresta Nacional de São Francisco de Paula, RS. 2004. 134 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal)–Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2004.

NIMER, E. Clima. In: IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: 1990, p. 151-187.

PORTÉ, A.; BARTELINK, H. H. Modeling mixed forest growth: a review of models for forest management. Ecological Modelling, Amsterdam, v. 150, p. 141–188, 2002.

PRODAN, M. et al. Mensura Forestal 1. San José, C. R.: Deustche Gesellschaft für Tecnische Zusammenarbeit (GTZ) GmbH: Instituto Interamericano de Cooperación para la Agricultura (IICA), 1997. 586 p.

RIBEIRO, S. B. Classificação e ordenação da comunidade arbórea da Floresta Ombrófila Mista da FLONA de São Francisco de Paula, RS. Santa Maria, 2004. 181 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal)–Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2004.

SANQUETTA, C. R. Perspectivas da recuperação e do manejo sustentável

das florestas de araucária. Disponível em:

<( http://www.comciencia.br/reportagens/2005/08/09.shtml)> Acesso em: 08/05/09.

SCHNEIDER, P. R.; FINGER, C. A. G.; HOPPE, J. M. Produção de Araucaria angustifolia O. Ktze. na região do planalto médio do estado do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 2, n. 1, p. 99-118, jan./mar. 1992.

STERBA, H. Forstliche Ertragslehre. Heft 4. Wien: Universität für Bodenkultur, 1992. 160 p.

STRECK, E. V.; et al. Solos do Rio Grande do Sul. 2. ed. Porto Alegre.: EMATER/RS; UFRGS, 2008. 222 p.

VANCLAY, J. K. Modelling Forest Growth and Yield: Applications to Mixed Tropical Forest. Wallingford: CAB INTERNATIONAL, 1994, 312 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050983234

Licença Creative Commons