Determinação das deformações residuais longitudinais decorrentes das tensões de crescimento em Eucalyptus spp.

Rafael Beltrame, Marília Lazarotto, Clovis Roberto Haselein, Elio José Santini, Paulo Renato Schneider, Aurélio Mendes Aguiar

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050985741

O presente estudo foi desenvolvido com o objetivo de determinar as deformações residuais longitudinais (DRL), decorrentes das tensões de crescimento em árvores em pé e vivas de diferentes clones de Eucalyptus spp. Para tanto, foram selecionados 12 clones do gênero Eucalyptus com nove anos de idade, por meio das maiores áreas basais (G). Foram selecionadas 12 árvores de cada clone, onde foram medidas as variáveis de densidade básica (DB), espessura de casca (EC), diâmetro a altura do peito (DAP) e altura total (H). As medições da DRL foram realizadas, com o auxílio do extensômetro (Growth Strain Gauge), pelo método CIRAD-Forêt. As leituras foram realizadas em quatro posições ao redor do tronco da árvore. Em relação aos níveis das DRL, os resultados obtidos no estudo indicaram que os clones apresentaram grandes variações entre si, apresentando um valor médio considerado elevado quando comparado com resultados encontrados na literatura. O clone 8 se destacou por apresentar os menores níveis de deformação, sendo considerado um material recomendado para programas de melhoramento genético e para produção de madeira sólida. Já o clone 1, apresentou os maiores valores das DRL. Ocorreram variações das DRL, ao longo da circunferência do tronco das árvores, sendo mais acentuadas na linha referente à posição Leste. Analisando as correlações entre as variáveis, verificou-se que as DRL apresentaram correlações significativas com a EC, DAP e o volume total da árvore em pé (VOL).

Palavras-chave


deformações; extensômetro; melhoramento genético; qualidade da madeira

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050985741

Licença Creative Commons