Fitossociologia em fragmento florestal no noroeste do estado do Rio Grande do Sul

Marcelo Callegari Scipioni, César Augusto Guimarães Finger, Edison Bisognin Cantarelli, Luciano Denardi, Evandro Alcir Meyer

Resumo


O presente estudo foi realizado em Frederico Westphalen, no Estado do Rio Grande do Sul, com a instalação de 10 parcelas de 20x50 m. Em cada parcela foram levantadas todas as plantas com diâmetro a altura do peito (DAP) ≥ 5 cm, totalizando 1.461 indivíduos amostrados no hectare. A florística da área inclui 79 espécies distribuídas em 31 famílias e 69 gêneros. A família Fabaceae, com 14 espécies, foi a mais diversa, seguido por Myrtaceae (8), Meliaceae (6), Euphorbiaceae (5), Sapindaceae (5), Rutaceae (4) e Salicaceae (4). As espécies com maior valor de importância (VI) foram Gymnanthes concolor, Nectandra megapotamica, Trichilia claussenii e Chrysophyllum marginatum. Os índices de diversidade de Shannon e equabilidade de Pielou foram respectivamente 3,49 nats. ind.-1 e 0,79. Na análise de agrupamento de Twinspan foi contatado pela florística três subformações no fragmento, e destas, uma foi fisionomicamente distinta pelo estrato inferior, com o predomínio de espécies arborescentes (xaxim), enquanto as demais foram caracterizadas por espécies arbóreas, sendo as espécies, Trichilia claussenii e Gymnanthes concolor, as responsáveis pelo grande grupo fisionômico, que caracterizou a sucessão florestal em secundária avançada.


Palavras-chave


grupos ecológicos; floresta secundária; sucessão florestal; pteridófita arborescente

Texto completo:

PDF

Referências


APG II. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the ordens and families of flowering plants: APG II. Botanical Journal of the Linnaean Society, London, n. 141, p. 399-436, 2003.

ARAUJO, M. M. et al., Análise de agrupamento da vegetação de um fragmento de floresta estacional decidual aluvial, Cachoeira do Sul, RS, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 1, p. 133-147, 2004.

CARVALHO JR., L. A. et al. Fitoanálise: Versão 4.0 – 10. Santa Maria: 2000. Software para análise fitossociológica da vegetação.

CONAMA. Conselho Nacional de Meio Ambiente. Estabelece definições e parâmetros mensuráveis para análise de sucessão ecológica da Mata Atlântica no Rio de Janeiro. Resolução 006 de 1994.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema de Classificação Brasileiro de Classificação de Solos. 2. ed. Rio de Janeiro: 2006. 306 p.

FELFILI, J. M. et al. Análise multivariada em estudos de vegetação. Brasília: Universidade de Brasília, Departamento de Eng. Florestal, 2007. 60 p. (Comunicações Técnicas Florestais, v.9, n.1).

FIGUEIREDO, I. B.; SCARIOT, A. Padrões de Polinização e Dispersão de Sementes de Espécies Arbóreas de Floresta Estacional Decidual, Brasil Central, 2003. In: CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL, 6., 2003, Fortaleza. Anais... Fortaleza: Sociedade de Ecologia do Brasil, 2003. In: Cap. III - Florestas Estacionais p. 439-441.

GIEHL, E. L. H. et al. Distribuição espacial de espécies arbóreas em uma floresta estacional em Santa Maria, sul do Brasil. Pesquisas: Botânica, São Leopoldo, n. 58, p. 215-226, 2007.

HACK, C. et al. Análise fitossociológica de um fragmento de floresta estacional decidual no município de Jaguari, RS. Ciência Rural, Santa Maria, v. 35, n.5, p. 1083-1091, set./out. 2005.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro, 1992. 92 p.

IBGE. Zoneamento geoambiental e agroecológico do estado de Goiás: região noroeste. IBGE/Divisão de Geociências do Centro-Oeste, Rio de Janeiro, RJ, 1995.

IBGE. Mapa exploratório de solos do Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2002. 1 mapa, digital, 120 cm. Escala 1:100.000.

JARENKOW, J. A.; WAECHTER, J. L. Composição, estrutura e relações florísticas do componente arbóreo de uma floresta estacional no Rio Grande do Sul. Ver. Brasil. de Bot., São Paulo, v. 24, n. 3, p. 263-272, 2001.

JONGMAN, R. H. G. et al. Data analysis in community and landscape ecology. 2nd ed. Cambrigde: Cambrigde University Press, 1995. 299 p.

KHURANA, E.; SINGH, S. J. Ecology of seed and Seedling Growth for Conservation and Restoration of Tropical Dry Forest: a review. Environmental Conservation, v. 28, p. 39-52, 2001.

KRAY, J. G.; JARENKOW, J. A. Estrutura do componente arbóreo de mata estacional de encosta do Parque de Itapuã, Viamão, RS, 2003. In: CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL, 6., 2003, Fortaleza. Anais... Fortaleza: Sociedade de Ecologia do Brasil, 2003. Cap. III - Florestas Estacionais p. 452-453.

LEITE, P. F.; KLEIN, R. M. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Geografia do Brasil – Região Sul. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. p.113 - 150.

LONGHI, S. J. Aspectos fitossociológicos dos “Capões” na região de Carovi e Tupantuba, em Santiago, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 1, n. 1, p. 22-39, 1991.

LONGHI, S. J. et al. Composição florística e estrutura da comunidade arbórea de um fragmento florestal no município de Santa Maria, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 9, n. 1, p. 115-133, 1999.

LONGHI, S. J. et al. Caracterização fitossociológica do estrato arbóreo em um remanescente de floresta estacional semidecidual, em Montenegro, RS. Ciência Rural, Santa Maria, v. 38, n. 6, p. 1630-1638, set. 2008.

MCCUNE, B.; MEFFORD, M. J. PC-ORD version 5.0. Multivariate analysis of ecological data. MjM Solfware Desing, Glaneden Beach, 2006.

MOREIRA, P. A. B. Efeito da criopreservação de esporos em nitrogênio líquido no desenvolvimento de gametófitos de Dicksonia sellowiana Hook. 2005. 64 f. Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal)-Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul, 1961. 42 p.

MURPHY, P. G.; LUGO, A. E. Ecology of Tropical Dry Forest. Annual Review of Ecology and Systematics, v. 17, p. 67-88, 1986.

NIMER, E. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Geografia do Brasil – Região Sul. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. p.151 - 187.

OLIVEIRA-FILHO, A. T.; JARENKOW, J. A.; RODAL, M. J. N. Floristic relationships of seasonally dry forests of eastern South America based on tree species distribution patterns. In: PENNINGTON, R. T.; LEWIS, G. P.; RATTER, J. A. (Org.). Neotropical savannas and dry forests: Plant diversity, biogeography and conservation. Boca Raton: CRC Press, 2006, v.1, p. 159-192.

RAMBO, B. Migration routes of the south brasilian rain florest. Pesquisa botânica, São Leopoldo, v. 12, p. 1-54, 1961.

REITZ, R. et al. Projeto Madeira do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: SUDESUL-GERS-IBDF, 1988.

RIBEIRO, S. B. et al. Diversidade e Classificação da comunidade arbórea da Floresta Ombrófila Mista da FLONA de São Francisco de Paula, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, n. 2, p. 101-108, abr./jun. 2007.

SCHMITT, J. L.; WINDISCH, P. G. Aspectos ecológicos de Alsophila setosa Kaulf. (Cyatheaceae, Pteridophyta) no Rio Grande do Sul, Brasil. Acta bot. bras. v.19, n. 4, p. 859-865, 2005.

SCIPIONI, M. C. Análise dos padrões florísticos e estruturais da comunidade arbórea-arbustiva e da regeneração natural em gradientes ambientais na floresta estacional, RS, Brasil. 2008. 89 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal)-Universidade Federal de Santa Maria, 2008.

SOBRAL, M.; JARENKOW, J. A. (Org.). Flora arbórea e arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. São Carlos: Rima; Porto Alegre: Novo Ambiente, 2006. 350 p.

VACCARO, S.; LONGHI, S. J. Análise fitossociológica de algumas áreas remanescentes da Floresta do Alto Uruguai, entre os rios Ijuí e Turvo, no Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 5, n. 1, p. 33-53, 1995.

VACCARO, S. et al. Aspectos da composição florística e categorias sucessionais do estrato arbóreo de três subseres de uma floresta estacional decidual, no município de Santa Tereza - RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 9, n. 1, p. 1-18, 1999.

WEISER, V. L.; GODOY, S. A. P. Florística em um hectare de cerrado strictu sensu na arie-cerrado pé-de-gigante, Santa Rita do Passa Quatro, SP. Acta bot. Bras., São Paulo, v. 15, n. 2, p. 201-212, 2001.

WIKANDER, T. Mechanismos de Dispersion de Diásporas de uma Selva Decídua em Venezuela. Biotropica, v.16, p. 276-285, 1984.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050983799

Licença Creative Commons