Fenologia, morfologia e análise de sementes de Apuleia leiocarpa (Vogel) J. F. Macbr.

Marciele Felippi, Charles Rodrigo Belmonte Maffra, Edison Bisognin Cantarelli, Maristela Machado Araújo, Solon Jonas Longhi

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050986616

Com o objetivo de agregar conhecimentos em relação à Apuleia leiocarpa (Vogel) J. F. Macbr., analisou-sesua época de floração e frutificação, a morfologia de frutos, sementes, germinação, plântula e muda, comotambém características físicas, germinação e emergência de sementes de diferentes árvores matrizes. A partirda seleção de 20 árvores matrizes, foram realizadas observações mensalmente, a fim de averiguar a presençade flores e frutos. Após a maturação dos frutos, estes foram coletados, suas sementes extraídas, beneficiadase separadas por matriz, de onde foram retiradas amostras para determinação do peso, teor de água, testesgerminativos e de emergência em condições de laboratório e viveiro. Exemplares de frutos e sementesforam armazenados em álcool 70 %, para posterior descrição morfológica. A maior presença de flores degrápia ocorreu de setembro a outubro e de frutos, de janeiro a março, havendo variações em relação à épocae à frequência de árvores matrizes nas fenofases, assim como a quantidade estimada de frutos e sementespresentes em cada ano. Morfologicamente, o fruto é simples, vagem seca e indeiscente, com 1 a 2 sementescada, sendo estas de coloração castanha, com cicatriz linear visível, rafe pouco desenvolvida e micrópilapróxima ao hilo. Internamente, a semente é albuminosa, com embrião axial, espatulado, ocupando ¾ daregião interna, com cotilédones foliáceos e grandes. A germinação é epígea e a plântula fanerocotiledonar.O comprimento dos frutos variou de 1,45 a 3,01 cm, a largura de 1,20 a 2,07 cm e a espessura de 0,20 a 0,30cm. Para as sementes, 1,2 a 2,1 cm de comprimento, 0,6 a 0,95 cm de largura e 0,1 a 0,2 cm de espessura.Houve diferenças entre árvores matrizes para os testes físicos e fisiológicos, onde o número de sementespor quilograma variou de 8.713 a 11.197, o grau de umidade de 12,43 a 27,97 %, a germinação de 13 a96 % e a emergência de 26 a 88 %. Concluiu-se que sementes provenientes de indivíduos de uma mesmapopulação possuem variações expressivas quanto às características físicas e fisiológicas, seja em funçãodo ambiente, fator genético ou do micro-habitat. Assim, apesar de proporcionar melhor representatividadegenética, reduzem a homogeneidade do lote de sementes.

Palavras-chave


árvore matriz; germinação; grápia

Texto completo:

PDF

Referências


BARROSO, G. M. et al. Frutos e Sementes: morfologia aplicada à sistemática de dicotiledôneas. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 1999. 443 p.

BARROSO, G. M. Sistemática de Angiospermas do Brasil. São Paulo: EDUSP, 1978. 255 p. v. 1.

BORCHERT, R.; RIVERA, G.; HAGNAUER, W. Modification of vegetative phenology in a tropical semi-deciduous forest by abnormal drought and rain. Biotropica, St. Louis, v. 34, n. 1, p. 27-39, 2002.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Regras para análises de sementes. Brasília: Mapa/ ACS, 2009. 399 p.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Colombo: EMBRAPA/CNPR, Brasília: EMBRAPA-SPI, 2003. 1039 p. v.1.

CORREIA, M. C. R.; PINHEIRO, M. C. B.; LIMA, H. A. de. Produção de frutos e germinação de sementes de Amemopaegma chamberlaynii Bur. & K. Schum. (Bignoniaceae) – Um registro de poliembrionia. Sitientibus Série Ciências Biológicas, Feira de Santana, v. 5, n. 2, p. 68-71, 2005.

CUNHA, A. O. et al. Efeitos de substratos e das dimensões dos recipientes na qualidade das mudas de Tabebuia impetiginosa (Mart. ex Dc.) Standl. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 4, p. 507-516, 2005.

FERREIRA, R. A.; DAVIDE, A. C.; TONETTI, O. A. Morfologia de sementes e plântulas de pau-terra (Qualea grandilfora – Vochysiaceae). Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 23, n. 1, p. 116-122, 2001.

FOURNIER, L. A. Un método cuantitativo para la medición de características fenológicas en árboles. Turrialba, San José, Costa Rica, v. 24, n. 4, p. 422-423, 1974.

GONÇALVES, E. G.; LORENZI, H. Morfologia Vegetal: Organografia e Dicionário Ilustrado de Morfologia das Plantas Vasculares. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2007. 416 p.

GUI-FERREIRA, A.; BORGHETTI, F. Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. 323 p.

GUNN, C. R. Fruits and seeds of genera in the subfamily Caesalpinioideae (Fabaceae). United States Department of Agriculture, 1991. 408 p.( Technical Bulletin 1755, v. 1).

HIGA, A. R.; SILVA, L. D. Pomar de Sementes de Espécies Florestais Nativas. Curitiba: FUPEF, 2006. v. 1. 264 p.

LEDO, A. S. et al. Efeito do tamanho da semente, do substrato e pré-embebição na germinação de sementes de pupunha. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 33, n. 1, p. 29-32, 2002.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 1992. 352 p.

LOUREIRO, M. B.; GONÇALVES, E. R. da.; ROSSETTO, C. A. V. Avaliação do efeito do tamanho de sementes na germinacao e no vigor de garapa (Apuleia leiocarpa (Vog.) MACBR. Revista Univ. Rural. Seropédica, v. 24, n. 1, p. 73-77 jan-jun. 2004. (Ser. Ci. Vida).

MAGALHÃES, L. M. S. et al. Relatório final de projeto de preservação do germoplasma do reservatório da UHE – Tucuruí. Manaus: Convênio Eletronorte/ CNPq/ INPA, Manaus, 1985. 53p.

MARCHIORI, J. N. C. Dendrologia das angiospermas: leguminosas. Santa Maria: Ed. UFSM, 1997. 200 p.

MATTOS, N. F., GUARANHA, J. Contribuições ao estudo da Grápia. Porto Alegre: Boletim do Instituto de Pesquisa de Recursos Naturais Renováveis, 1983. 27 p.

MORELLATO, L. P. C. et al. Estudo comparativo da fenologia de espécies arbóreas de floresta de altitude e floresta mesófila semi-decidua na Serra do Japi, Jundiaí, São Paulo. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v.12, p. 85-98, 1989.

MORELLATO, L. P. Sazonalidade e dinâmica de ecossistemas florestais na Serra do Japi. In: MORELLATO, L. P. (Ed.). História natural da Serra do Japi: ecologia e preservação de uma área florestal no sudeste do Brasil. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1992, p. 97-110.

MORI, E. S. Genética de populações arbóreas: orientações básicas para seleção e marcação de matrizes. IF Sér. Reg. São Paulo, n. 5. p. 35-44, ago. 2003.

NEWSTROM, L. E.; FRANKIE, G. W.; BAKER, H. G. A new classification for plant phenology based on flowering patterns in lowland tropical rain forest trees at La Selva, Costa Rica. Biotrópica, St. Louis, v. 26, p. 141-159, 1994.

NICOLOSO, F. T. et al. Efeito de métodos de escarificação na superação da dormência de sementes e de substratos na germinação e no desenvolvimento da grápia (Apuleia leiocarpa). Ciencia Rural, Santa Maria, v. 27, n. 3, p. 419-424, 1997.

PEDRON, F. A.; MENEZES, J. P.; MENEZES, N. L. Parâmetros biométricos de fruto, endocarpo e semente de butiazeiro. Ciência Rural, Santa Maria, v. 34, n. 2, p. 585 – 586, 2004.

PEREIRA, T. S. et al. Fenologia de espécies arbóreas em Floresta Atlântica da Reserva Biológica de Poço das Antas, Rio de Janeiro, Brasil. Iheringia, Serie Botânica, Porto Alegre, v. 63, n. 2, p. 329-339, jul/dez. 2008.

PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; AGUIAR, I. B. Maturação e dispersão de sementes. In: AGUIAR, I. B.; PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; FIGLIOLIA, M. B (Eds.). Sementes florestais tropicais. Brasília: ABRATES, 1993. p. 215-274.

PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; FREIRE, J. M.; SILVA, L. D. Parâmetros genéticos para colheita de sementes de espécies florestais. In: PIÑA-RODRIGUES, F. C. M. (Eds.) Parâmetros técnicos para produção de sementes florestais. Seropédica: Rioesba - Rede Mata Atlântica de Sementes Florestais, 2007, p. 51-102.

REITZ, R.; KLEIN, R. M.; REIS, A. Projeto Madeira do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: SUDESUL, 1988. 525 p.

RIO GRANDE DO SUL. Inventário Florestal Contínuo do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: SEMA; Santa Maria: UFSM. 2001. Disponível em: <’http://www.coralx.ufsm.br/ifcrs/frame.htm’> Acesso em: 10 de jul 2004.

RODERJAN, C. V. Morfologia do estágio juvenil de 24 espécies arbóreas de uma Floresta com Araucária. Curitiba, 1983. 148 f. Dissertação. (Mestrado em Ciências Florestais)–Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1983.

SANTANA, D. G.; RANAL, M. A. Análise da germinação: um enfoque estatistico. Brasilia: Ed. Universidade de Brasilia, 2004. 248 p.

SCHNEIDER, P. S. P.; SCHNEIDER, P. R.; FINGER, C. A. G. Crescimento do ipê-roxo, Tabebuia impetiginosa (Mart ex D.C.) Standl. na depressão central do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, Santa Maria, v.10, n. 2, p. 91-100, 2000.

SOUZA, L. A. de. Morfologia e anatomia vegetal: célula, tecidos, órgãos e plântula. Ponta Grossa: UEPG, 2003. 259 p.

SOUZA, L. A. de; MOSCHETA, I. S. de. Morfo-anatomia do fruto e da plântula de Aspidosperma polyneuron M. Arg. (Apocynaceae). Revista Brasileira de Biologia, São Carlos, v. 52, n. 3, p. 439-447, 1992.

VIDAL, W. N.; VIDAL M. R. R. 4. ed. Botânica – Organografia. Quadros Sinóticos Ilustrados de Fanerógamos. Viçosa: UFV, 2000. 124p.

WIKANDER, T. Mecanismos de dispersion de diasporas de una selva deciduas en Venezuela. Biotropica, St. Louis, n. 16, p. 276-283, 1984.

WRIGHT, S. J.; VAN SCHAIK, C. P. Light and the phenology of tropical trees. American Naturalist, n. 143, p. 192-199, 1994.

ZAR, J. H. Biostatistical Analysis. 5th ed. Hardcover, 2009. 960 p.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050986616

Licença Creative Commons