Fenologia, morfologia e análise de sementes de Cordia trichotoma (Vell.) Arráb. ex Steud.

Marciele Felippi, Charles Rodrigo Belmonte Maffra, Edison Bisognin Cantarelli, Maristela Machado Araújo, Solon Jonas Longhi

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050986629

No presente trabalho se estudou a fenologia e morfologia, como também foram realizados testes físicos e fisiológicos com sementes de Cordia trichotoma (Vell.) Arráb. ex Steud (louro-pardo). A coleta do material botânico e as observações fenológicas foram realizadas em cinco árvores matrizes, localizadas no Município de Frederico Westphalen, Rio Grande do Sul, de março de 2007 a março de 2010. O trabalho foi conduzido em condições de laboratório e viveiro, na Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul. Durante os três anos, a floração teve maior intensidade de março a abril e a frutificação, de maio a junho. A espécie possui inflorescência cimosa, paniculada, constituída de pequenas flores de coloração branca, hermafroditas. O fruto é simples, drupáceo, encerrado pelo tubo da corola e pelo cálice persistente. A semente, de formato cilíndrico, elipsoidal, de coloração castanha, exalbuminosa, com embrião cotiledonar, basal, invaginado e cotilédones plicados, presos em torno do eixo hipocótilo radicular. A germinação é epígea e a plântula fanerocotiledonar. As sementes são recalcitrantes e o número médio por quilograma foi de 24.591, a umidade das sementes 51 %, a germinação 40 % e a emergência 29 %. O índice germinativo é oscilante comparando os resultados deste trabalho a outros, provavelmente devido à qualidade das sementes, variável em função de cada árvore matriz e seu micro-habitat. Portanto, há importância em selecionar indivíduos, observando características que trarão representação genética e fisiológica da espécie, aumentando, assim, a homogeneidade do lote de sementes.


Palavras-chave


louro-pardo; germinação; plântula; muda

Texto completo:

PDF

Referências


AGAREZ, F. V.; RIZZINI, C. M.; PEREIRA, C. Botânica: taxonomia, morfologia e reprodução dos angiospermae: chaves para determinação das famílias. 2. ed. Rio de Janeiro: Âmbito Cultural, 1994. 256 p.

AGUIAR, F. F. A. et al. Influência do tamanho sobre a germinação de sementes de Caesalpinia echinata Lam. (Pau-Brasil). Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 18, n.2, p. 283-285, 1993.

AMARAL, D. M. I.; ALCALAY, N.; ANTONIO, M. G. Armazenamento de sementes de quatro espécies florestais do Rio Grande do Sul. In: CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL, 6., 1988, Nova Prata. Anais... Nova Prata: Prefeitura Municipal de Nova Prata/Meridional, 1988. p.373-397.

BARROSO, G. M. et al. Frutos e Sementes: morfologia aplicada à sistemática de dicotiledôneas. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 1999. 443 p.

BELL, A. D. Plant Form. An Illustrated Guide to Flowering Plant Morphology. New York; Tokyo: Oxford University Press, 1991. 341 p.

BOTELHO, S. A. et al. Aspectos morfológicos dos frutos, sementes, plântulas e mudas de Jatobá-do-cerrado (Hymenaea stigonocarpa Mart. ex Hayne) – Fabaceae. Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 22, n. 1, p. 144-152, 2000.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Regras para análises de sementes. Brasília: Mapa/ ACS, 2009. 399 p.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Colombo: EMBRAPA/CNPR, Brasília: EMBRAPA-SPI, v.1, 2003. 1039 p.

CASTIGLIONI, J. A. Description botânica, florestal y tecnológica de las principales espécies indígenas de la Argentina. In: COZZO, D. (Ed.) Arboles forestales, maderas y silvicultura de La Argentina. Buenos Aires: Acme, 1975. p.38-60.

EIBL, B. I. et al. Ensayos de germinación y análisis cuantitativo en semillas de especies forestales nativas de Misiones, R.A. Yvyraretá, Eldorado, v. 5, n. 5, p. 33-48, 1994.

FERREIRA, R. A.; DAVIDE, A. C.; TONETTI, O. A. Morfologia de sementes e plântulas de pau-terra (Qualea grandilfora – Vochysiaceae). Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 23, n. 1, p. 116-122, 2001.

FOURNIER, L. A. Estudo preliminar sobre la floración em Roble de sabana, Tabebuia pentaphilla (L) Hemst. Revista Biologica Tropical, San José, v. 15, n. 2, p. 259-67, 1967.

FOURNIER, L. A. Un método cuantitativo para la medición de características fenológicas en árboles. Turrialba, San José, v. 24, n. 4, p. 422-423, 1974.

GANDERS, F. R. The biology of heterostyly. New Zealend Journal of Botany, v. 17, p. 607-635. 1979.

GONÇALVES, E. G.; LORENZI, H. Morfologia Vegetal: Organografia e Dicionário Ilustrado de Morfologia das Plantas Vasculares. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2007. 416 p.

GUI-FERREIRA, A.; BORGHETTI, F. Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. 323 p.

JUDD, W. S.; CAMPBELL, C. S.; KELLOGG, E. A. Plant Systematics, Massachusetts: Sinauer Associates, 1999. 464 p.

KUNIYOSHI, Y. S. Morfologia da semente e da germinação de 25 espécies arbóreas de uma floresta com araucária. 1983. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais)–Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1983.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 4. ed. Novassa Odessa: Plantarum, 2002, 368 p. v. 1.

MENDONÇA, E. A. F.; RAMOS, N. P.; PAULA, R. C. Viabilidade de sementes de Cordia trichotoma (Vellozo) Arrabida ex Steudel (Louro-pardo) pelo teste de tetrazólio. Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 23, n. 2, p. 64-71. 2001.

MORAES, P. L. R. de.; ALVEZ, M. C. Biometria de frutos e diásporos de Cryptocarya aschersoniana Mez e Cryptocarya moschata Nees (Lauraceae). Biota Neotropica, Campinas, v. 2, n. 1, p. 1-11, 2002

MORELLATO, L. P. C. et al. Estudo comparativo da fenologia de espécies arbóreas de floresta de altitude e floresta mesófila semi-decidua na Serra do Japi, Jundiaí, São Paulo. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 12, p. 85-98, 1989.

MOURÃO, K. S. M. et al. Morfo-anatomia da plântula e do tirodendro de Trichilia catigua A. Juss., T. elegans A. Juss. e T. pallida Sw. (Meliaceae). Acta Scientiarum, Maringá, v. 24, n. 2, p. 601-610, 2002.

NEWSTROM, L. E.; FRANKIE, G. W.; BAKER, H. G. A new classification for plant phenology based on flowering patterns in lowland tropical rain forest trees at La Selva, Costa Rica. Biotrópica, St. Louis, v. 26, p. 141-159, 1994.

PEDRON, F. A.; MENEZES, J. P.; MENEZES, N. L. Parâmetros biométricos de fruto, endocarpo e semente de butiazeiro. Ciência Rural, Santa Maria, v. 34, n. 2, p. 585 – 586, 2004.

PIÑA-RODRIGUES, F. C. M. Guia prático para a colheita e manejo de sementes florestais tropicais. Rio de Janeiro: Idaco, 2002. 40 p.

PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; FREIRE, J. M.; SILVA, L. D. Parâmetros genéticos para colheita de sementes de espécies florestais. In: PIÑA-RODRIGUES, F. C. M. ... et al. (Ed.). Parâmetros técnicos para produção de sementes florestais. Seropédica: Rioesba - Rede Mata Atlântica de Sementes Florestais, 2007, p.51-102.

REITZ, R.; KLEIN, R. M.; REIS, A. Projeto Madeira do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: SUDESUL, 1988. 525 p.

RIO GRANDE DO SUL. Governo do Estado. Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Inventário Florestal Contínuo do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: SEMA; Santa Maria: UFSM. 2001, Disponível em: <’http://www.coralx.ufsm.br/ifcrs/frame.htm’> Acesso em: 10 de jul 2004.

RIZZINI, C. T. Tratado da Fitogeografia do Brasil: Aspectos ecológicos, sociológicos e florísticos. 2. ed. Rio de Janeiro: Âmbito Cultural, 1976. 747 p.

SANTOS, F. S dos. et al. Biometria e qualidade fisiológica de sementes de diferentes matrizes de Tabebuia chrysotricha (Mart. Ex A. DC.) Standl. Scientia Foresetalis, Piracicaba, v. 37, n. 82, p. 163-173, jun. 2009.

SMITH, L. B. Boragináceas. In: REITZ, R. (Ed.) Flora Ilustrada Catarinense, Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1970. p. 1-85.

SOUZA, A. L. de. Morphology and Anatomy of the Cordia trichotoma (Vell.) Arrab. ex I. M. Johnst diaspore (BORAGINACEAE). Brazialian Archives of Biology and Technology, Curitiba, v. 51, n. 4, p. 761-768. July/Aug. 2008.

SOUZA, L. A. de. Morfologia e anatomia vegetal: célula, tecidos, órgãos e plântula. Ponta Grossa: UEPG, 2003. 259 p.

SPINA, A. P. et al. Floração, frutificação e síndromes de dispersão de uma comunidade de floresta de brejo na região de Campinas (SP). Acta Botanica Brasílica, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 349-368, 2001.

TARODA, N.; GIBBS, P. Studies on the genus Cordis L. (Boraginaceae) in Brazil a new infrageneric classification and conspectus. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 9, p. 1-6, 1986.

VIDAL, W. N.; VIDAL M. R. R. Botânica – Organografia; Quadros Sinóticos Ilustrados de Fanerógamos. 4. ed. Viçosa: UFV, 2000. 124 p.

WEBERLING, F. Morphology of flowers and inflorescences. Cambridge: University Press, 1989. 405 p.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050986629

Licença Creative Commons