DIVERSIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) DA SERRAPILHEIRA EM DIFERENTES SISTEMAS DE USO DO SOLO

Edison Bisognin Cantarelli, Marciane Danniela Fleck, Fabiane Granzotto, Janaína De Nadai Corassa, Marcia d'Avila

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509819612

Neste trabalho são listadas as espécies de formigas de serrapilheira encontradas em quatro ambientes localizados na região noroeste do estado do Rio Grande do Sul, a fim de verificar o impacto da ação antrópica realizada no meio rural. Para a coleta das formigas da serrapilheira foi utilizado o método do extrator de Winkler. Foram coletados 6.300 espécimes pertencentes a oito subfamílias, 18 tribos, 31 gêneros e 108 espécies. A floresta nativa possui a maior riqueza observada com 90 espécies coletadas, seguida por eucalipto com 65 espécies, agricultura e pastagem exótica com 20 espécies cada. O índice de diversidade de Margalef foi de 11,21 para área com floresta nativa, 8,37 para eucalipto, 3,48 para agricultura e, 2,71 na área de pastagem exótica. O índice de diversidade de Shannon obtido foi de 2,89; 3,15; 2,43 e 1,98 e de equitabilidade 0,64; 0,75; 0,84 e 0,66 para as áreas com: floresta nativa, eucalipto, agricultura e pastagem, respectivamente. O maior valor do índice de diversidade para a área de eucalipto pode ser devido à área possuir 28 anos de implantação, sem ter sido manejada, com sub-bosque de espécies nativas, formando um dossel contínuo e espessa camada de serrapilheira, já a floresta nativa por sofrer intervenções antrópicas, possui um valor de diversidade de Shannon menor comparado à área com eucalipto.


Palavras-chave


riqueza; bioindicador; extrator mini-Winkler.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSEN, A. N. Using ants as bioindicators: multiscale issues in ant community ecology. Conserve. Ecol. 1997. Disponível em . Acesso em: 20 de setembro de 2011.

BRAGA, D. L. et al. Avaliação rápida da diversidade de formigas em sistemas de uso do solo no sul da Bahia. Neotropical Entomology, v. 39, n. 4, p. 464-469, 2010.

BRANDÃO, C. R. F. Família Formicidae. São Paulo, 1999. Disponível em < http:// www.biota.org.br/pdf/v5cap21.pdf >. Acesso em: 22 mar. 2011.

CAETANO, F. H. et al. Formigas: biologia e anatomia. Rio Claro: F.H.C., 2002. 42 p.

CAMPANHOLA, C. Processos e pressões antrópicas que degradam a biodiversidade: estudos de casos. p. 89 – 91. In: GARAY, I.; DIAS, B. (Eds.). Conservação da biodiversidade em ecossistemas tropicais. Petrópolis: Vozes, 2001. 432 p.

DEAN, W. R. J.; MILTON, S. J. Plant and invertebrate assemblages on old fields in the arid southern Karoo, South Africa. African Journal of Ecology, v. 33, p. 1-13, 1995.

DIEHL, E. et al. Riqueza de formigas de solo na praia da Pedreira, Parque Estadual de Itapuã, Viamão, RS, Brasil. Revista Brasileira de Entomologia, v. 49, n. 4, p. 552-556, 2005.

DIEHL, E. Cupins e formigas em remanescentes de Floresta com Araucária, p. 221-228. In: FONSECA, C. R. et al. (Eds.). Floresta com Araucária: Ecologia, Conservação e Desenvolvimento Sustentável. Ribeirão Preto: Holos, 2009.

EGGLETON, P. et al. The species richness of termites (Isoptera) under differing levels of forest disturbance in the Mbalmayo Forest Reserve, southern Cameroon. Journal of Tropical Ecology, v. 11, p. 85-98, 1995.

FEITOSA, R. dos S. M.; RIBEIRO, A. S. Mirmecofauna (Hymenoptera, Formicidae) de serapilheira de uma área de Floresta Atlântica no parque estadual da Cantareira, São Paulo, Brasil. Biotemas, v. 18, n. 2, p. 51 – 71, 2005.

FITTKAU, E. J.; KLINGE, H. On biomass and trophic structure of the Central Amazonian rain forest Ecosystem. Biotropica, Oxford, v. 5, n. 1, p. 2-14, 1973.

FOWLER, H. G. et al. Ecologia Nutricional de formigas. In: PANIZZI, A. R.; PARRA, J. R. P. (Eds.). Ecologia nutricional de insetos e suas implicações no manejo de pragas. São Paulo: Manole, 1991.

HÖLLDOBLER, B.; WILSON, E. O. The Ants. Massachusetts: Harvard University Press, 1990. 732 p.

LUTINSKI, J. A. et al. Diversidade de formigas na Floresta Nacional de Chapecó, Santa Catarina, Brasil. Ciência rural, Santa Maria, v. 38, n. 7, p. 1810–1816, out. 2008.

MAGURRAN, A. E. Medindo a diversidade biológica. Curitiba: Ed. UFPR, 2011. 261p.

MAGURRAN, A. E. Ecological diversity and its measurement. Princeton: Princeton University Press, 1988, 167 p.

MAJER, J. D. Ants: Bio-indicators of minesite rehabilitation, land-use, and land conservation. Environmental Management, v. 7, n. 4, p. 375-383, 1983.

MCGEOCH, M. A.; CHOWN, S. L. Scaling up the value of bioindicators. Tree, v. 13, n. 2, p. 46-47, 1998.

MORAES, R.C.B.et al. Software para análise estatística – ANAFAU. In: SIMPÓSIO DE CONTROLE BIOLÓGICO, 8., 2003, São Pedro, SP. Resumos... Piracicaba: ESALQ/USP, 2003, p.195.

PINTO-COELHO, R. M. Fundamentos em ecologia. Porto Alegre. Artmed, 2000. 252 p.

SANTOS, M. S. et al. Riqueza de formigas (Hymenoptera, Formicidae) da serapilheira em fragmentos de floresta semidecídua da Mata Atlântica na região do Alto do Rio Grande, MG, Brasil. Iheringia, Série Zoologia, Porto Alegre, v. 96, n. 1, p. 95–101, mar. 2006.

SCHMIDT, K. et al. Formigas (Hymenoptera: Formicidae) da Ilha João da Cunha, SC: composição e diversidade. Biotemas, v. 18, n. 1, p. 57-71, 2005.

SILVA, R. R. da; BRANDÃO, C. R. F. Formigas (Hymenoptera: Formicidae) como indicadoras da qualidade ambiental e da diversidade de outros invertebrados terrestres. Biotemas, v. 12, n. 2, p. 55-73, 1999.

SILVA, R. R. da; SILVESTRE, R. Diversidade de formigas (Hymenoptera: Formicidae) em Seara, oeste de Santa Catarina. Biotemas, v. 13, n. 2, p. 85-105, 2000.

SILVEIRA NETO, S. et al. Manual de ecologia de insetos. Piracicaba-SP: Ceres, 1976. 419 p.

SOARES, S. M. et al. Diversidade de invertebrados edáficos em áreas de eucalipto e mata secundária. Acta Biol. Leopol. v. 19, p. 157-164, 1998.

VACCARO, S. Crescimento de uma floresta estacional decidual, em três estágios sucessionais, no município de Santa Tereza, RS, Brasil. 2002. 157 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2002.

VASCONCELOS, H. L. Respostas das formigas à fragmentação florestal. Série Técnica IPEF, Piracicaba, v. 12, p. 95-98, 1998.

WILSON, E. O. A situação da diversidade biológica. In: WILSON, E. O.; PETER, F. M. (Eds.). Biodiversidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997, p. 3-24.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509819612

Licença Creative Commons