PARTIÇÃO DA VARIAÇÃO FLORÍSTICO-ESTRUTURAL DO COMPONENTE ARBÓREO EM UMA FLORESTA OMBRÓFILA MISTA ALUVIAL NO SUL DO BRASIL

Rodineli Loebens, Ana Carolina da Silva, Pedro Higuchi, Álvaro Luiz Mafra, Jéssica Oneda da Silva, Didiane Ana Gonçalves, Karine Souza, Aline Pereira Cruz, Luiz Carlos Rodrigues Júnior, Angélica Dalla Rosa, Carla Luciane Lima, Fernando Buzzi Junior

Resumo


Objetivou-se avaliar a influência da estruturação espacial e de variáveis ambientais sobre a organização florístico-estrutural do componente arbóreo em uma Floresta Ombrófila Mista Aluvial no sul do Brasil. Para isso, foram alocadas 48 parcelas de 200 m2 no remanescente amostrado, localizado em Lages-SC. Todos os indivíduos dentro das parcelas com diâmetro na altura do peito (DAP) igual ou superior a 5 cm foram identificados. Foram mensuradas variáveis ambientais e espaciais em cada parcela. Os dados foram analisados por meio de Correlograma de Mantel, Particionamento da Variância, Análises de Redundância, análise de Coordenadas Principais de Matrizes Vizinhas e testes de correlação. Foram amostrados 1.462 indivíduos pertencentes a 66 espécies. Conjuntamente, as variáveis ambientais e espaciais explicaram 24,13% da variação total, sendo que a maior parte (15,22%) se encontrou espacialmente estruturada. Dentre as variáveis ambientais, a topografia (desnível máximo) e a fertilidade do solo (soma de bases e P) foram significativas. Conclui-se que o componente arbóreo está organizado na forma de um gradiente florístico-estrutural. Ainda, os resultados sugerem que o regime de inundação do rio e a presença de zonas de maior encharcamento do solo foram relevantes na definição de micro-hábitat, que influenciaram na distribuição das espécies.


Palavras-chave


Floresta com Araucária; influência espacial; caracterização ambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, M. J.; ELLINGSEN, K. E.; MCARDLE, B. H. Multivariate dispersion as a measure of beta diversity. Ecology Letters, Hoboken, v. 9, n. 6, p. 683-693, 2006.

ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 161, n. 2, p. 105-121, 2009.

BARDDAL, M. L. et al. Caracterização florística e fitossociológica de um trecho sazonalmente inundável de floresta aluvial, em Araucária, PR. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 37-50, 2004.

BIANCHINI, E. et al. Diversidade e estrutura de espécies arbóreas em área alagável do município de Londrina, sul do Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 17, n. 3, p. 405-419, 2003.

BORCARD, D. et al. Dissecting the spatial structure of ecological data at multiple scales. Ecology, Ithaca, v. 85, n. 7, p. 1826-1832, 2004.

BORCARD, D.; LEGENDRE, P. All-scale spatial analysis of ecological data by means of principal coordinates of neighbour matrices. Ecological Modelling, Amsterdam, v. 153, n. 1, p. 51-68, 2002.

BORCARD, D.; LEGENDRE, P.; DRAPEAU, P. Partialling out the spatial component of ecological variation. Ecology, Ithaca, v. 73, n. 3, p. 1045-1055, 1992.

BUDKE, J. C.; JARENKOW, J. A.; OLIVEIRA FILHO, A. T. Intermediary disturbance increases tree diversity in riverine forest of southern Brazil. Biodiversity and Conservation, Nova York, v. 19, n. 8, p. 2371-2387, 2010.

CARVALHO, J. et al. Relações entre a distribuição das espécies de diferentes estratos e as características do solo de uma floresta aluvial no Estado do Paraná, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 23, n. 1, p. 1-9, 2009.

CARVALHO, W. A. C. et al. Variação espacial da estrutura da comunidade arbórea de um fragmento de floresta semidecídua em Piedade do Rio Grande, MG, Brasil. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 315-335, 2007.

DE MARCHI, T. C.; JARENKOW, J. A. Estrutura do componente arbóreo de mata ribeirinha no rio Camaquã, município de Cristal, Rio Grande do Sul, Brasil. Iheringia, Série Botânica, Porto Alegre, v. 63, n. 2, p. 241-248, 2008.

DIAS, M. C. et al. Composição florística e fitossociologia do componente arbóreo das florestas ciliares do rio Iapó, na bacia do rio Tibagi, Tibagi, PR. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 21, n. 2, p. 183-195, 1998.

DUARTE, L. S. et al. Phylobetadiversity among Forest Types in the Brazilian Atlantic Forest Complex. Plos One, São Francisco, v. 9, n. 8, p. e105043, 2014.

GIEHL, E. L. H. et al. Variações florísticas e relação com variáveis geográficas e climáticas em florestas ribeirinhas do sudeste da América do Sul. In: FELFILI, J. M. et al. (Org.). Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de caso. Viçosa, MG: Editora UFV, 2011. p. 504-519.

GIEHL, E. L. H.; JARENKOW, J. A. Gradiente estrutural no componente arbóreo e relação com inundações em uma floresta ribeirinha, rio Uruguai, sul do Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 22, n. 3, p. 741-753, 2008.

GONZAGA, A. P. D. et al. Diagnóstico florístico-estrutural do componente arbóreo da floresta da Serra de São José, Tiradentes, MG, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 22, n. 2, p. 505-520, 2008.

HIGUCHI, P. et al. Influência de variáveis ambientais sobre o padrão estrutural e florístico do componente arbóreo, em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Montana em Lages, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 79-90, 2012.

HIGUCHI, P. et al. Partição espacial de espécies arbóreas em função da drenagem do solo em um fragmento de Floresta com Araucária no sul do Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 2, p. 421-429, 2014.

IBGE. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Rio de Janeiro: Institulo Brasileiro de Geografia e Estatística, 2012. 271 p.

JONES, M. M. et al. Explaining variation in tropical plant community composition: influence of environmental and spatial data quality. Oecologia, New York, v. 155, n. 3, p. 593-604, 2008.

KILCA, R. V. et al. Florística e fitofisionomias da planície de inundação do rio Piratini e a sua importância para conservação da biodiversidade no Pampa do Rio Grande do Sul. Neotropical Biology and Conservation, São Leopoldo, v. 6, n. 3, p. 227-249, 2011.

KOLB, R. M. et al. Anatomia ecológica de Sebastiania commersoniana (Baillon) Smith & Downs (Euphorbiaceae) submetida ao alagamento. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 21, n. 3, p. 305-312, 1998.

LEGENDRE, P.; FORTIN, M. J. Spatial pattern and ecological analysis. Plant Ecology, New York, v. 80, n. 2, p. 107-138, 1989.

LEGENDRE, P.; LEGENDRE, L. Numerical ecology. 3rd ed. Amsterdam: Elsevier Science BV, 2012. 990 p.

LEMMON, P. A spherical densiometer for estimating forest overstory density. Forest Science, Bethesda, v. 2, n. 1, p. 314-320, 1956.

LOBO, P. C.; JOLY, C. A. Aspectos ecofisiológicos da vegetação de mata ciliar do Sudeste do Brasil. In: RODRIGUES, R. R.; LEITÃO FILHO, H. F. (Org.). Matas ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: Edusp, 2000. p. 143-157.

MACHADO, E. L. M. et al. Efeitos do substrato, bordas e proximidade espacial na estrutura da comunidade arbórea de um fragmento florestal em Lavras, MG. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 287-302, 2008.

MANTEL, N. The detection of disease clustering and a generalized regression approach. Cancer Research, Philadelphia, v. 27, n. 2, p. 209-220, 1967.

MILANESI, L. S; LEITE, S. L. C. Fitossociologia de espécies arbóreas em dique marginal de floresta ribeirinha no Rio Grande do Sul, Brasil, e comparação com ambientes aluviais e não aluviais. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 72-80, 2014.

OKSANEN, J. et al. Vegan: community ecology package. [2015]. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2015.

OLIVEIRA FILHO, A. T. et al. Delving into the variations in tree species composition and richness across South American subtropical Atlantic and Pampean forests. Journal of Plant Ecology, Oxford, v. 8, n. 3, p. 242-260, 2015.

OLIVEIRA FILHO, A. T. et al. Differentiation of streamside and upland vegetation in an area of montane semideciduous forest in southeastern Brasil. Flora, Amsterdam, v. 189, n. 4, p. 287-305, 1994a.

OLIVEIRA FILHO, A. T. et al. Effect of flooding regime and understorey bamboos on the physiognomy and tree species composition of a tropical semideciduous forest in Southeastern Brazil. Plant Ecology, New York, v. 113, n. 2, p. 99-124, 1994b.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: a language and environment for statistical computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing, [2015]. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2015.

SARAIVA, D. D. Composição e estrutura de uma floresta ribeirinha no sul do Brasil. Biotemas, Florianópolis, v. 24, n. 4, p. 49-58, 2011.

SEIDLER, T. G.; PLOTKIN, J. B. Seed dispersal and spatial pattern in tropical trees. Plos Biology, São Francisco, v. 4, n. 11, p. 2132-2137, 2006.

SILVA, A. C. et al. Comparação florística de florestas inundáveis das regiões Sudeste e Sul do Brasil. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 257-269, 2007.

SILVA, A. C. et al. Florestas inundáveis: ecologia, florística e adaptações das espécies. Lavras: Editora da UFLA, 2012a. 167 p.

SILVA, A. C. et al. Relações florísticas e fitossociologia de uma Floresta Ombrófila Mista Montana Secundária em Lages, Santa Catarina. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 193-206, 2012b.

SILVA, A. C. et al. Florística e estrutura da comunidade arbórea em fragmentos de floresta aluvial em São Sebastião da Bela Vista, Minas Gerais. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 283-297, 2009.

SILVA, A. C.; HIGUCHI, P.; VAN DEN BERG, E. Effects of soil water table regime on tree community species richness and structure of alluvial forest fragments in Southeast Brazil. Brazilian Journal of Biology, São Paulo, v. 70, n. 3, p. 465-471, 2010.

SOININEN, J. Spatial structure in ecological communities - a quantitative analysis. Oikos, Copenhagem, v. 125, n. 2, p. 160-166, feb. 2016.

TEIXEIRA, A. P.; ASSIS, A. A. Relação entre heterogeneidade ambiental e distribuição de espécies em uma floresta paludosa no Município de Cristais Paulista, SP, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 23, n. 3, p. 843-853, 2009.

WILDI, O. Data analysis in vegetation ecology. Hoboken: Willey-Blackwell, 2013. 330 p.

WITTMANN, F. et al. Tree species composition and diversity gradients in white‐water forests across the Amazon Basin. Journal of Biogeography, Hoboken, v. 33, n. 8, p. 1334-1347, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509832038

Licença Creative Commons