Produção de florestas de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden em segunda rotação, conduzidas com um broto por touça e submetidas a interplantio.

César Augusto Guimarães Finger, Paulo Renato Schneider, Jorge Euclides M. Klein

Resumo


No presente trabalho foram comparadas a produção volumétrica, caracterizada pelo volume total com casca, e pelo volume comercial sem casca e, o diâmetro e alturas médias de brotações e árvores originadas de sementes, aos sete anos de idade em povoamentos de Eucalyptus grandis. O experimento constou de 6 tratamentos  e 4 repetições em delineamento de blocos casualizados. Os tratamentos testados foram: 80 % de sobrevivência de cepas (trat. 1); 80 % de sobrevivência de cepas mais 20 % de interplantio (trat. 2); 60 % de sobrevivência de cepas (trat. 3); 60 % de sobrevivência de cepas mais 40 % de interplantio (trat. 4); 40 % de sobrevivência de cepas   (trat. 5);  40  %  de  sobrevivência  de  cepas   mais   60  %   de interplantio (trat. 6). Os resultados  mostraram que as produções, tanto de volume total, como do volume comercial, nos tratamentos 1, 2 e 4 não diferiam estatisticamente pelo teste Duncan ao nível de 5 % de probabilidade, sendo a maior produção encontrada no tratamento 1. O diâmetro e altura média mostraram tendência de crescimento com o aumento da percentagem de falhas, não tendo sido observadas diferenças entre os valores destas variáveis para as brotações e para o interplantio dentro de um mesmo tratamento.


Palavras-chave


growth, production, interplanting, sprouting, Eucalyptus grandis.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSMANN, E. The Principles of Forest Yield Study. Oxford: Pergamon Press, 1970. 506p.

AUCLAIR, D. Coppice versus single-stem. Physiology, Growth, economics. In: WORLD CONGRESS IUFRO, 18, ljubljana, Youguslavia. 1986.

BRASIL. Ministério da Agricultura. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Levantamento e avaliações de recursos naturais, socioeconômicos e institucionais do Rio Grande do Sul. Brasília, 1973. v2 e 5.

COUTO, H.T.Z. et al. Condução da brotação de Eucalyptus saligna Smith. IPEF, Piracicaba, n.7, p.115-123. 1973.

FREITAS, M. et al. interplantio como alternativa para rotações sucessivas em Eucalyptus. IPEF, Piracicaba, n.19, p.1-16, 1979.

FINGER, C. A. G. Ein Beitrag zur Ertragskunde von Eucalyptus grandis und Eucalyptus saligna in Sudbrasilien. Wien: Universitat fur Bodenkultur, 1991. 135p.

KRAPFENBAUER, A. Biomassenproduktion und Nutzung zur Energiegewinnung. Cbl, n.106, p.89-108, 1989.

LEMOS, R. C. et al. Levantamento de reconhecimento dos solos do Rio Grande do Sul. Recife: Ministério da Agricultura - Departamento de Pesquisas Agropecuárias, Divisão de Pesquisa Pedológicas, 1973. 431P. (Boletim Técnico n.30).

MARTINI, S. L.; BORSSATTO, I.; SIMÕES, J.W. Estudo da viabilidade do interplantio em povoamento de Eucalyptus grandis em segunda rotação. IPEF, Piracicaba, n. 28, p.45-47, 1984.

MORENO, J.A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul, 1961.

MULOPULOS, M. Untersuchungen uber den Zuwachsgang der Stockasschlage, bzw. Ausschlag-Walder. Cbl. n. 53, p.1-29. 1927.

PUKKALA, T.; POHJONEN, V. Yield models for Eucalyptus globulus fuelwood plantations in Ethiopia. Biomass, n.21, p. 129-143, 1990.

SCHNEIDER, P. R. et al. Fundamentos de planejamento da produção para o manejo florestal de Eucalyptus grandis (Hill) Maiden e Eucalyptus saligna Smith. Santa Maria: CEPEF/FATEC, 1988. 179p.

SCHNEIDER, P. R.; FINGER, C. A. G. Efeito da intensidade de desbaste sobre o crescimento e produção de povoamentos de Pinus elliotti. E. Esteio, In: SIMPÓSIO SOBRE MANEJO DE FLORESTAS PLANTADAS, Esteio, 1991, Anais... Esteio, CEPEF/FATEC, 1991. p. 150-167.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19805098293

Licença Creative Commons