REGIÕES HOMOGÊNEAS DE VEGETAÇÃO UTILIZANDO A VARIABILIDADE DO NDVI

Ana Paula Assumpção Cordeiro, Moacir Antônio Berlato, Denise Cybis Fontana, Ricardo Wanke de Melo, Yosio Edemir Shimabukuro, Claudimar Sidnei Fior

Resumo


As técnicas de classificação, como a análise de agrupamento, utilizadas nas áreas biológicas, em chaves de classificação de plantas e animais, também são úteis para definição de regiões homogêneas, seja para dados climáticos ou para identificação ou monitoramento da vegetação. O objetivo desse trabalho foi caracterizar a dinâmica espaço-temporal do Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI) dos grandes grupos vegetais do Rio Grande do Sul, agrupar regiões homogêneas com base na variabilidade temporal do NDVI e analisar o padrão de variabilidade anual do NDVI dos diferentes grupos. Para tanto, foram utilizados dados de NDVI da série Global Inventory Modeling and Mapping Studies (GIMMS), derivadas do Advanced Very High Resolution Radiometer / National Oceanic and Atmospheric Administration (AVHRR/NOAA) do período de janeiro de 1982 a dezembro de 2008. Foram definidos seis grupos, os quais foram comparados ao macrozoneamento ambiental do Estado. Os resultados mostraram que a variabilidade de NDVI, obtida da série GIMMS/AVHRR, permite agrupar regiões homogêneas, de forma a identificar e mapear os principais grupos vegetais que ocorrem no estado do Rio Grande do Sul. Os grupos são caracterizados por um padrão sazonal típico, porém, com variações de amplitude de NDVI entre eles, o que possibilita monitorar as variações fenológicas da vegetação em decorrência da sua dinâmica temporal.


Palavras-chave


índice de vegetação; análise de agrupamento; Rio Grande do Sul

Texto completo:

PDF

Referências


BERLATO, M. A.; CORDEIRO, A. P. A. Variabilidade climática e agricultura do Rio Grande do Sul. In: AS ESTIAGENS e as perdas na agricultura: fenômeno natural ou imprevidência?. Esteio: FEDERACITE, 2005. p. 43-58.

BOLDRINI, I. I. et al. Bioma Pampa: diversidade florística e fisionômica. Porto Alegre: Pallotti, 2010. 64 p.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO (Brasil). Acompanhamento de safra brasileira: grãos, nono levantamento. 2013. Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2014.

CORDEIRO, A. P. A. Tendências climáticas das variáveis meteorológicas originais, estimadas e das derivadas do balanço hídrico seriado do Rio Grande do Sul. 2010. 273 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Fitotecnia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

DINIZ, G. B. et al. Identificação de regiões homogêneas de temperaturas máxima e mínima do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa Maria, v. 11, n. 2, p. 303-312, 2003.

DINIZ, G. B. Preditores visando a obtenção de um modelo de previsão climática de temperaturas máxima e mínima para regiões homogêneas do Rio Grande do Sul. 2002. 167 f. Tese (Doutorado em Fitotecnia) – Curso de Pós-graduação em Fitotecnia, Faculdade de Agronomia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

FONTANA, D. C.; ALMEIDA, T. S.; JACÓBSEN, L. Caracterização da dinâmica temporal dos Campos do Rio Grande do Sul por meio de Imagens AVHRR/NOAA. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Piracicaba, v. 15, n. 1, p. 69-83, 2007.

FONTANA, D. C.; BERLATO, M. A.; BERGAMASCHI, H. Relação entre o Índice de Vegetação Global e Condições Hídricas no Rio Grande do Sul. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 33, n. 8, p. 1399-1405, 1998.

GLOBAL LAND COVER FACILITY. [GIMMS Documentation NDVI]. [University of Maryland Global Land Cover Facility Data Distribuition], [2011]. Disponível em: . Acesso em: 07 nov. 2011.

GUASSELLI, L. A. et al. Macrozoneamento do Estado do Rio Grande do Sul. Pesquisas em Geociências, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 03-11, 2006.

GURGEL, H. C. Variabilidade espacial e temporal do NDVI sobre o Brasil e suas conexões com o clima. 2000. 118 f. Dissertação (Mestrado em Sensoriamento Remoto) – Curso de Pós-graduação em Sensoriamento Remoto, São José dos Campos, 2000.

GURGEL, H. C.; FERREIRA, N. J.; LUIZ, A. J. B. Estudo da variabilidade do NDVI sobre o Brasil, utilizando-se a análise de agrupamentos. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 7, p. 85-90, 2003.

HASENACK, H. et al. Mapa de sistemas ecológicos da ecorregião das savanas uruguaias em escala 1:500.000 ou superior e relatório técnico descrevendo insumos utilizados e metodologia de elaboração do mapa de sistemas ecológicos. Porto Alegre: UFRGS - Centro de Ecologia The Nature Conservancy, 2010. 22 p. (Relatório Técnico).

IBGE. Anuário estatístico do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. 474 p. v. 71. Disponível em:

. Acesso em: 05 jun. 2014.

IBGE. Resolução nº 05, de 10 de outubro de 2002. 2002. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2012.

IBGE. SIDRA – Sistema IBGE de Recuperação Automática. 2014. Disponível em: . Acesso em: 09 mai. 2014.

JUNGES, A. H.; FONTANA, D. C. Modelo agrometeorológico-espectral de estimativa de rendimento de grãos de trigo no Rio Grande do Sul. Revista Ceres, Viçosa, MG, v. 58, n. 1, p. 9-16, 2011.

KLERING, E. V. Mapeamento da área cultivada e estimativa do rendimento de grãos de arroz irrigado a partir de modelos agrometeorológicos- espectrais para o Rio Grande do Sul. 2012. 163 f. Tese (Doutorado em Fitotecnia) – Curso de Pós-graduação em Fitotecnia, Faculdade de Agronomia, Porto Alegre, 2012.

KÖPPEN, W. Climatología. México: Fondo de Cultura Económica, 1948. 71 p.

LYRA, G. B. et al. Regiões homogêneas e funções de distribuição de probabilidade da precipitação pluvial no Estado de Táchira, Venezuela. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 41, n. 2, p. 205-215, 2006.

MACHADO, L. A. Z. Manejo da pastagem nativa. Guaíba: Agropecuária, 1999. 158 p.

MANZATTO, C. V. Uso agrícola dos solos brasileiros. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2002. 174 p. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2014.

MARQUES, J. R. Variabilidade espacial e temporal de precipitação pluvial no Rio Grande do Sul e sua relação com indicadores oceânicos. 2005. 210 f. Tese (Doutorado em Fitotecnia) – Curso de Pós-graduação em Fitotecnia, Faculdade de Agronomia, Porto Alegre, 2005.

MELO, R. W. et al. An agrometeorological-spectral model to estimate soybean yield, applied to southern Brazil. International Journal of Remote Sensing, London, v. 29, n. 14, p. 4013-4028, 2008.

MIRANDA, J. I. Processamento de imagens digitais: métodos multivariados em Java. Campinas: Embrapa Informática Agropecuária, 2011. 400 p.

MOTTA, J. L. G.; FONTANA, D. C.; WEBER, E. Análise da evolução temporal do NDVI/NOAA em região de soja no Rio Grande do Sul. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 11., 2003, Belo Horizonte. Anais...São José dos Campos: INPE, 2003. p. 197-204.

NORA, E. L. D.; MARTINI, D. Z. Análise da dinâmica sazonal de fitofisionomias do bioma Mata Atlântica com base em índices de vegetação do sensor MODIS/Terra. Ambiência, Guarapuava, v. 6, n. 1, p. 97-108, 2010.

OVERBECK, G. E. et al. Brazil's neglected biome: The South Brazilian Campos. Perspectives in Plant Ecology, Evolution and Systematics, Jena, v. 9, p. 101-116, 2007.

PONZONI, F. J.; SHIMABUKURO, Y. E. Sensoriamento Remoto no estudo da vegetação. São José dos Campos: Parêntese, 2007. 127 p.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Planejamento, Gestão e Participação Cidadã. Atlas socioeconômico do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2011.

RIZZI, R.; FONSECA E. L. Análise da variação espacial e temporal do NDVI no Estado do Rio Grande do Sul através de imagens AVHRR. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 10., 2001, Foz do Iguaçu. Anais...São José dos Campos: INPE, 2001. p. 1735-1737.

RIZZI, R.; RUDORFF, B. F. T. Estimativa da área de soja no Rio Grande do Sul por meio de imagens Landsat. Revista Brasileira de Cartografia, Rio de Janeiro, v. 57, n. 3, p. 226-234, 2005.

ROSEMBACK, R. et al. Análise da dinâmica da cobertura vegetal na região sul do Brasil a partir de dados MODIS/Terra. Revista Brasileira de Cartografia, Rio de Janeiro, nesp 2, n. 62, p. 401-416, 2010.

ROUSE, J. W. et al. Monitoring vegetation systems in the Great Plains with ERTS. In: EARTH RESOURCES TECHNOLOGY SATELLITE SYMPOSIUM, 3., 1973, Washington. Proceedings... Washington: NASA, 1973. p. 309–317.

SANTOS, J. S. et al. Identificação da dinâmica espaço-temporal para estimar área cultivada de soja a partir de imagens MODIS no Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 18, n. 1, p. 54-63, 2014.

STRECK, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EMATER/RS; UFRGS, 2002. 126 p.

SWAIN, P. H.; DAVIS, S. M. Remote sensing: the quantitative approach. New York : McGraw-Hill, 1978. 396 p.

TOMITA, A. et al. Vegetation patterns in the Chao Phraya Delta, 1997 dry season using satellite image data. In: CHAO Phraya Delta: Historical development, dynamics and challenges of Thailand’s rice bowl. Bangkok: [s. n.], 2000.

TRENTIN, C. B.; FONSECA, E. L. Monitoramento da fenologia da vegetação campestre do bioma Pampa e sua relação com a temperatura média do ar. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 15., 2011, Curitiba. Anais...São José dos Campos: INPE, 2011. p. 1628.

WAGNER, A. P. L. et al. Estimativa de área de soja no Rio Grande do Sul utilizando imagens NDVI/MODIS. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 13., 2007, Florianópolis. Anais...São José dos Campos: INPE, 2007. p. 457-464.

WARD, J. H. Hierarchical grouping to optimize an objective function. Journal of American Statistical Association, Texas, v. 58, n. 301, p. 236-244, 1963.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509828638

Licença Creative Commons