ORGANIZAÇÃO DA COMUNIDADE E ESTRUTURA FILOGENÉTICA DO COMPONENTE ARBÓREO DE UM FRAGMENTO DE FLORESTA NEBULAR NO PLANALTO CATARINENSE

Ana Carolina da Silva, Pedro Higuchi, Marcos Eduardo Guerra Sobral, Marcelo Negrini, Fernando Buzzi Júnior, Marco Antônio Bento, André Leonardo da Silva, Amanda Koche Marcon, Tiago de Souza Ferreira, Bruna Salami, Angélica Dalla Rosa

Resumo


O presente estudo teve como objetivos conhecer a organização da comunidade e a estruturação filogenética do componente arbóreo de um fragmento de Floresta Nebular em Urubici - SC. Para isso, foram alocadas 25 parcelas de 400 m2, nas quais foi medida a circunferência a altura do peito – CAP, e identificadas todas as árvores com CAP igual ou superior a 15,7 cm. Foram calculados o índice de diversidade de Shannon-Wiener e os descritores fitossociológicos. A síndrome de dispersão de propágulos e a distribuição espacial de cada espécie foram determinadas. A estruturação filogenética foi avaliada por meio dos valores de Mean pairwise distance (MPD) e de Net Relatedness Index (NRI), calculados a partir de uma árvore filogenética construída em função das espécies amostradas, de uma matriz de abundância das espécies por parcelas e 1.000 simulações de uma comunidade organizada filogeneticamente de forma aleatória. A estruturação espacial das métricas filogenéticas foi analisada por meio do Índice I de Moran. Foram amostrados 1.579 indivíduos, pertencentes a 33 espécies, sendo Myrtaceae a família de maior riqueza de espécies. O baixo valor de diversidade (2,43), associado à baixa riqueza na área, é esperado em Florestas Nebulares, cujo ambiente é tipicamente seletivo. A maior representação na floresta foi de Myrceugenia euosma (O.Berg) D.Legrand (VI = 24,51%). A síndrome de dispersão predominante foi a zoocoria (84,85%), seguida pela anemocoria (15,15%), e a distribuição espacial foi predominantemente agregada. A comunidade apresentou variação em relação à estruturação filogenética, sendo que, para a maioria das parcelas, o padrão não diferiu do modelo nulo de completa aleatoriedade.


Palavras-chave


Floresta com Araucária; Floresta Ombrófila Mista Alto-montana; comunidade arbórea; filogenia.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, M. D. et al. Potencial de uso de espécies arbóreas de uma floresta secundária em Lages, Santa Catarina. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 11, n. 3, p. 238-247, 2012.

ALBERTI, L. F. et al. Aspectos florísticos e síndromes de dispersão das espécies arbóreas do Morro de Santo Antão, Santa Maria-RS. Ciência e Natura, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 145-160, 2000.

ALMEIDA, S. R. et al. Florística e síndromes de dispersão de um remanescente de Floresta Ombrófila Mista em sistema faxinal. Ambiência, Guarapuava, v. 4, n. 2, p. 289-297, 2008.

ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 161, n. 2, p. 105-121, 2009.

BEHLING, H. et al. Quaternary Araucaria forest, grassland (Campos), fire and climate dynamics, studied by high-resolution pollen, charcoal and multivariate analysis of the Cambará do Sul core in southern Brazil. Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology, Amsterdam, v. 203, n. 3-4, p. 277-297, 2004.

BUDKE, J. C. et al. Composição florística e estratégias de dispersão de espécies lenhosas em uma floresta ribeirinha, arroio Passo das Tropas, Santa Maria, RS, Brasil. Iheringia, Série Botânica, Porto Alegre, v. 60, n. 1, p. 17-24, 2005.

CARNAVAL, A. C.; MORITZ, C. Historical climate modelling predicts patterns of current biodiversity in the Brazilian Atlantic forest. Journal of Biogeography, Hoboken, v. 35, n. 7, p. 1187-1201, 2008.

CARVALHO, F. A. Síndromes de dispersão de espécies arbóreas de florestas ombrófilas submontanas do estado de Rio de Janeiro. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 34, n. 6, p. 1017-1023, 2010.

CAVENDER-BARES, J. et al. The merging of community ecology and phylogenetic biology. Ecology Letters, Montpellier, v. 12, n. 7, p. 693-715, 2009.

COWEL, R. K. et al. Global warming, elevation range shift, and lowland biotic atrition in the wet tropics. Science, New York, v. 322, n. 5899, p. 258-261, 2008.

ESKUCHE, U. El bosque de Araucaria con Podocarpus y los campos de Bom Jardim da Serra, Santa Catarina (Brasil meridional). Boletín de la Sociedad Argentina de Botánica, Córdoba, v. 42, n. 3-4, p. 295-308, 2007.

FALKENBERG, D. Matinhas nebulares e vegetação rupícola dos Aparados da Serra Geral (SC/RS), sul do Brasil. 2003. 558 f. Tese (Doutorado em Biologia Vegetal) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

FORMENTO, S. et al. Dinâmica estrutural arbórea de uma Floresta Ombrófila Mista em Campo Belo do Sul, SC. Cerne, Lavras, MG, v. 10, n. 2, p. 196-212, 2004.

GASTAUER, M.; MEIRA NETO, J. A. A. Avoiding inaccuracies in tree calibration and phylogenetic community analysis using Phylocom 4.2. Ecological Informatics, Amsterdam, v. 15, p. 85-90, 2013.

GIEHL, E. L. H. et al. Espectro e distribuição vertical das estratégias de dispersão de diásporos do componente arbóreo em uma floresta estacional no sul do Brasil. Acta Botanica Brasilica, Feira de Santana, v. 21, n. 1, p. 137-145, 2007.

HARDY, O. J. Testing the spatial phylogenetic structure of local communities: statistical performances of different null models and test statistics on a locally neutral community. Journal of Ecology, London, v. 96, n. 5, p. 914-926, 2008.

HARMS, K. E. et al. Pervasive density-dependent recruitment enhances seedling diversity in a tropical forest. Nature, London, v. 404, n. 6777, p. 493-495, 2000.

HIGUCHI, P. et al. Floristic composition and phytogeography of the tree component of Araucaria Forest fragments in southern Brazil. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 145-157, 2012a.

HIGUCHI, P. et al. Influência de variáveis ambientais sobre o padrão estrutural e florístico do componente arbóreo, em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Montana em Lages, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 79-90, 2012b.

HIGUCHI, P. et al. Florística e estrutura do componente arbóreo e análise ambiental de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Alto-montana no município de Painel, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 1, p. 153-164, 2013.

HIJMANS, R. J. et al. Very high resolution interpolated climate surfaces for global land areas. International Journal of Climatology, Hoboken, v. 25, p. 1965-1978, 2005.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2012. 271 p. (Manuais Técnicos em Geociências, n. 1).

INTERGOVERNMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE. Climate Change 2007: synthesis report. Geneva: Switzerland, 2007. 104 p.

JARENKOW, J. A.; BAPTISTA, L. R. M. Composição florística e estrutura da mata com araucária na Estação Ecológica de Aracuri, Esmeralda, Rio Grande do Sul. Napaea, Porto Alegre, v. 3, p. 9-18, 1987.

JORDANO, P.; GODOY, J. A. Frugivore-generated seed shadows: a landscape view of demographic and genetic effects. In: LEVEY, D. J. et al. Seed dispersal and frugivory: ecology, evolution and conservation. New York: CABI Publishing, 2002. p. 305-321.

KEMBELL, S. W.; HUBBELL, S. P. The phylogenetic structure of a neotropical forest tree community. Ecology, Ithaca, v. 87, n. 7 supl., p. S86-S99, 2006.

KLAUBERG, C. et al. Florística e estrutura de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista no Planalto Catarinense. Biotemas, Florianópolis, v. 23, n. 1, p. 35-47, 2010.

KLEIN, R. M. Mapa fitogeográfico de Santa Catarina. In: REITZ, R. Flora Ilustrada de Santa Catarina. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1978. p. 1-24.

KOEHLER, A. et al. Floresta Ombrófila Densa Altomontana: aspectos florísticos e estruturais de diferentes trechos da serra do mar. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 12, n. 2, p. 27-39, 2002.

LEYSER, G. et al. Espectro de dispersão em um fragmento de transição entre Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional na região do Alto Uruguai, Rio Grande do Sul, Brasil. Pesquisas, Série Botânica, São Leopoldo, v. 60, p. 355-366, 2009.

LINDER, H. P. Plants species radiations: where, when and why? Philosofical Transactions of the Royal Society B, Londres, v. 363, n. 1506, p. 3097-3105, 2008.

MARCON, A. K. et al. Variação florístico-estrutural em resposta à heterogeneidade ambiental em uma Floresta Nebular em Urubici, Planalto Catarinense. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 42, n. 103, p. 439-450, 2014.

MORAN, P. A. P. Notes on continuous stochastic phenomena. Biometrika, Oxford, v. 37, n. 1-2, p. 17-23, 1950.

MORELLATO, L. P. C.; LEITÃO FILHO, H. F. Padrões de frutificação e dispersão da Serra do Japi. In:

MORELLATO, L. P. C.; LEITÃO FILHO, H. F. . História Natural da Serra do Japi: ecologia e preservação de uma área florestal no Sudeste do Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP/FAPESP, 1992. p. 112-141.

MORISITA, M. Id-index, a measure of dispersion of individuals. Researches on Population Ecology, Kyoto, v. 4, n.1, p. 1-7, 1962.

MULLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and of vegetation ecology. New York: John Wiley & Sons, 1974. 547 p.

MURILLO, J. et al. Phylogenetic relationships in Myrceugenia (Myrtaceae) based on plastid and nuclear DNA sequences. Molecular Phylogenetics and Evolution, Amsterdam, v. 62, n. 2, p. 764-776, 2012.

NASCIMENTO, A. R. T. et al. Análise da diversidade florística e dos sistemas de dispersão de sementes em um fragmento florestal da região central do Rio Grande do Sul, Brasil. Napaea, Porto Alegre, v. 12, p. 49-67, 2000.

NASCIMENTO, A. R. T. et al. Estrutura e padrões de distribuição espacial de espécies arbóreas em uma amostra de Floresta Ombrófila Mista em Nova Prata, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 1, p. 105-119, 2001.

NASCIMENTO, A. R. T. et al. Estrutura e classificação de um remanescente de floresta ripária no município de Lages, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, n. 2, p. 209-218, 2011.

NEGRINI, M. et al. Dispersão, distribuição espacial e estratificação vertical da comunidade arbórea em um fragmento florestal no Planalto Catarinense. Revista Árvore, Viçosa, v. 36, n. 5, p. 919-930, 2012.

NUNES, Y. R. F. N. et al. Variações da fisionomia, diversidade e composição de guildas da comunidade arbórea em um fragmento de floresta semidecidual em Lavras, MG. Acta Botânica Brasilica, Feira de Santana, v. 17, n. 2, p. 213-229, 2003.

OKSANEN, J. et al. Vegan: community ecology package. R package version, 2009. v. 1, p. 8.

R CORE TEAM. R: a language and environment for statistical computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing, 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2012.

RONDON NETO, R. M. et al. Diversidade florística e síndromes de dispersão de diásporos das espécies arbóreas de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista. Revista Ciências Exatas e Naturais, Guarapuava, v. 3, n. 2, p. 167-175, 2001.

RUSCHEL, A. R.; NODARI, R. O.; MOERSCHBACHER, B. M. Woody plant species richness in the Turvo State park, a large remnant of deciduous Atlantic forest, Brazil. Biodiversity and Conservation, Ney York, v. 16, n. 6, p. 1699-1714, 2007.

SILVA, A. C. et al. Relações florísticas e fitossociologia de uma Floresta Ombrófila Mista Montana secundária em Lages, Santa Catarina. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 193-206, 2012.

SILVA, A. C. et al. Caracterização fitossociológica e fitogeográfica de um trecho de floresta ciliar em Alfredo Wagner, SC, como subsídio para restauração ecológica. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 4, p. 579-593, 2013.

SMITH-GILL, S. J. Cytophysiological basis of disruptive pigmentary patterns in the leopard frog, Rana pipiens. II. Wild type and mutant cell specific patterns. Journal of Morphology, Hoboken, v. 146, n. 1, p. 35-54, 1975.

SOUZA, V. C.; LORENZI, H. Botânica Sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Angiospermas da flora brasileira, baseado em APG II. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2005. 640 p.

STEFANELLO, D. et al. Síndromes de dispersão de diásporos das espécies de trechos de vegetação ciliar do rio das Pacas, Querência – MT. Acta Amazonica, Manaus, v. 40, n. 1, p. 141-150, 2010.

TABARELLI, M. et al. Effects of habitat fragmentation on plant guild structure in the montane Atlantic forest of southeastern Brazil. Biological Conservation, Amsterdam, v. 91, v. 2-3, p. 119-127, 1999.

TALORA, D. C.; MORELLATO, L. P. C. Fenologia de espécies arbóreas em floresta de planície litorânea do sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 13-26, 2000.

VAN DER PIJL, L. Principles of dispersal in higher plants. Berlim: Springer-Verlag. 1982. 162 p.

WEBB, C. O. Exploring the phylogenetic structure of ecological communities: an example for rain forest trees. The American Naturalist, Chicago, v. 156, n. 2, p. 145-155, 2000.

WEBB, C. O. et al. Phylogenies and Community Ecology. Annual Review of Ecology and Systematics, Palo Alto, v. 33, p. 475-505, 2002.

WEBB, C. O. et al. Phylocom: software for the analysis of phylogenetic community structure and trait evolution. Bioinformatics, Oxford, v. 24, n. 18, p. 2098-2100, 2008.

WEBB, C. O.; DONOGHUE, M. J. Phylomatic: tree assembly for applied phylogenetics. Molecular Ecology Note, Hoboken, v. 5, n. 1, p. 181-183, 2004.

WIKSTRÖM, N. et al. Evolution of the angiosperms? calibrating the family tree. Proceedings of the Royal Society B Biological Science, London, v. 268, n. 1482, p. 2211-2220, 2001.

WILLIS, C. G. et al. Phylogenetic community structure in Minnesota oak savanna is influenced by spatial extent and environmental variation. Ecography, Hoboken, v. 33, n. 3, p. 565-577, 2010.

YAMAMOTO, L. F. et al. Síndrome de polinização e de dispersão em fragmentos da Floresta Estacional Semidecídua Montana, SP, Brasil. Acta Botância Brasilica, Feira de Santana, v. 21, n. 3, p. 553-573, 2007.

ZAR, J. K. Biostatistical analysis. New Jersey: Prentice Hall. 1996. 718 p.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509826453

Licença Creative Commons