TESTE DE SANIDADE E GERMINAÇÃO EM SEMENTES DE Cabralea canjerana (Vell.) Mart.

Suelen Carpenedo Aimi, Maristela Machado Araujo, Marlove Fátima Brião Muniz, Clair Walker

Resumo


O presente trabalho teve como objetivo identificar patógenos, analisar diferentes tratamentos de sementes e substratos para germinação de sementes de Cabralea canjerana e ainda indicar instruções para realização de teste laboratoriais de germinação da espécie. Primeiramente, foi avaliado o teor de umidade e determinado o peso de mil sementes. Para avaliar os patógenos associados às sementes, foi realizado o teste de sanidade com diferentes tratamentos de sementes: T1 – Testemunha; T2 – Captan®; T3 – Maxim®; T4 – Hipoclorito de sódio; e T5 – Agrotrich Plus®. O teste de germinação foi realizado em esquema fatorial com cinco tratamentos das sementes e três substratos (sobre papel mata-borrão, vermiculita e areia). As sementes apresentaram teor de umidade e peso de mil sementes, respectivamente, de 41,2% e 457,3 g. Os principais gêneros de fungos associados às sementes de Cabralea canjerana foram: Penicillium spp., Fusarium spp., Cladosporium spp., Pestalotia spp. e Phomopsis spp. O tratamento das sementes com Captan®, Maxim® e hipoclorito de sódio mostraram-se eficientes na redução da incidência de Penicillium spp., porém, somente os dois últimos permitem evidenciar o maior potencial de germinação das sementes, independentemente do substrato utilizado. O tratamento das sementes com os produtos Captan®, Maxim® e hipoclorito de sódio mostraram-se eficientes na redução da incidência de Penicillium spp. em sementes de Cabralea canjerana, porém, somente os dois últimos proporcionaram maior potencial de germinação independente do substrato utilizado. O tratamento com Agrotrich Plus® apresentou a menor porcentagem de germinação e aumento da incidência de Fusarium spp. Indica-se para o teste de germinação das sementes de Cabralea canjerana assepsia com hipoclorito de sódio 1% por 2’ e substrato de semeio sobre vermiculita, sendo que a primeira contagem pode ser realizada aos 19 dias e a contagem final aos 30 dias após a instalação do teste.


Palavras-chave


Meliaceae; sementes florestais; controle químico; fungos

Texto completo:

PDF

Referências


ANJOS, J. R. N.; CHARCHAR, M. J. A.; GUIMARÃES, D. P. Ocorrência de queima das folhas causada por Phomopsis spp. em aroeira no Distrito Federal. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v. 26, n. 3, p. 649-650, 2001.

BARNETT, H. L.; HUNTER, B. B. Illustrated genera of imperfect fungi. 3. ed. Minnesota: Burgess Publishing Company, 1999. 24 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: MAPA/ACS, 2009. 395 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução normativa nº 44. Brasília: MAPA, 2010. 2 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução normativa nº 34. Brasília: MAPA, 2011. 1 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução normativa nº 26. Brasília: MAPA, 2012. 4 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instruções para análise de espécies florestais. Brasília: MAPA/ACS, 2013. 98 p.

CARNEIRO, J. S. Testes de sanidade de sementes de essências florestais. In: SOAVE, J.; WETZEL, M. M. V. S. Patologia de sementes. Campinas: Fundação Cargil, 1987. p. 386-394.

CARNEIRO, J. S. Qualidade sanitária de sementes de espécies florestais em Paraopeba, MG. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v. 15, p. 75-76, 1990.

CARVALHO, W. L.; MUCHOVEJ, J. J. Fungos associados a sementes de essências florestais. Revista Árvore, Viçosa, v. 15, n. 2, p. 173-178, maio/ago. 1991.

CARVALHO, N. M; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção, 4. ed. Jaboticabal: Funep, 2000. 588 p.

CARVALHO, P. E. R. Espécies Arbóreas Brasileiras. Brasília: EMBRAPA Informação Tecnológica; Colombo, PR: EMBRAPA Florestas, 2003. v. 1, 1039 p.

COUTINHO, W. M. et al. Efeitos de hipoclorito de sódio na germinação de conídios de alguns fungos transmitidos por sementes. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v. 25, n. 3, p. 552-555, 2000.

CHEROBINI, E. A. I.; MUNIZ, M. F. B.; BLUME, E. Avaliação da qualidade de sementes e mudas de cedro. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 18, n. 1, p. 65-73, jan./mar. 2008.

FAIAD, M. G. R.; RAMOS, V. R.; WETZEL, M. M. V. Patologia de espécies florestais do cerrado. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PATOLOGIA DE SEMENTES, 8., 2004, João Pessoa. Palestras e Resumos. João Pessoa, 2004. p. 36-42.

FENNER, M.; THOMPSON, K. The ecology of seeds. Cambridge: Cambridge University Press, 2005. 250 p.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, MG, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011.

FERREIRA, F. A. Patologia florestal: principais doenças florestais no Brasil. Viçosa: UFV; SIF, 1989. 570 p.

FIGLIOLIA, M. B.; OLIVEIRA, E. C.; PIÑA-RODRIGUES, F. C. M. Análise de sementes. In: AGUIAR, I. B. PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; FIGLIOLIA, M. B. Sementes florestais tropicais. Brasília, DF: Abrates, 1993. p. 137-174.

FOWLER, J. A. P.; BIANCHETTI, A. Dormência em sementes florestais. Colombo: Embrapa Florestas, 2000. 27 p. (Embrapa Florestas. Documentos, 40).

FRASSETO, E. G.; MENEZES, N. L. Influência da temperatura de germinação, da abertura dos frutos e da embalagem na viabilidade de sementes de cangerana (Cabralea canjerana (Vell.) Mart.) – Meliaceae. Informativo Abrates, Brasília, v. 7, n. 1/2. p. 213, 1997.

HENNING, A. A.; FRANÇA NETO, J. B. Problemas na avaliação da germinação de sementes de soja com alta incidência de Phomopsissp. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, DF, v. 2, n. 3, p. 9-22, 1980.

INOUE, M. T. Indução à deiscência de frutos de Cabralea spp. Floresta, Curitiba, v. 9, n. 1, p. 14-18, 1978.

LAZAROTTO, M. et al. Sanidade, transmissão via semente e patogenicidade de fungos em sementes de Cedrela fissilis procedentes da região sul do Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 3, p. 493-503, jul./set. 2012.

LAZAROTTO, M. et al. Qualidade fisiológica e tratamentos de sementes de Cedrela fissilis procedentes do Sul do Brasil. Revista Árvore, Viçosa-MG, v. 37, n. 2, p. 201-210, 2013.

LIMA JUNIOR, M. J. V. (Ed.). Manual de procedimentos para análise de sementes florestais. Manaus: UFAM, 2010. 146 p.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras. Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 2002. v. 1. 378 p.

MACHADO, J. C. Patologia de sementes fundamentos e aplicações. Brasília: MEC; ESAL; FAEPE, 1988. 106 p.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedlings emergence and vigor. Crop Science, Madison, v. 2, n. 1, p. 176-177, 1962.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 2005. 495 p.

MELO, I. S. Trichoderma e Gliocladiumcomo bioprotetores de plantas. Revisão Anual de Patologia de Plantas, Passo Fundo, v. 4, p. 261-295, 1996.

MUNIZ, M. F. B.; SILVA, L. M.; BLUME, E. Influência da assepsia e do substrato na qualidade de sementes e mudas de espécies florestais. Revista Brasileira de sementes, Brasília, v. 29, n. 1, p. 140-146, 2007.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados na avaliação das plântulas. In: VIEIRA, R. D.; CARVALHO, N. M. Teste de vigor em sementes. Jaboticabal: Funep, 1994. p. 49-86.

PARISI, J. J. D.; SANTOS, A. F.; MENTEN, J. O. Tratamentos de sementes florestais. In: SANTOS, A. F.; PARISI, J. J. D.; MENTEN, J. O. Patologia de sementes florestais, Colombo: Embrapa Florestas, 2011.

RESENDE, M. L. V.; PÁDUA, M. A.; TOYOTA, M. Manejo de doenças associadas a viveiros florestais. In: DAVIDE, A. C; SILVA, E. A. A. Produção de sementes e mudas de espécies florestais. Lavras: UFLA, 2008. v. 1, p. 80-89.

SANTANA, D. G.; RANAL, M. A. Análise da germinação: um enfoque estatístico. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2004. 248 p.

SANTOS A. F.; MEDEIROS A. C. S.; SANTANA D. L. Fungos associados a espécies arbóreas da Mata Atlântica. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 42, p. 57-70, 2001.

SCHMIDT, L. Tropical Forest Seed. New York: Springer, 2007. 409 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509825155

Licença Creative Commons