HETEROGENEIDADE AMBIENTAL E VARIAÇÃO FLORÍSTICO-ESTRUTURAL EM UM FRAGMENTO DE FLORESTA COM ARAUCÁRIA NA COXILHA RICA -

Roni Djeison Ansolin, Ana Carolina da Silva, Pedro Higuchi, Larissa Cardoso Küster, Tiago de Souza Ferreira, Fernando Buzzi Júnior, Marco Antônio Bento, Manoela Drews de Aguiar, Aline Pereira Cruz

Resumo


O presente estudo objetivou verificar a relação entre a organização da comunidade arbórea e variáveis ambientais em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista. Para isso, na localidade da Coxilha Rica, no planalto sul catarinense, foram alocadas 50 parcelas de 200 m2 em um fragmento florestal, no qual foram amostrados, medidos (circunferência a altura peito, CAP) e identificados todos os indivíduos arbóreos vivos que apresentaram CAP igual ou superior a 15,7 cm. Em cada parcela, foram obtidas as variáveis ambientais: topografia, cobertura do dossel e características químicas e físicas dos solos. Foram calculados os estimadores fitossociológicos e ordenadas as parcelas em função da abundância das espécies, por meio da análise NMDS (Nonmetric multidimensional scalling). Em seguida, foi realizado ajuste entre a ordenação produzida e as variáveis ambientais, com as variáveis significativas (p ≤ 0,01) plotadas na forma de vetores. Foram amostrados 1.447 indivíduos, distribuídos em 69 espécies. Myrcia guianensis (Aubl.) DC. foi a espécie de maior valor de importância (VI=10,43%). Nas áreas com terreno mais declivoso, com maiores cotas altimétricas médias e com solos menos férteis, com maiores teores de MO, Al e Na, destacou-se a presença, entre outras espécies, de Drimys brasiliensis Miers. Nas áreas com o terreno mais plano e solos com maior fertilidade e menores teores de MO, Al e Na, foi comum Sebastiania commersoniana (Baill.) L.B. Sm. & Downs. Conclui-se que a topografia e as características químicas dos solos foram determinantes para a heterogeneidade florístico-estrutural no fragmento estudado.

Palavras-chave


Floresta Ombrófila Mista; NMDS; variáveis edáficas

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, V. V. H. et al. Interpretação dos resultados das análises de solo. In: RIBEIRO, A. C. et al. (Orgs.). Recomendações para uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais. Viçosa: Comissão de Fertilidade do Solo do Estado de Minas Gerais, 1999. 359 p.

ARAUJO, A. C. B. Efeito do pastoreio de bovinos sobre a estrutura da mata ciliar do Arroio Espinilho em Sant’ana do Livramento, RS, Brasil. 2010. 92 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2010.

ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 161, n. 2, p. 105-121, 2009.

BEHLING, H. et al. Quaternary Araucaria forest, grassland (Campos), fire and climate dynamics, studied by high-resolution pollen, charcoal and multivariate analysis of the Cambará do Sul core in southern Brazil. Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology, Amsterdam, v. 203, n. 3-4, p. 277-297, 2004.

BOLDRINI, I. I. Biodiversidade dos campos do planalto das araucárias. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2009. 240 p.

BORCARD, D. et al. Numerical ecology with R. New York: Springer, 2011. 306 p.

EMBRAPA. Manual de métodos de análises de solo. 2. ed. Rio de Janeiro: Centro Nacional de Pesquisa de Solos, 1997. 247 p.

EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2. ed. Rio de Janeiro: EMBRAPA, 2006. 306 p.

GASPER, A. L. et al. Inventário florístico florestal de Santa Catarina: espécies da Floresta Ombrófila Mista. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 64, n. 2, p. 201-210, 2013.

HARIDASAN, M.; ARAÚJO, G. M. Perfil nutricional de espécies lenhosas de duas florestas semidecíduas em Uberlândia, MG. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 28, n. 2, p. 295-303, 2005.

HELTSHE, J. F.; FORRESTER, N. E. Estimating species richness using the jackknife procedure. Biometrics, Hoboken, v. 39, n. 1, p. 1-12, 1983.

HIGUCHI, P. et al. Floristic composition and phytogeography of the tree component of Araucaria Forest fragments in southern Brazil. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 145-157, 2012a.

HIGUCHI, P. et al. Influência de variáveis ambientais sobre o padrão estrutural e florístico do componente arbóreo em um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Montana, em Lages, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 79-90, 2012b.

HIGUCHI, P. et al. Florística e estrutura do componente arbóreo e análise ambiental de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Alto-Montana no município de Painel, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 1, p. 153-164, 2013.

HIGUCHI, P. et al. Partição espacial de espécies arbóreas em função da drenagem do solo em um fragmento de floresta com araucária no Sul do Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 2, p. 421-429, 2014.

IBGE. Manual técnico de pedologia. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2007. 323 p. (Manuais Técnicos em Geociências, n. 4).

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. 271 p.

ISRAEL, V. Proteção Jurídica do patrimônio paisagístico – ambiental de interesse cultural: os corredores de tropas de Coxilha Rica, no estado de Santa Catarina. 2006. 89 f. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, 2006.

KERSTEN, R. A.; GALVÃO, F. Suficiência amostral em inventários florísticos e fitossociológicos. In: FELFILI, J. M. et al. (Orgs.). Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de casos. Viçosa: Editora UFV, 2011. p. 153-176.

KLAUBERG, C. et al. Florística e estrutura de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista no Planalto Catarinense. Biotemas, Florianópolis, v. 23, n. 1, p. 35-47, 2010.

LEMMON, P. A spherical densiometer for estimating forest overstory density. Forest Science, Grosvenor Lane, v. 2, n. 4, p. 314-320, 1956.

MARCON, A. K. et al. Variação florístico-estrutural em resposta à heterogeneidade ambiental em uma Floresta Nebular em Urubici, Planalto Catarinense. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 42, n. 103, p. 439-450, 2014.

MEDRI, P. S. et al. Comparação de parâmetros bióticos e abióticos entre fragmento de floresta secundária e reflorestamento de Araucaria angustifolia (Bertol.) O. Kuntze. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 30, n. 2, p. 185-194, 2009.

MUELLER-DOMBOIS; D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: Wiley, 1974. 547 p.

NASCIMENTO, A. R. T. et al. Estrutura e classificação de um remanescente de floresta ripária no município de Lages, SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, n. 2, p. 209-218, 2011.

NEGRINI, M. et al. Dispersão, distribuição espacial e estratificação vertical da comunidade arbórea em um fragmento florestal no Planalto Catarinense. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 36, n. 5, p. 919-930, 2012.

NEGRINI, M. et al. Heterogeneidade florístico-estrutural do componente arbóreo em um sistema de fragmentos florestais no Planalto Sul catarinense. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 38, n. 5, p. 779-786, 2014.

OKSANEN, J. et al. Vegan: community ecology package. 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2014.

OLIVEIRA FILHO, A. T. et al. Differentiation of streamside and upland vegetation in an area of montane semideciduous Forest in southeastern Brazil. Flora, Amsterdam, v. 189, n. 4, p. 287-305, 1994.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. [s. l.]: R Foundation for Statistical Computing, 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2014.

SCIPIONI, M. C. et al. Distribuição do compartimento arbóreo em gradiente de relevo e solos na encosta Meridional da Serra Geral, RS. Ciência Rural, Santa Maria, v. 40, n. 6, p. 1295-1301, 2010.

SILVA, A. C. et al. Comparação florística de florestas inundáveis das regiões Sudeste e Sul do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 257-269, 2007.

SILVA, A. C. et al. Relações florísticas e fitossociologia de uma Floresta Ombrófila Mista Montana Secundária em Lages, Santa Catarina. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 193-206, 2012a.

SILVA, A. C. et al. Florestas inundáveis: ecologia, florística e adaptações das espécies. Lavras: Editora da UFLA; 2012b.

TOMÉ JÚNIOR, J. B. Manual para interpretação de análise de solo. Guaíba: Agropecuária, 1997. 274 p.

VAN DEN BERG, E.; OLIVEIRA-FILHO, A. T. Spatial partitioning among tree species within an area of tropical montane gallery forest in south-eastern Brazil. Flora, Amsterdam, v. 194, n. 3, p. 249-266, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509825111

Licença Creative Commons