Análise de agrupamento em remanescente de Floresta Ombrófila Mista.

Maristela Machado Araujo, Luciane Chami, Solon Jonas Longhi, Angela Luciana de Avila, Doádi Antônio Brena

Resumo


Este estudo teve como objetivo analisar a fitossociologia de um remanescente de Floresta Ombrófila Mista. Para isso, foram utilizados seis conglomerados, cada um com 16 parcelas, onde os indivíduos arbóreos e arbustivos com circunferência à altura do peito (CAP) igual ou maior de 30 cm foram identificadas e medidas. As espécies foram classificadas em grupos ecológicos e, com base nos dados de densidade, foi realizada uma análise de agrupamento utilizando o método TWINSPAN (Two-way Indicator Species Analysis). Os agrupamentos foram caracterizados em relação a sua estrutura horizontal. Na área, foram identificadas 86 espécies, sendo 18 pioneiras, 25 secundárias iniciais, 16 secundárias tardias, 14 clímax e 13 foram classificadas em mais de um grupo. Foram identificados três agrupamentos (Grupos 1, 2 e 3), onde se destacaram as espécies Siphoneugena reitzii, Araucaria angustifolia e Sebastiania commersoniana respectivamente, em ambientes de encosta, de árvores emergentes e úmido. Constatou-se que a presença de indivíduos de menor diâmetro garantirá a permanência dessas espécies por médio prazo. Intervenções nesse ecossistema devem considerar a presença de agrupamentos distintos, caracterizados por ambiente e espécies específicas.


Palavras-chave


fitossociologia; TWINSPAN; grupos ecológicos

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, M. M. Vegetação e mecanismos de regeneração em fragmento de Floresta Estacional Decidual Ripária, Cachoeira do Sul, RS, Brasil. 2002.153 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2002.

BACKES, P.; IRGANG, B. Árvores do Sul: Guia de identificação e interesse ecológico. Santa Cruz do Sul: Instituto Souza Cruz, 2002. 325 p.

BARDDAL, M. L. et al. Caracteriaçào florística e fitossociológica de um trecho sazonalmente inundável de floresta aluvial, em Araucária, PR. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 31-50, 2004.

BRAUN-BLANQUET, J. Fitosociologia: base para el estudio de las comunidades vegetales. 3. ed. Madrid: H. Blume, 1979. 820 p.

BROWER, J. E.; ZAR, J. H. Field and laboratory methods for general ecology. 2nd ed, Iowa: Brown Publishers, 1984. 226 p.

BRASIL. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente. Floresta Nacional de São Francisco de Paula-RS. Brasília: IBAMA, 2000. 6 p.

BUDOWSKI, G. N. Distribution of tropical American rain forest species in the light of sucessión processes. Turrialba, Costa Rica, v. 15, n. 2, p. 40-52, 1965.

BUDOWSKI, G. N. Los bosques de los trópicos húmedos de América. Turrialba, Costa Rica, v.16, n. 3, p. 278-285, 1966.

CARVALHO, J. O. P. da. Structure and dynamics of a logged over Brazilian Amazonian rain Forest. 1992. 215 f. These (Doctor of Philosophy) - Oxford University, Oxford, 1992.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: Embrapa Informações Tecnológicas; Colombo: Embrapa Floresta. 2003.1039 p, v. 1.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: Embrapa Informações Tecnológicas; Colombo: Embrapa Floresta. 2006. 627 p, v. 2.

CHAMI, L. Vegetação e mecanismos de regeneração natural em diferentes ambientes da Floresta Ombrófila Mista na FLONA de São Francisco de Paula, RS. 2008. 121 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2008.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: EMBRAPA – SPI, 1999. 412 p.

FELFILI, J. M. Diameter and height distributions in a gallery forest community and some of its main species in central Brazil over a six-year period (1985-1991). Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 155-162, 1997.

FELFILI, J. M.; SEVILHA, A. C. Distribuição espacial de parcelas e de espécies em quatro áreas de cerrado sensu stricto na Chapada do Espigão Mestre de São Francisco. In: FELFILI, J. M.; SILVA Jr., M. C. da (org.). Biogeografia do bioma Cerrado: estudo fitofisionômico na Chapada do Espigão Mestre do São Francisco. Brasília: UnB, 2001. p. 61-74.

FERNANDES, A. V.; BACKES, A. Produtividade primária em floresta com Araucaria angustifolia no Rio Grande do Sul. Iheringia, Série Botânica, Porto Alegre, v. 51, n. 1, p. 63-78, 1998.

FERRETTI, A. R. Modelos de Plantio para a Restauração. In: GALVÃO, A. P. M.; MEDEIROS, A. C. de S. (eds). A restauração da Mata Atlântica em áreas de sua primitiva ocorrência natural. Colombo: Embrapa Florestas, 2002. p. 35-43.

FINEGAN, B.; SABOGAL, C. El desarrolo de sistemas de produccion sostenible en Bosque Tropical humedos da Bajura: Un studio de caso en Costa Rica (1a parte). El Chasqui, v. 17, p. 3-21, 1988.

GAUCH, H. G. Multivariate analysis in community ecology. Cambridge: Cambridge University Press, 1982. 180 p.

HILL, M. O.; BUNCE, R. G. H.; SHAW, M. W. Indicator species analysis, a divisive polythetic method of classification, and its application to a survey of native pinewoods in Scotland. The Journal of Ecology, v. 63, n. 2, p. 597-613, 1975.

HILL, M. O. TWINSPAN: a FORTRAN program for arranging multivariate data in an ordered two way table by classification of individual and attributes. Ithaca: Cornell University, 1979. 60 p.

KAUL, P. F. T. Geologia. In: IBGE. Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: 1990. p. 29-54.

KENT, M.; COKER, P. Vegetation description analyses. London: Behaven Press, 1992. 363 p.

KLEIN, R. M. Síntese ecológica da Floresta Estacional da Bacia do Jacuí e importância do reflorestamento com essências nativas. Comunicado do Museu de Ciências da PUC, Série Botânica, Porto Alegre, n. 32, p. 25-48, 1985.

LEGRAND, C. D.; KLEIN, R. M. Mirtáceas: 13. Siphoneugena. In: REITZ, P. R. (ed.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1977. 158 p.

LEITE, P. F.; KLEIN, R. M. Vegetação. In: IBGE. Geografia do Brasil - Região Sul. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. p. 113-150.

LONGHI, S. J. A estrutura de uma floresta natural de Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze no sul do Brasil. 1980. 198 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) __ Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1980.

LONGHI, S. J. Agrupamento e análise fitossociológica de comunidades florestais na sub-bacia hidrográfica do Rio Passo Fundo, RS. 1997. 198 f. Tese (Doutorado em Ciências Florestais) __ Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1997.

LONGHI, S. J. et al. Composição florística e estrutura da comunidade arbórea de um fragmento florestal no município de Santa Maria, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 9, n.1, p.115-133, 1999.

LONGHI, S. J. et al. Aspectos fitossociológicos de fragmento de Floresta Estacional Decidual, Santa Maria, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v.10, n. 2, p. 59-74. 2000.

LONGHI, S. J. et al. Classificação e caracterização de estágios sucessionais em remanescentes de Floresta Ombrófila Mista na FLONA de São Francisco de Paula, RS, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v.16, n. 2, p.113-125, 2006.

LONGHI, S. J. Autoecologia de espécies florestais nativas do Rio Grande do Sul. Santa Maria, RS. 2008. (Anotações pessoais coletadas pelo autor) longhi.solon@gmail.com

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2002. 384 p. v. 1.

MACIEL, M. de N. M. et al. Classificação ecológica das espécies arbóreas. Revista Acadêmica: Ciências Agrárias e Ambiental, Curitiba, v. 1, n. 2, p. 69-78, 2003.

McCUNE, B.; MEFFORD, M. J. PC-ORD: multivariate analysis of ecological data. Version 3.0. Oregon: MjM Software Design, 1997. 47 p.

McCUNE, B.; MEFFORD, M. J. PC-ORD: multivariate analysis of ecological data. Version 5. Gleneden Beach: MjM Software, 2006.

MEDEIROS, J. de D.; SAVI, M.; BRITO, B. F. A. de. Seleção de área para criação de unidade de conservação na Floresta Ombrófila Mista. Biotemas, Florianópolis, v.18, n. 3, p. 33-50. 2005.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961. 42 p.

MOSCOVICH, F. A. Dinâmica de crescimento de uma Floresta Ombrófila Mista em Nova Prata, RS. 2006. 130 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2006.

NARVAES, I. da S.; BRENA, S. J.; LONGHI, S. J. Estrutura da regeneração natural em Floresta Ombrófila Mista na Floresta Nacional de São Francisco de Paula, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 15, n. 4. 2005.

NASCIMENTO, A. R. T. Análise estrutural e padrões de distribuição espacial de uma amostra de Floresta Ombrófila Mista. 2000, 90 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) __ Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2000.

NIMER, E. Clima. In: IBGE. Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. p.151-187.

PAHL-WOSTL; C. The dynamic nature of ecosystems: chaos and order entwined. Chichester: John Wiley & Sons, 1995. 267 p.

PIELOU, E. C. Matematical ecology. New York: John Wiley & Sons, 1977. 385 p.

REITZ, R.; KLEIN, R. M.; REIS, A. Projeto Madeira do Rio Grande do Sul. Sellowia, Itajaí, n. 34-35, p. 1-525, 1983.

RIBEIRO, S. B. Classificação e ordenação da comunidade arbórea da Floresta Ombrófila Mista da FLONA de São Francisco de Paula, RS. 2004. 160 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2004.

RICHARDS, P.W. The tropical rain forest an ecological study. 2nd ed. Cambridge: University Press, 1996. 575 p.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria Estadual do Meio Ambiente/Departamento de Florestas e Áreas Protegidas. Diretrizes ambientais para restauração de matas ciliares. Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Departamento de Florestas e Áreas Protegidas. Porto Alegre: SEMA, 2007. 33 p.

RIO GRANDE DO SUL. Relatório Final do Inventário Florestal Contínuo do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: SEMA, 2002. 706 p.

SOBRAL, M. et al. Flora arbórea e arborescente do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Rima-NovoAmbiente, 2006. 350 p.

SOLIGO, A. Constituição da área da FLONA de São Francisco de Paula. Santa Maria, RS. 2008. (Anotações pessoais coletadas pelo autor). artur.soligo@icmbio.gov.br

SWAINE, M. D.; HALL, J. B.Early succession on cleared forest land in Ghana. Journal of Ecology, n. 71, p. 601-627, 1983.

SWAINE, M. D.; WHITMORE, T. C. On definition of ecological species groups in tropical rain forests. Vegetatio, n. 75, p. 81-86, 1988.

TAIZ, L.; ZEIGER E. Fisiologia Vegetal. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. 719 p.

VACCARO, S.; LONGHI, S. J.; BRENA, D. A. Aspectos da composição florística e categorias sucessionais do estrato arbóreo de três subseres de uma floresta Estacional Decidual, no município de Santa Tereza-RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 9, n. 1, p.1-18, jan./jun. 1999.

ACCARO, S. Crescimento de uma Floresta Estacional decidual, em três estágios sucessionais, no município de Santa Tereza, RS, Brasil. 2002.137 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal)- Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2002.

WALTER, B. M. T. Distribuição espacial de espécies perenes em uma mata de galeria inundável no Distrito Federal; forística e fitossociologia. 1995. 200 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia) __ Universidade de Brasília, Brasília, 1995.

WHITMORE, T. C. Topical Rain Forest dynamics and its implications for management. In: GOMES-POMPA, A.; WHITMORE, T. C.; HADLEY, M. Rain forest regeneration and management. Paris: UNESCO, 1990. p. 67-89.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050981755