Utilização de geoprocessamento na simulação de áreas de clareiras em um sistema de manejo em regime jardinado

Henrique Luis Godinho Cassol, Frederico Dimas Fleig

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509813334

O objetivo deste trabalho foi simular as áreas de clareiras formadas, pós-exploração, em um Sistema de Manejo em Regime Jardinado, utilizando técnicas de Geoprocessamento. Em 5,6 ha de uma Floresta Estacional Semidecidual, localizada na Linha Canudos, Santa Maria/RS, foram georreferenciadas 924 árvores com o uso de um receptor GPS. Destas, determinou-se a taxa de corte sustentado pela distribuição das frequências balanceadas por classe diamétrica e foram selecionadas 82 árvores para exploração. Nas árvores selecionadas para o corte, as áreas de clareiras formadas pela liberação do dossel e as áreas de clareiras decorrentes do impacto, ocasionado pela queda, foram simuladas em um ambiente SIG, empregando-se como técnica de exploração de impacto reduzido, o abate dirigido das árvores. Ao todo, 98 indivíduos (32 m³) serão beneficiados pela liberação do dossel e 63 indivíduos (12,07 m³) serão impactados pela queda das árvores exploradas. Portanto, conclui-se que o uso de técnicas de Geoprocessamento aplicadas ao manejo de florestas nativas é um importante recurso quando se deseja intervir na floresta, com o objetivo de reduzir os impactos decorrentes da exploração.


Palavras-chave


manejo florestal sustentado; SIG; exploração de impacto reduzido; clareiras

Texto completo:

PDF

Referências


BETTS, H. D. et al. Forest canopy gap detection and characterization by the use of highresolution Digital Elevation Models. New Zealand Journal of Ecology. vol. 29, n. 1, p 95-103. 2005.

BERTAULT, J. G.; SIST P. An experimental comparison of different harvesting intensities with reducedimpactand conventional logging in East Kalimantan, Indonesia. Forest Ecology and Management. Amsterdam, v. 94, p. 209-218, 1997.

BULFE, N. M. L. Efeitos da exploração convencional e de impacto reduzido em uma floresta estacional semidecidual, na província de Misiones, Nordeste da Argentina. Floresta, Curitiba, PR, v. 39, n. 2, p. 365-379, abr./jun. 2009.

CARVALHO, J. O. P. de. Dinâmica de florestas naturais e sua implicação para o manejo florestal. In: CURSO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL, 1997, Curitiba. Tópicos em manejo florestal sustentável. Colombo: EMBRAPA-CNPF, 1997. p. 43-55. (EMBRAPA-CNPF. Documentos, 34).

CHANDRASHEKARA, U. M., RAMAKRISHNAN, P. S. Vegetation and gap dynamics of a tropical wet evergreen forest in the western ghats of Kerala, India. Journal of Tropical Ecology, vol.10, n. 3, p 337-354, 1994.

DENSLOW, J. S. Gap partitioning among tropical rainforest trees. Biotropica, vol.12.n. 2, p 47-55, 1980.

DURLO, M. A. Zuwachsuntersuchungen und Einzelbaumwachstumsmodelle für Cabralea glaberrima, Cedrela fissilis und Cordia trichotoma in sekundären Laubmischwälder Südbrasiliens. Wien: Institut für Waldwachstumsforschung, 1996. 175f. Dissertation (Doktorgrades) - Universität für Bodenkultur, 1996.

DURLO, M. A. Variáveis morfométricas e relações interdimensinais para Cordia trichotoma Vell. Arráb. Ex Steud. Ciência Florestal, Santa Maria, v.19, n. 4, p 473-480, out./dez. 2009.

FIGUEIREDO, E.O. et al. Manejo de Precisão em Florestas Tropicais: Modelo Digital de Exploração Florestal. Embrapa Acre, Rio Branco, 2008, 2 ed. 183p.

HU, L. L., ZHU, J. J. Improving gap light index (GLI) to quickly calculate gap coordinates. Canadian Journal of Forest Research, vol.38, n. 9, p 2237-2247, 2008.

JACKSON, S. et al. Area disturbed and residual stand damage following logging in a Bolivian tropical forest. Forest Ecology and Management. Amsterdam, v. 166, p. 271-283, 2002.

JARDIM, F. S. C; VOLPATO, M. M. L; SOUZA, A. L. Dinâmica de sucessão natural em clareiras de florestas tropicais. Viçosa, MG: SIF, 1993. 60p. (Documento SIF 0,10)

LIMA, R. A. F. Gap size measurement: The proposal of a new field method. Forest Ecology and Management. Amsterdan, p 413-419, 2005.

LONGHI, S. J. A estrutura de uma floresta natural de Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze no sul do Brasil. 198 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1980.

MARTINS, S.V. Aspectos da dinâmica de clareiras em uma floresta estacional semidecidual no município de Campinas, SP. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo. 215p. 1999.

MEYER, H. A. Structure, growth, and drain in balanced uneven-aged forests. Journal of Forestry, Washington, vol. 50, n. 2, p 85-92, 1952.

OLIVEIRA, M. V. N.; BRAZ, E. M. Manejo florestal em regime de rendimento sustentado, aplicado à floresta do Campo Experimental da Embrapa – CPAF/AC. Rio Branco Acre: 1998. 45 p.

PANTALEÃO et al. Avaliação da estrutura, crescimento, mortalidade e recrutamento em uma floresta semidecidual submontana na amazônia Mato-Grossense. Amazônia: Ciência & Desenvolvimento. v. 4 n. 7. 2008.

PEREIRA, R. et al. Forest canopy damage and recovery in reduce impact and convencional selective logging in eastern Para, Brazil. Forest Ecology and Management. Amsterdam, v. 168, p. 77-89. 2002.

RIO GRANDE DO SUL. Lei Nº 9.519, de 21 de janeiro de 1992. Institui o Código Florestal do Estado do Rio Grande do Sul e de outras providências. Porto Alegre, 1992. Disponível em: . Acesso em: 28/07/09.

RUNKLE, J. R. Gap regeneration in some old-growth forests of the eastern United States. Ecology, v. 62, n. 4, p 1041-1051, 1981.

RUNKLE, J. R. Guidelines and sample protocol for sampling forest gaps. USDA Forest Service Pacific Northwest Research Station General Technical Report PNW-GTR-283, Portland, OR. 1992.

SABOGAL, C. et al. Diretrizes técnicas para a exploração de impacto reduzido em operações florestais de terra firme na Amazônia Brasileira. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental, 2000 (Embrapa Amazônia Oriental. Documentos, 64).

SCHNEIDER, P.R.; FINGER, C.A.G. Manejo sustentado de florestas inequiâneas heterogêneas. Santa Maria: CEPEF, 2000. 195 p.

SCHÜTZ, J.P. Le régime du jardinage. Document autographique du cours de silviculture III. Chaire de sylviculture ETH- Zürich: Chaire de silviculture, 1989. 55 p.

SIST, P. et al. Harvesting intensity versus sustainability in Indonesia. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 108, p. 251-260, 1998.

SIST, P.; NGUYEN-THÉ, N. Logging damage and the subsequent dynamics of a dipterocarp forest in East Kalimantan (1990-1996). Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 165, p. 85-103, 2002.

TABARELLI, M.; MONTOVANI, W. Colonização de clareiras naturais na floresta atlântica no sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo. v. 20. n. 1. p. 57-66. 1997.

TEIXEIRA et al. Projeção da dinâmica da floresta natural de Terra-firme, região de Manaus-AM, com o uso da cadeia de transição probabilística de Markov. Acta amazonica. v. 37. n. 3. p. 377-384. 2007.

VALVERDE, T.; SILVERTOWN, J. Canopy closure rate and Forest structure. Ecology, v. 78, n. 5, p. 1555-1562, 1997.

VEBLEN, T. T. Tree regeneration responses to gaps along a transandean gradient. Ecology, v. 70, n. 3, p. 541-543, 1989.

VIDAL, E. et al. Efeitos da exploração madeireira predatória e planejada sobre a diversidade de espécies na Amazônia Oriental. Revista Árvore, v. 22, n. 4, p. 503-520, 1998.

VIDAL, E. et al. Crescimento de floresta tropical três anos após colheita de madeira com e sem manejo florestal na Amazônia oriental. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 61, p. 133-143, 2002.

WHITMORE, T. C. Gaps in the forest canopy. In: TOMLINSON, P. B.; ZIMMERMANN, M. H. (Eds.) Tropical trees as living systems. New York: Cambridge University Press, p. 639-655. 1978.

WHITMORE, T. C. Canopy gaps and the two major groups of forest trees. Ecology, v. 70, n. 3, p 536-538, 1989.

ZHU, J.J. et al. A new calculation method to estimate forest gap size. Chinese Journal of Ecology, v. 4, n. 3, p. 276-282, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509813334

Licença Creative Commons