O papel da leitura crítica no ensino de inglês como língua estrangeira

Patrícia Marcuzzo

Resumo


Há aproximadamente duas décadas, o foco das pesquisas sobre leitura em língua estrangeira foi direcionado para o papel do schemata (conhecimento prévio) no processo de leitura (Rumelhart, 1979 e Carrel, 1983). Essas pesquisas deram origem à chamada teoria de esquema, que, por sua vez, serviu de base para o modelo interacional de leitura, visto até hoje como o mais adequado para se trabalhar na escola (Moita Lopes, 1996). Mais recentemente, o foco de atenção de alguns lingüistas aplicados parece ter se voltado para a perspectiva crítica da leitura. Assim, o objetivo do presente artigo é apresentar algumas considerações sobre o processo de leitura, voltado para o ensino de inglês como língua estrangeira, a partir de uma perspectiva crítica. Esse artigo apresenta uma contextualização do papel da leitura no ensino de inglês como língua estrangeira no Brasil, os modelos que inicialmente serviram de base para o interacional até se chegar ao cerne do artigo – a leitura crítica. Por fim, são oferecidas algumas questões práticas para se trabalhar a partir dessa perspectiva. Desse modo, o artigo busca informar a prática pedagógica do ensino de leitura em inglês como língua estrangeira na escola.


Palavras-chave


Leitura crítica; LE; Inglês

Texto completo:

PDF

Referências


AEBERSOLD, J. A. e FIELD, M. L. From reader to reading teacher. New York: Cambridge University Press, 1997.

ALMEIDA FILHO, J. C. P de. Dimensões Comunicativas no ensino de línguas. Campinas: Pontes, 1998.

CARREL, P. L. Some issues in Studying the Role of Schemata or Background Knowledge in Second Language Comprehension. Reading in a Foreign Language, vol. 1, n. 2, 1983, p. 81-93.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. (Tradução coordenada por Isabel. Magalhães). Brasília: Editora da UnB, 2001.

FARNHAM-DIGGORY, S. Advanced Reading and Writing. In: Farnham-Diggory, S. Cognitive Processes in Education. New York: Harper Collins, 1992. p. 343-384.

FREIRE, O. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1988.

HALLIDAY, M.A.K. e HASAN, R. Language, context, and text: Aspects of language in a social-semiotic perspective. Oxford: Oxford University Press, 1989.

HEBERLE, V. M. Critical reading: integrating principles of critical discourse analysis and gender studies. Ilha do Desterro, n. 38, 2000, p. 115-138.

MEURER, J. L. Schemata and reading comprehension. Ilha do Desterro, n. 13, 1985, p. 31-46.

MEURER, J. L. O trabalho de leitura crítica: recompondo representações, relações e identidades sociais. Ilha do Desterro, n. 38, 2000, p. 155-171.

MOITA LOPES, L. P. da Oficina de Lingüística Aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem de línguas. Campinas: Mercado de Letras, 1996.

MOTTA-ROTH, D. O processamento de sentido na leitura de textos em inglês como língua estrangeira. Letras, vol. 1, 1991, p. 92-102.

MOTTA-ROTH, D. (org.) Leitura em língua estrangeira na escola: teoria e prática. Santa Maria: UFSM, PROGRAD, COPERVES, CAL, 1998.

NUTTAL, C. Teaching reading skills in a foreign language. Oxford: Heineman, 1996.

PAIVA, V. L. M de O e. O lugar da leitura na aula de língua estrangeira. Vertentes, n.16, 2000, p 24-29.

RUMELHART, D. E. Toward an Interactive Model of Reading. In: Dornic, S. (org.) Attention and Performance VI. Hillsdale, N.J., Laurence Eribaum Associates, 1977.

STERNBERG, R. Linguagem: Atenção e Consciência. In: Sternberg, R. Psicologia Cognitiva. Porto Alegre: ARTMED, 2000. p. 78-107.

STERNBERG, R. Linguagem: Natureza e Aquisição. In: Sternberg, R. Psicologia Cognitiva. Porto Alegre: ARTMED, 2000. p. 251-277.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1516849228981

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores da revista L&C:

                                                                                          


Órgãos aos quais a revista L&C pertence:

 

                              

 

E-ISSN 2674-6921. Revista Qualis B3, área de Letras e Linguística, Classificações de Periódicos Quadriênio 2017-2020 (CAPES).