O livro didático de língua inglesa: concepções de linguagem e de ensino

Luciane Kirchhof Ticks

Resumo


Neste trabalho, apresentamos os resultados de uma análise preliminar de quatro livros didáticos para o ensino de inglês como língua estrangeira, publicados por editoras internacionais e utilizados com aprendizes iniciantes adultos. O objetivo desse estudo é verificar a visão teórica de linguagem e de ensino que subjaz a esses exemplares. Além disso, observar até que ponto os livros didáticos em questão apresentam a linguagem enquanto gênero textual (Swales, 1990, Bakhtin, 1986). Baseamo-nos também em Kumaravadivelu (1994) para discutir os tipos de tarefas propostas em materiais didáticos. Os resultados preliminares mostram uma tendência, nos materiais, em apresentar diferentes tipos de exercícios ao aluno, que focalizam a forma, as funções da linguagem e, ainda, interações semi-estruturadas no sentido de ajudá-lo a alcançar a proficiência. No entanto, esses exercícios não inter-relacionam a forma, as funções e as interações com seus respectivos contextos de situação e cultura (Halliday, 1989). Além disso, não engajam o aluno na desconstrução e construção de eventos comunicativos que dialeticamente constituem os gêneros. Dessa forma, tentamos contribuir para uma reflexão crítica e teoricamente embasada sobre a relação ensino-aprendizagem mediada pelo material didático.

Palavras-chave


Livro didático; Língua inglesa; Linguagem

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA FILHO, J. C. P. (2002). Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas: Pontes.

BAKHTIN, M. (1992). Estética da criação verbal. São Paulo: Martin Fontes.

BOHN, H. J. (1988). Avaliação de materiais. In BOHN, H. J. & P. Vandressen. Tópicos de Lingüística Aplicada. Florianópolis: Editora da Ufsc.

CORACINI, M. J. R. (Org.). (1999). Interpretação, autoria e legitimação do livro didático. São Paulo: Pontes.

CORACINI, M. J. R. (Org.). (1995). O jogo discursivo na aula de leitura: língua materna e língua estrangeira. São Paulo: Pontes.

ELLIS, R., Y. TANAKA & A. YAMAZAKI (1994). Classroom interaction, comprehension, and the acquisition of L2 word meanings. Language Learning, vol. 44(3), pp.449-491.

FAIRCLOUGH, N. (1992). Critical language awareness. New York: Longman.

HALLIDAY, M.A.K & R. HASAN (1989). Language, context, and text: Aspect of language in a social-semiotic perspective. Oxford: Oxford University Press.

IZUMI, S. & BIGELOW, M. (2000). Does output promote noticing and second language acquisition? TESOL Quarterly, vol. 34(2), pp. 239-278.

KUMARAVADIVELU, B. (2001). Toward a postmethod pedagogy. TESOL Quarterly, vol. 35(4), pp.537-561.

KUMARAVADIVELU, B. (1994) The Postmethod Condition: (E)merging strategies for second/foreign language teaching. TESOL Quarterly, vol.28 (1), pp.27-48.

PHILLIPSON, R. (1992). Linguistic Imperialism. Oxford: Oxford University Press.

PICA, T. , R. YOUNG & C. DOUGHTY (1987). The impact of interaction on Comprehension. TESOL Quarterly, vol. 21(4), pp.737-758.

PEREIRA, A L. (2000). O eurocentrismo nos livros didáticos de língua inglesa. Trabalhos em Linguística Aplicada, vol. 35, p. 7-19.

RICHARDS, J. & T.S. RODGERS. (1986). Approaches and methods in language teaching: a description and analysis. Cambridge: Cambridge University Press.

RUMELHART, D. (1980). Schemata: the building blocks of cognition. In: Spiro, RJ, B.C. Bruce, W.C. Brewer (eds). Theoretical issues in reading comprehension. Hillsdale, N.J: Lawrence Erlbaum, pp.33-58.

SOUZA, d. m. (1995). E o livro não “anda”, professor?. In: M. J. CORACINI 9Org.), o jogo discursivo na aula de leitura: língua materna e língua estrangeira. São Paulo: Pontes.

SWALES, J. M. (1990). Genre Analysis: English in academic and research settings. Cambridge: Cambridge University Press.

WOLFSON, N. (1986). Research Methodology and the question of Validity. TESOL Quarterly, Vol. 20. n.4, pp. 689-699.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1516849229188

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores da revista L&C:

                                                                                          


Órgãos aos quais a revista L&C pertence:

 

                              

 

E-ISSN 2674-6921. Revista Qualis B3, área de Letras e Linguística, Classificações de Periódicos Quadriênio 2017-2020 (CAPES).