O sofrimento da insatisfação dos desejos e a sedução da sociedade de consumo

Renato Nunes Bittencourt

Resumo


Neste artigo abordamos a teoria schopenhaueriana sobre a fonte dos desejos na vida humana e de que maneira ela regula as ações humanas como um dispositivo gerador de sofrimento, pois estimula o indivíduo a satisfazer continuamente seus ímpetos desiderativos. O capitalismo reforçaria essas disposições, ao estimular a satisfação humana mediante o desenvolvimento da afluência da sociedade de consumo.

Palavras-chave


Desejo; Sofrimento; Consumo

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. de Alberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense, 1981.

BERGER, John. Modos de Ver. Trad. de Lúcia Olinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

FROMM, Erich. Ter ou Ser? Trad. de Nathanael C. Caixeiro. Rio de Janeiro: LTC,1987.

LAFARGUE, Paul. O direito à preguiça. Trad. de Otto Lamy de Oliveira. São Paulo: Ed. Claridade, 2003.

LIPOVETSKY, Gilles. A sociedade da decepção. Trad. de Armando Braio Ara. Barueri: Manole, 2007.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação. Trad. de Jair Barboza. São Paulo: Ed. UNESP, 2005.

SLATER, Don. Cultura do consumo e modernidade. Trad. de Dinah de Abreu Azevedo. São Paulo: Nobel, 2002.

WEBER, Max. A Ética Protestante e o “espírito do capitalismo”. Trad. de José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179378633947

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.