PERSPECTIVAS PARA REDUÇÃO DAS DESIGUALDADES SOCIOAMBIENTAIS GERADAS PELA NÃO CONCRETIZAÇÃO DO DIREITO HUMANO DE ACESSO À ÁGUA

Jeferson Dytz Marin, Caroline Ferri Burgel

Resumo


As iniquidades socioambientais, especificamente o acesso precário à água e ao saneamento básico, geram desigualdades sociais e econômicas preocupantes. Pode-se legislar sobre o direito de acesso à água e ao saneamento básico, projetar políticas públicas, porém é preciso que esses projetos sejam eficazes e promovam o acesso equânime aos recursos básicos à dignidade humana. O objetivo desta pesquisa é analisar a falta de acesso à água e ao saneamento como fator gerador de desigualdades socioambientais e demonstrar perspectivas para a redução dessas desigualdades. As metodologias principais são a qualitativa e analítica. Para a compreensão do tema aborda-se bibliografias específicas sobre o contexto socioambiental, utilizando como exemplo países da América Latina, e documentos que demonstram as estimativas da população que não possui acesso e, como consequência, se encontra em situação de pobreza. Depreende-se desse estudo a necessidade de renovar o olhar sobre a utilização dos recursos hídricos, entendendo que é um bem comum e que o seu uso deve ser pautado nos valores constantes do princípio da solidariedade.


Palavras-chave


Água e Saneamento Básico. América Latina. Bens Comuns. Desigualdade Social. Direitos Humanos.

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, Henri. Justiça ambiental e construção social do risco. In: Desenvolvimento e Meio ambiente, [s.l.], v. 5, p.49-59, 19 jun. 2002. Universidade Federal do Paraná. http://dx.doi.org/10.5380/dma.v5i0.22116. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/made/article/view/22116/14480. Acesso em: 02 dez. 2019.

AMBIENTE, Ministério do Meio. Responsabilidade Socioambiental: Agenda 21 Global. 1992. Disponível em: http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/agenda-21/agenda-21-global. Acesso em: 06 ago. 2017.

ASSEMBLEIA GERAL DA ONU (AG). Resolução 64/292. AG Index: A/RES/64/292, 28 de julho de 2010. Disponível em: http://www.un.org/en/ga/search/view_doc.asp?symbol=A/RES/64/292. Acesso em 06 ago. 2017.

AUGUSTIN, Sérgio; SANBERG, Eduardo; GÖCKS, Nara Raquel Alves. Interações entre o direito ambiental brasileiro e as ciências da terra: faturamento hidráulico no Brasil. In: RECH, Adir Ubaldo; MARIN, Jefferson; AUGUSTIN, Sérgio (orgs.). Direito Ambiental e Sociedade. Caxias do Sul: Educs, 2015. p. 278 Disponível em https://www.ucs.br/site/midia/arquivos/E-book-Direito-ambiental-sociedade.pdf. Acesso em: 20 dez. 2017.

BARLOW, Maude; CLARKE, Tony. Ouro azul: como as grandes corporações estão se apoderando da água doce do nosso planeta. São Paulo: M. Books, 2003.

BRASIL. Sistema Nacional de Informações Sobre Saneamento. Ministério do Desenvolvimento Regional. Ministério do Desenvolvimento Regional publica diagnósticos da situação do saneamento no Brasil. 2019. Disponível em: http://www.snis.gov.br/component/content/article?id=175. Acesso em: 02 dez. 2019.

BRZEZINSKI, Maria Lúcia N. L. Água doce no século XXI: serviço público ou mercadoria internacional? São Paulo: Lawbook Editora, 2009, 251 p.

BRZEZINSKI, Maria Lúcia N. L. O Direito à Água no Direito Internacional e no Direito Brasileiro. Niterói: Confluências, v. 14, n. 1, dez. 2012. Disponível em: http://www.confluencias.uff.br/index.php/confluencias/article/viewFile/296/240. Acesso em: 09 ago. 2017.

CALGARO, Cleide. O programa bolsa família e a teoria da justiça em John Rawls: os direitos fundamentais individuais de liberdade e igualdade na sociedade democrática brasileira. 01. ed. Porto Alegre: Editora Fi, 2015. v. 1.

CAPRA, Fritjof. Alfabetização Ecológica: o desafio para a educação do século 21. In: TRIGUEIRO, André (coord). Meio ambiente no século 21: 21 especialistas falam da questão ambiental nas suas áreas de conhecimento. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.

CEPAL, Comissão Econômica Para A América Latina e O Caribe. Proceso Regional de las Américas Foro Mundial del Agua 2018: Informe Regional América Latina y el Caribe Resumen ejecutivo 2018. Santiago, Chile: Banco Interamericano de Desenvolvimento, 2018. Disponível em: https://www.cepal.org/sites/default/files/news/files/informe_regional_america_latina_y_caribe.pdf. Acesso em: 05 dez. 2019.

CUADROS, Gregorio Mesa. Una Idea de Justicia Ambiental: Elementos de conceptualización y fundamentación. Bogotá: Universidade Nacional de Colombia, 2018.

DI LORENZO, Wambert Gomes. Meio ambiente e bem comum: entre um direito e um dever fundamentais. In: RECH, Adir Ubaldo; MARIN, Jeferson Dytz; AUGUSTIN, Sérgio (Org.). Direito ambiental e sociedade. Caxias do Sul, RS: EDUCS, 2015. Disponível em: https://ucsvirtual.ucs.br/startservico/PEA/. Acesso em: 21 jul. 2017.

FENSTERSEIFER, Tiago. Direitos fundamentais e proteção do ambiente: a dimensão ecológica da dignidade humana no marco jurídico constitucional do estado socioambiental de direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

LEGUIZAMÓN, Sonia Alvarez. Concentración de la riqueza, millionarios y reproducción de la pobreza en América Latina. In: Sociologias, Porto Alegre, v. 18, n. 9, p. 38-73, dez. 2007. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/5648. Acesso em: 15 jan. 2017.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE (Brasil). Quase 16 milhões de pessoas ainda defecam ao ar livre na América Latina e no Caribe. 2019. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6063:quase-16-milhoes-de-pessoas-ainda-defecam-ao-ar-livre-na-america-latina-e-no-caribe&Itemid=839. Acesso em: 02 dez. 2019.

PADILHA, Norma Sueli. Fundamentos Constitucionais do Direito Ambiental Brasileiro. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

PEREIRA, Agostinho Oli Koppe; CALGARO, Cleide. A Água: os reflexos da modernidade. In: Revista Diritto e Diritti, [S.I], 2008. Disponível em: https://www.diritto.it/a-agua-os-reflexos-da-modernidade/. Acesso em: 15 jan. 2017.

PETRELLA, Riccardo. O manifesto da água: argumentos para um contrato mundial. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

PIOVESAN, Flávia. Temas de direitos humanos. 2.ed. rev. ampl. e atual. São Paulo: M. Limonad, 2003.

RAWLS, John; KELLY, Erin. Justiça como eqüidade: uma reformulação. São Paulo: M. Fontes, 2003.

SANTOS, Ruth; MENEZES, Renata. A necessidade de realização de políticas públicas para a universalização do direito ao saneamento básico. In: Rev. Bras. Polít. Públicas (Online), Brasília, v. 6, nº 2, 2016. p. 264-279.

SEN, Amartya; KLIKSBERG, Bernardo. As pessoas em primeiro lugar: a ética do desenvolvimento e os problemas do mundo globalizado. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. Tradução de: Bernardo Ajzemberg e Carlos Eduardo Lins da Silva.

SOBRINHO, Liton Lanes Pilau; SANTOS, Juliana Fagundes dos. “A sustentabilidade dos recursos hídricos”. In: CUSTÓDIO, André Vianna; BALDO, Iumar Junior (Org.). Meio ambiente, constituição & políticas públicas. Curitiba: Multideia, 2011.

TUNDISI, José Galizia. Governança da água. rev. UFMG, Belo Horizonte, v. 20, n.2, p. 222-235, jul./dez. 2013.

VENZKE, Cláudio Senna; NASCIMENTO, Luis Felipe Machado do. Caminhos e Desafios para a Inserção da Sustentabilidade Socioambiental na Formação do Administrador Brasileiro. Rev. Adm. Mackenzie, vol. 13, núm. 6, maio/jun. 2013, p. 27-54.

WHO (World Health Organization). Don’t pollute my future! The Impact of the Environment on Children’s Health. 2017. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/254678/1/WHO-FWC-IHE-17.01-eng.pdf. Acesso em 11 jan. 2017.

WHO/UNICEF. Progress on Drinking Water, Sanitation and Hygiene: 2017 Update and SDG Baselines. Geneva: World Health Organization (WHO) and the United Nations Children’s Fund (UNICEF), 2017. Disponível em: http://www.unicef.pt/artigo.php?mid=1810&m=&sid=181016&cid=6345. Acesso em: 04 de ago. 2017.

WOLFFENBÜTTEL, Andréa. O que é? - Índice de Gini. 2004. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&id=2048:catid=28&Itemid=23. Acesso em: 15 jan. 2017.

WWAP (United Nations World Water Assessment Programme). Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2016: Água e emprego. Resumo executivo. Paris, UNESCO. 2016. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0024/002440/244040por.pdf. Acesso em: 04 ago. 2017.

WWAP (United Nations World Water Assessment Programme). Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2016: Água e emprego. Resumo executivo. Paris, UNESCO. 2016. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0024/002440/244040por.pdf. Acesso em: 04 ago. 2017.




DOI: https://doi.org/10.5902/1981369432544

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

REVISTA ELETRÔNICA DO CURSO DE DIREITO DA UFSM - Qualis A1

RECDUFSM  /  ISSN 1981-3694   /  Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/19813694  http://periodicos.ufsm.br/revistadireito

Revista Qualis A1 área de Direito /  Classificações de Periódicos Quadriênio 2013-2016 (CAPES)