Problematizações sobre o ensino de artes visuais e a educação musical

Luís Fernando Lazzarin

Resumo


As problematizações feitas neste texto inserem-se nas discussões contemporâneas sobre a centralidade da cultura e da linguagem na produção dos campos do ensino de Artes Visuais (AV) e da Educação Musical (EM). O interesse deste texto é tratar de certas práticas discursivas que funcionam como regimes de verdade para legitimar o ensino de AV e EM. São elas: o discurso romântico e o discurso científico. Contudo, o ensino de AV e EM é levado a rever sua atuação, por força do sentido de convergência de linguagens que as práticas artísticas contemporâneas propõem. Inicialmente, é feita uma discussão sobre a rede discursiva que produz os campos de conhecimento em questão. Em seguida, o texto aponta algumas possibilidades de convergências no ensino de AV e EM e de resistência à cientificidade dos currículos, tendo como pano de fundo algumas aproximações com a filosofia da diferença.


Palavras-chave


Cultura, Ensino de Artes Visuais, Educação Musical

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANNO, Nicola. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, trad. Alfredo Bosi, 1998.

AULETE, Caldas. Dicionário contem porâneo da Língua Portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Delta, 1980. 5v.

BAUMAN, Zygmunt. Vida líquida. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

BARBOSA, Ana Mae. As mutações no conceito e na prática. In: ______.(Org.) Inquietações e mudanças no ensino da Arte. São Paulo: Cortez, 2002, p. 13-25.

BELLO, Lucimar. Arte e seu ensino: uma questão ou várias questões? In: BARBOSA, Ana Mae (Org.) Inquietações e mudanças no ensino da Arte. São Paulo: Cortez, 2002, p. 13-25.

BELLOCHIO, C. A educação m usical nas séries iniciais do ensino fundamental:olhando e construindo junto às práticas cotidianas do professor. Porto Alegre: UFRGS, 2000.Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade Federal do

Rio Grande do Sul, 2000.

CAMBI, Franco. História da pedagogia. São Paulo: Editora da UNESP, 1999.

COSTA, Marisa Vorraber. Estudos Culturais e educação: um panorama. In: SILVEIRA, Rosa Maria Hessel (Org.). Cultura, poder e educação: um debate sobre os Estudos Culturais em Educação. Canoas: Editora da ULBRA, p. 107-120, 2005.

______. Currículo e pedagogia em tempos de proliferação da diferença. In: XIV ENDIPE. Trajetórias e processos de ensinar e aprender: lugares memórias e culturas, livro 3, 2008, Porto Alegre. Anais. Porto Alegre: Editora da PUCRS, 2008. p. 01-14.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Capitalism o e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 2007.

DEWEY, John. Art as experience. New York: Penguin Books, 1980.

FIGUEIREDO, Sérgio Luiz Ferreira de. The m usic preparation of generalistic teachers in Brasil. Melbourne: Royal Melbourne Institute of technology University, Tese, 2003.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e Método I I . 2. ed. Tradução de Enio Giachini. Petrópolis: Vozes, 2004.

GALLO, Sílvio. Currículo ( entre) im agens e saberes. Palestra proferida no V Congresso Internacional de Educação. São Leopoldo. Pedagogias (entre) lugares e saberes, 2007.

GARCIA CANCLINI, Nestor. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EDUSP, 1998.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções de nosso tempo. In: Educação & Realidade, v.22, n. 2, p. 15-46, jan/jun de 1997.

______. Stuart. Representation: cultural representations and signifying practices. London: Sage, 1997a.

______. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP & A, 2006.

HARVEY, David. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. Tradução de Adail Sobral e Maria Stela Gonçalves. 15 edição, São Paulo: Ed. Loyola, 2003.

HAUSER, Arnold. História social da arte e da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

LOPONTE, Luciana Grupelli. Docência artista: arte, estética de si e subjetividade femininas. Porto Alegre: UFRGS, 2000.Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2005.

LUNARDI, Márcia Lise. Pedagogia da diversidade: um travestismo discursivo na educação de surdos. In: II Seminário Brasileiro de Estudos Culturais. Canoas, p. 01-14, 2006.

MACCHI, Jorge. Disponível em: www.jorgemacchi.com/cast/obra16.htm. Acesso em 14 de

novembro de 2007.

MARTINS, Miriam Celeste; PICOSQUE, Gisa. Travessias para fluxos desejantes do professor-propositor. In: OLIVEIRA, Marilda Oliveira de. Arte, educação e cultura. Santa Maria: Ed. UFSM, 2007, p. 345-356.

RIZZI, Maria Christina de Sousa. Caminhos metodológicos. In: BARBOSA, Ana Mae (Org.) Inquietações e mudanças no ensino da Arte. São Paulo: Cortez, 2002, p. 63- 70.

RORTY, R. A filosofia e o espelho da natureza. Lisboa: Dom Quixote, 1988.

SHUSTERMAN, Richard. Vivendo a arte. São Paulo: editora 34, 1998.

SOMMER, Luís Henrique. A ordem do discurso escolar. In: Revista Brasileira de Educação. Campinas : Editora Autores Associados, v. 12, n. 34, p. 57-67, 2007.

TOURINHO, Irene. Tranformações no ensino da arte: algumas questões para reflexão conjunta. BARBOSA, Ana Mae (Org.) Inquietações e mudanças no ensino da Arte. São Paulo, Cortez, 2002, p. 27-34.




DOI: https://doi.org/10.5902/198373482184

 
 
 
DOI: Digital Object Identifier 10.5902/19837348

Qualis B1

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

Acessos a partir de 17/09/2015

CopySpider - Software Anti-plagio