Regulação por resultados: leitura de pressupostos teóricos educacionais aliada a um documento do Banco Mundial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1984644440558

Palavras-chave:

Formação humana, Pressupostos educacionais, Regulação por resultados

Resumo

O trabalho tem por objetivo refletir sobre pressupostos teóricos educacionais considerados fundamentais para a regulação por resultados. São focalizados pressupostos modernos e contemporâneos, bem como é abordado um documento do Banco Mundial, com objetivo de perceber o tom dos pressupostos assumidos por essa organização que exerce interferência na formação humana. Quanto aos procedimentos metodológicos, a seleção do documento também está vinculada uma pesquisa maior em processo, na qual se problematiza a regulação por resultados. Considera-se que os pressupostos da modernidade mascaram a fragmentação de saberes sob ênfase de especialidade. Já os contemporâneos convidam a outros pensares, como oportunidade de fazer frente e resistir às lógicas de servidão e de (de)formação humana, além de enriquecer as vivências investigativas com outras reflexões. Quanto ao documento, percebe-se o predomínio da linguagem da empresa, cujo tom sinaliza aportes teóricos modernos. Assim, traduzir o conhecimento em resultados quantificáveis é uma preocupação central da agência, de modo a conservar as relações capitalistas de produção.

Biografia do Autor

Roque Strieder, Universidade do Oeste da Santa Catarina (Unoesc)

Professor do programa de Mestrado e Doutorado em Educação da Unoesc. Professor em cursos de graduação e especialização. Atua como pesquisador em projetos de pesquisa da Unoesc, do PIBIC/CNPq e da Fapesc, bem como em projetos com fomento local. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Pensamento complexo. Formação humana. Aprendizagens como experiências em vida. Biociências e biopoder.

Aline Bettiolo dos Santos, Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc)

Doutoranda do Programa de Pós Graduação stricto sensu em Educação da Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc), Linha de Pesquisa Educação, Políticas Públicas e Cidadania. Estudante pesquisadora do grupo GEPPEC (Grupo de Pesquisa Educação, Políticas Públicas e Cidadania), Rede Mapa (Gestão democrática do ensino público: mapeamento das bases normativas e das condições político-institucionais dos sistemas municipais de ensino) e Políticas Públicas de Regulação por Resultados e o Governo Democrático da Educação.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2007.

BEHRING, Elaine Rossetti. Brasil em contra-reforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. São Paulo: Cortez, 2003.

CARNOY, Martin. Estado e teoria política. 6. ed. Campinas, SP: Papirus, 2000.

DALE, Roger. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “Cultura Educacional Mundial Comum” ou localizando uma “Agenda Globalmente Estruturada para a Educação”? Educação e Sociedade., Campinas, v. 25, n. 87, p. 423-460, maio/ago. 2004.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

HARVEY, David. O neoliberalismo: história e implicações. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

GAMBOA, Silvio Sanchez. Pesquisa Qualitativa: superando tecnicismos e falsos dualismos. Contrapontos, Itajaí, v. 3, n. 3, p. 393-405, set./dez. 2003.

LIBÂNEO, José Carlos. As teorias pedagógicas modernas revisitadas pelo debate contemporâneo na educação. 2005. Disponível em: https://www.fclar.unesp.br/Home/Graduacao/Espacodoaluno/PET-ProgramadeEducacaoTutorial/Pedagogia/capitulo-libaneo.pdf. Acesso em: 11 jul. 2019.

MATURANA, Humberto; VARELA, Francisco. A árvore do conhecimento: as bases biológicas do entendimento humano. Campinas, SP: Editorial Psy II, 1995.

MATURANA, Humberto; VARELA, Francisco. De máquinas e seres vivos. Autopoiese: a organização do vivo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005. p. 175-194.

PRIGOGINE, Ilya; STENGERS, Isabelle. A nova aliança. 3. ed. Brasília: Editora UnB, 1997. p. 19-41.

SANTOS, Boaventura de Souza. Um discurso sobre as ciências. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SCHAFF, Adam. História e verdade. São Paulo: Martins Fontes, 1995. p. 65-98.

STEDEROTH, Dirk. Formação ajustada: sobre a capitalização do humano na formação e sua administração total. Espaço Pedagógico, Passo Fundo, v. 24, n. 3, p. 487-507, set./dez. 2017.

WORLD BANK. Education Sector Strategy: World Bank Human Development Network. Washington, DC, 1999. Disponível em: http://documents.worldbank.org/curated/en/406991468178765170/Education-sector-strategy. Acesso em: 11 jul. 2019.

Downloads

Publicado

2021-05-05

Como Citar

Strieder, R., & Santos, A. B. dos. (2021). Regulação por resultados: leitura de pressupostos teóricos educacionais aliada a um documento do Banco Mundial. Educação, 46(1), e41/ 1–23. https://doi.org/10.5902/1984644440558