Miniestaquia de Sapium glandulatum (Vell.) Pax com o uso de ácido indol butírico e ácido naftaleno acético.

Bárbara Guerreira Alpande Ferreira, Katia Christina Zuffellato-Ribas, Ivar Wendling, Henrique Soares Koehler, Antonio Carlos Nogueira

Resumo


Sapium glandulatum (Vell.) Pax. (Euphorbiaceae) é uma árvore nativa de vários biomas brasileiros, com grande interesse para a recuperação de ecossistemas degradados devido a sua rusticidade. Entretanto, sua propagação sexuada apresenta dificuldades devido, principalmente, a pouca produção de sementes, baixa taxa de germinação e grande quantidade de flores masculinas. A miniestaquia constitui uma alternativa para a propagação da espécie, a qual pode fornecer material juvenil favorável ao enraizamento. Esta pesquisa teve como objetivo avaliar o enraizamento e a produção de miniestacas por minicepa provenientes de mudas originadas por via seminal, coletadas nas quatro estações do ano (inverno, primavera, verão de 2006 e outono de 2007), no município de Colombo - PR, Brasil. As miniestacas foram confeccionadas com 3-5 cm de comprimento e um par de folhas na porção apical, com sua área reduzida pela metade. Estas foram submetidas a tratamentos com o uso dos reguladores vegetais ácido indol butírico (IBA) e ácido naftaleno acético (NAA). Os reguladores foram utilizados na forma de solução por 10 segundos nas bases das miniestacas em concentrações de 0, 2000, 4000, 6000, 8000 mgL-1. Foram avaliados o percentual de miniestacas enraizadas, o número e comprimento das raízes formadas, o percentual de miniestacas com calos, a sobrevivência e mortalidade, em um delineamento experimental inteiramente casualizado com arranjo fatorial 2x5x4 (tipos de reguladores vegetais x concentrações dos reguladores vegetais x estações do ano). A produção de miniestacas por minicepa a cada coleta variou de 1,4 a 2,2 em recipientes contendo 205 cm3. A estação do inverno mostrou-se promissora para o enraizamento adventício de miniestacas, apresentando 80,56% sem a aplicação dos reguladores vegetais sendo, portanto, desnecessária a aplicação destes para a indução radicial. Desta forma, a técnica de miniestaquia de propágulos oriundos de mudas produzidas por semente é viável e pode ser recomendada para o enraizamento da espécie.


Palavras-chave


leiteiro; juvenilidade; auxinas; minicepas

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, J. A. S. et al. Efeito do método de aplicação e de concentrações do ácido indol butírico no enraizamento de estacas semilenhosas de Pyrus calleryana. Revista Brasileira de Fruticultura, Cruz das Almas, v. 18, n. 3, p. 371-376, dez.1996.

BEZERRA, J. E. F et al. Enraizamento de estacas herbáceas de acerola com ácido indol-butírico e ácido alfa-naftaleno acético a baixas concentrações em duas épocas. Revista Brasileira de Fruticultura, Cruz das Almas, v.14, n.1, p.1-6, dez. 1992.

BIASI, L. A. Emprego do estiolamento na propagação de plantas. Ciência Rural, Santa Maria, v. 26, n. 2, p. 309-315, jan. 1996.

CUNHA, A. C. M. C. da et al. Influência da presença ou ausência de folhas no enraizamento de miniestacas de corticeira-do-mato (Erythrina falcata Bentham) obtidas em sistema hidropônico. Comunicado técnico, Colombo, n.89, p. 1-5, dez. 2003.

FERRIANI, A. P. Estaquia de vassourão-branco (Piptocarpha angustifolia Dusén) com uso de ácido indol butírico. 2006. 99f. Dissertação (Mestrado em Agronomia- Produção Vegetal). Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

FERREIRA, B. G. A. et al. Enraizamento de Sapium glandulatum (Vell.) Pax. pela aplicação de ácido indol butírico e ácido bórico. Leandra, Rio de Janeiro, n. 16, p. 11-16, 2001.

HARTMANN, H. T.; KESTER, D. E.; DAVIS JÚNIOR, F. T.; GENEVE, R. L. Plant Propagation: principles and practices. 7 ed. New York: Englewood Clipps, 2002. 880 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 1992. v. 1.

MESÉM, F. Enraizamiento de estacas juveniles de espécies forestales: uso de propagadores de sub-irrigación. Turrialba: CATIE, 1997. 34 p.

NACHTIGAL, C. M; HOFFMANN, A.; KLUGE, R. A.; FACHINELLO, J. C.; MAZZINI, A. R. A. Enraizamento de estacas semi-lenhosas de araçazeiro (Psidium cattleyanum Sabine) com o uso do ácido indolbutírico. Revista Brasileira de Fruticultura, Cruz das Almas, v. 16, n. 1, p. 229-235, 1994.

OLIVEIRA, M. C. de; RIBEIRO, J. F.; RIOS, M. N. da; REZENDE, M. E. Enraizamento de estacas para a produção de mudas de espécies nativas de mata de galeria. Recomendação Técnica, Brasília, n. 41, p. 1-4, out. 2001.

PAIVA, H. N.; GOMES, J. M. Propagação vegetativa de espécies florestais. Viçosa, MG: Universidade Federal de Viçosa, 1993. 40 p.

PALAZZO JUNIOR, J. T.; BOTH, M. C. Flora ornamental brasileira: um guia para o paisagismo ecológico. Porto Alegre: Sagra, 1993. 184 p.

PIMENTA, A. C; ZUFFELLATO-RIBAS, K. C.; OLIVEIRA, B. H.; CARPANEZZI, A. A.; KOEHLER, H. S. Interações entre reguladores vegetais, épocas do ano e tipo de substrato no enraizamento de estacas caulinares de Sapium glandulatum (Vell.) Pax. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 50, p.53-67, jan./jun. 2005.

REIS, J. M. R.; CHALFUN, N. N. J.; LIMA, L. C. O.; LIMA, L. C. Efeito do estiolamento e do ácido indol butírico no enraizamento de estacas do porta-enxerto Pyrus calleryana Dcne. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 24, n. 4, p.931-938, out./dez. 2000.

RODRIGUES, R. R.; LEITÃO FILHO, H.F. Matas ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: EDUSP/FAPESP, 2000. 320 p.

SANCHOTENE, M. C. C. Frutíferas nativas úteis à fauna na arborização urbana. Porto Alegre, FEPLAM, 1985. 306 p.

WENDLING, I.; FERRARI, M. P.; DUTRA, L. F. Produção de mudas de corticeira-do-banhado por miniestaquia a partir de propágulos juvenis. Comunicado técnico, Colombo, n.130, p. 1-5, out. 2005.

XAVIER, A; SANTOS, G. A.; WENDLING, I.; OLIVEIRA, M. L. Propagação vegetativa de cedro-rosa por miniestaquia. Revista Árvore. Viçosa, v. 27, n. 2, p. 139-143, mar./abr. 2003a.

XAVIER, A.; SANTOS, G. A.; OLIVEIRA, M. L. Enraizamento de miniestaca caulinar e foliar na propagação vegetativa de cedro-rosa (Cedrela fissilis Vell.). Revista Árvore, Viçosa, v. 27, n.3, p. 351-356, mai. 2003b.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050981758

Licença Creative Commons