SOBREVIVÊNCIA, CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE DE PLANTAS DE ERVA-MATE PRODUZIDAS POR MINIESTACAS JUVENIS E POR SEMENTES

Delmar Santin, Ivar Wendling, Ivar Wendling, Eliziane Luiza Benedetti, Eliziane Luiza Benedetti, Divercindo Morandi, Divercindo Morandi, Danilo Martin Domingos, Danilo Martin Domingos

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509819608

O estabelecimento de ervais com mudas propagadas por semente, sem critérios de seleção de matrizes, pode levar à baixa produtividade e qualidade do produto, sendo o uso de clones selecionados uma alternativa para superação deste problema. Com base nisso, este trabalho objetivou avaliar a sobrevivência, o crescimento e a produtividade da erva-mate em plantio estabelecido com mudas propagadas por miniestaquia e por semente. O experimento foi instalado com quatro tratamentos: testemunha (propagada por semente) e três procedências (Bituruna, Pinhalão e São Mateus do Sul) propagadas por miniestaquia em nível de progênies. Avaliou-se a sobrevivência durante 12 meses, o crescimento por 24 meses e a produtividade aos três e cinco anos pós-plantio. Os métodos de propagação e as procedências não influenciaram a sobrevivência, obtendo-se média de 90% nesta característica, 12 meses após o plantio. O crescimento em altura total e diâmetro do colo foi semelhante entre procedências ao longo de 24 meses, sendo apenas a procedência Bituruna significativamente inferior em altura. A produtividade da segunda colheita foi, em média, sete vezes maior que a primeira para todas as procedências. Na segunda colheita, as plantas propagadas por miniestaquia produziram mais que as propagadas por sementes. A produção de mudas de erva-mate por miniestaquia de propágulos juvenis demonstra ser adequada, pois proporcionou maior produtividade de erva-mate comercial, de folha e massa total. Ervais estabelecidos com mudas propagadas por esta tecnologia produzem mais folhas e galhos finos e menor quantidade de galhos grossos em relação às propagadas por semente.


Palavras-chave


melhoramento florestal; silvicultura clonal; produção de mudas; erva-mate comercial

Texto completo:

PDF

Referências


BELINGHERI, L. D.; PRAT KRICUN, S. D. Evaluacion de los rendimientos de clones y progenies de yerba mate (Ilex paraguariensis St. Hil.). Cerro Azul: INTA, Estación Experimental Agropecuaria Cerro Azul, 1994. 17 p.

CARNEIRO, J. G. A. Produção e controle de qualidade de mudas florestais. Curitiba: UFPR/FUPEF, 1995. 451 p.

CARVALHO, M. et al. Comportamento em condições de campo de cafeeiros (Coffea arábica L.) propagados vegetativamente e por semeadura. Coffe e Science, Lavras, v. 3, n. 2, p. 108-114, jul./dez. 2008.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Colombo: Embrapa Florestas, 2003, 1039 p.

FLOSS, P. A. Programa de melhoramento genético da erva-mate na Epagri. In: CONGRESSO SUL-AMERICANO DA ERVA-MATE, 1., REUNIÃO TÉCNICA DO CONE SUL SOBRE A CULTURA DA ERVA-MATE, 2., 1997, Colombo. Anais... 1997. p. 279-284.

COMISSÃO DE QUÍMICA E FERTILIDADE DO SOLO - CQFS-RS/SC. Manual de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. 10. ed. Porto Alegre, Sociedade Brasileira de Ciência do Solo/Núcleo Regional Sul, 2004. 400 p.

FURTINI NETO, A. E. et al. Acidez do solo, crescimento e nutrição mineral de algumas espécies arbóreas, na fase de muda. Cerne, Lavras, v. 5, n. 2, p. 01-12, 1999.

GONÇALVES, J. L. M.; MELLO, S. L. M. O sistema radicular das árvores. In: GONÇALVES, J. L. M.; BENEDETTI, V. Nutrição e fertilização florestal. Piracicaba: IPEF, 2005. p. 219-267.

KAGEYAMA, P. Y. et al. Diretrizes para a reconstituição da vegetação florestal ripária de uma área piloto da Bacia de Guarapiranga. Relatório apresentado à Coordenadoria de Planejamento Ambiental da Secretaria de Estado do Meio Ambiente: Piracicaba, 1991. 40 p.

LYNCH, L. Root architecture and plant productivity. Plant Physiology, v. 109, p. 7-13, 1995.

LOURENÇO, R. S. et al. Influência da cobertura morta na produtividade da erva-mate. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 43, p. 113-122, jul./dez.2001.

PARTELLI, F. L. et al. Produção e desenvolvimento radicular de plantas de café ‘Conilon’ propagadas por sementes e por estacas. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 41, n. 6, p. 949-954, 2006.

OLIVEIRA, M. C. et al. Enraizamento de estacas para produção de mudas de espécies nativas de mata de galeria. Brasilia, 2001. 4 p. (Recomendação Técnica 41)

PRAT KRICUN, S. D. Propagación vegetativa de plantas adultas de Yerba mate. In: WINGE, H. et al. (org). Erva-mate: biologia e cultura no Cone Sul, Porto Alegre, Ed. UFRGS, 137-150. 1995.

RESENDE, M. D. V. et al. Estratégias para o melhoramento genético da erva-mate. In: CONGRESSO SUL-AMERICANO DA ERVA-MATE, 1.; REUNIÃO TÉCNICA DO CONE SUL SOBRE A CULTURA DA ERVA-MATE, 1997, Curitiba. Anais... Colombo: Embrapa-CNPF, 1997, p. 243-266.

RESENDE, M. D. V. et al. Programa de melhoramento da erva-mate coordenado pela EMBRAPA: resultados da avaliação genética de populações, progênies, indivíduos e clones. Colombo: Embrapa Floresta, 2000. n. 43, (Circular Técnica, 65).

SAIDELLES, F. L. F. et al. Crescimento inicial de mudas de erva-mate (Ilex paraguariensis St. Hil.) em três classes de solos, na região central do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, v. 13, n. 2, p. 17-25, 2003.

SANTIN, D. Produtividade, teor de minerais, cafeína e teobromina em erva-mate adensada e adubada quimicamente. 2008. 114 f. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

SASSE, J.; SANDS, R. Configuration and development of root systems of cuttings and seeding of Eucalyptus globulus. New Forests, v. 14, n. 2, p. 85-105.1997.

WENDLING, I. Propagação vegetativa de erva-mate (Ilex paraguariensis Saint Hilaire): estado da arte e tendências futuras. Colombo: Embrapa Florestas, 2004, 46 p. (Documentos, 91).

WENDLING, I. et al. Produção e sobrevivência de miniestacas e minicepas de erva-mate cultivadas em sistema semi-hidropônico. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 42, n. 2, p. 289-292, 2007.

XAVIER, A.; SILVA, R. L. Evolución de la silvicultura clonal de Eucalyptus en Brasil. Agronomia Costarricense, Costa Rica, v. 34, n. 1, p. 93-98, 2010.

XAVIER, A.; WENDLING, I.; SILVA, R. L .Silvicultura Clonal: princípios e técnicas. 1. ed. Viçosa: UFV, 2009. 272 p. v. 1.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509819608

Licença Creative Commons