Adubação nitrogenada e intervalos de colheita na produtividade e nutrição da erva-mate e em frações de carbono e nitrogênio do solo

Delmar Santin, Eliziane Luiza Benedetti, Nairam Félix de Barros, Igor Carvalho de Almeida, Guilherme Ferreira Simiqueli, Júlio César Lima Neves, Ivar Wendling, Carlos Bruno Reissmann

Resumo


Na erva-mate (Ilex paraguariensis) o principal produto colhido é composto por folhas (FO) e galhos finos (GF), resultando em elevada exportação de nutrientes, dentre eles o N. As informações técnico-científicas disponíveis para subsidiar uma recomendação da adubação nitrogenada racional são insuficientes, o que põe em risco a sustentabilidade da produção, especialmente se as colheitas são mais intensivas. Por isso, objetivou-se avaliar a influência da adubação nitrogenada e do intervalo de colheita no teor de N e carbono orgânico (CO) do solo, na produtividade e no estado nutricional da erva-mate. O experimento foi instalado em São Mateus do Sul – PR, em erval com sete anos e meio de idade, estabelecido em Latossolo Vermelho Distrófico, no qual se avaliaram doses de 0, 20, 40, 80, 160 e 320 kg ha-1 de N, para intervalos de colheita de 12, 18 e 24 meses. Os teores de N e CO do solo, nas formas lábil (NL e COL) e total (NT e COT), foram determinados nas profundidades de 0-10, 10-20 e 20-40 cm. A colheita consistiu na remoção de aproximadamente 95 % da copa que brotou da colheita anterior. A massa verde colhida foi determinada individualmente para os componentes FO, GF e galho grosso (GG), sendo FO+GF correspondente à erva-mate comercial (ECOM). Avaliou-se, também, a relação entre massa verde/seca (MV/MS) e o teor de N na FO, GF e GG. O efeito positivo da adubação nitrogenada no teor de NL e COL do solo foi mais expressivo no menor intervalo de colheita e negativo ou nulo para o intervalo de 24 meses. As doses de N aumentaram o teor de NT nos maiores intervalos de colheita e reduziram para colheita de 12 meses e o COT não foi influenciado pela adubação. Houve aumento da produtividade com as doses de N, e as respostas mais expressivas ocorreram nos maiores intervalos entre colheitas. Intervalo de 12 meses entre colheitas é insuficiente para a planta recuperar-se do impacto causado pela colheita. O intervalo de 18 meses é o mais recomendável, desde que a planta esteja bem nutrida em N. A adubação nitrogenada não influencia o teor de água na erva-mate comercial verde, sendo esta dependente do intervalo de tempo entre colheitas. Teor foliar de N entre 33,0 e 37,0 g kg-1 pode indicar plantas bem nutridas, independentemente do intervalo de colheita.


Palavras-chave


Ilex paraguariensis; Eficiência de utilização do nutriente; Manejo de colheita; Matéria orgânica do solo

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, N. F. et al. Classificação nutricional de sítios florestais - Descrição de uma metodologia. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 10, p. 112-120, 1986.

BERTÉ, K. et al. Yerba mate Ilex paraguariensis A. St.-Hil. Phytothérapie, Paris, v. 9, p. 180-184, 2011.

BLAIR, G. J. et al. Soil carbon fractions, based on their degree of oxidation, and the development of a carbon management index for agricultural systems. Australian Journal of Agricultural Research, Victoria, v. 46, p. 1459-1466, 1995.

BRANDANI, C. B. Decomposição de resíduos de eucalipto e efluxo de C-CO2 em solos em diferentes locais do Brasil. 2010. Dissertação (Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2010.

BREMNER, J. M. Nitrogen total. In: SPARKS, D. L. (ed.). Methods of soil analysis. Madison: American Society of Agronomy, 1996. p. 1085-1121.

BRONDANI, G. E. et al. Distribuição de NPK em um povoamento de Ilex paraguariensis A. St.-Hil. Floresta, Curitiba, v. 38, p. 267-275, 2008.

CAMARGO, F. A. O. et al. Nitrogênio orgânico do solo. In: SANTOS, G. A. et al. Fundamentos da matéria orgânica do solo. 2. ed. Porto Alegre: Metrópole, 2008. p. 87-99.

CAMPOS, M. A. A. Balanço de biomassa e nutrientes em povoamentos de Ilex paraguariensis.: avaliação na safra e na safrinha. 1991. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1991.

CANTARELLA, H.; DUARTE, A. P. Manejo da fertilidade do solo para a cultura do milho. In: GALVÃO, J. C. C.; MIRANDA, G. V. (ed.). Tecnologia de produção de milho. Viçosa, MG: UFV, 2004. p. 139-182.

CANTARELLA, H. et al. Matéria orgânica do solo e disponibilidade de N as plantas. In: SANTOS, G. A. et al. (ed.). Fundamentos da matéria orgânica do solo. 2. ed. Porto Alegre: Metrópole, 2008. p. 581-595.

CARVALHO, P. H. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: EMBRAPA Informação tecnológica; Colombo: EMBRAPA Florestas, 2003. 1039 p.

COMISSÃO DE QUÍMICA E FERTILIDADE DO SOLO. Manual de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 10. ed. Porto Alegre: SBCS; UFRGS, 2004. 400 p.

DA CROCE, D. M. Poda de erva-mate: novos métodos desenvolvidos pela EPAGRI. In: CONGRESSO SUL-AMERICANO DE ERVA MATE, 1.; REUNIÃO TÉCNICA DO CONE SUL SOBRE A CULTURA DA ERVA MATE, 2., 1997, Curitiba. Anais […]. Colombo: EMBRAPA; CNPF, 1997. p. 351-357.

DAVIDSON, E. A.; JANSSENS, I. A. Temperature sensitivity of soil carbon decomposition and feedbacks to climate change. Nature, London, v. 440, p. 165-173, 2006.

EPSTEIN, E.; BLOOM, A. J. Nutrição mineral de plantas: princípios e perspectivas. 2. ed. Londrina: Planta, 2004. 403 p.

FERREIRA, D. F. Sisvar: um programa para análises e ensino de estatística. Revista Científica Symposium, Lavras, v. 6, n. 2, p. 36-41, jul./dez. 2008.

GAMA-RODRIGUES, E. F. et al. Nitrogênio, carbono e atividade da biomassa microbiana do solo em plantações de eucalipto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 29, p. 893-901, 2005.

GAZETA GRUPO DE COMUNICAÇÕES. Anuário Brasileiro da Erva-mate 1999. Santa Cruz do Sul: Pallotti, 1999. 64 p.

INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ. Cartas climáticas básicas do Estado do Paraná. Londrina: IAPAR, 1994. 49 p.

IBGE. Produção agrícola municipal. [2017]. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2017.

KEULEN, H. V. Graphical analysis of annual crop response to fertilizer application. Agricultural Systems, Essex, v. 9, p. 113-126, 1982.

LANZETTI, M. et al. Ready-to-drink matte® tea shows anti-inflammatory and antioxidant propertieson a cigarette smoke exposure model. Food Research International, Ontário, v. 48, p. 798-801, 2012.

LOURENÇO, R. S. et al. Avaliação de níveis de nitrogênio sobre a produção de erva-mate (Ilex paraguariensis St. Hil.) em Fernandes Pinheiro, PR, em Latossolo Vermelho Escuro. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, v. 34, p. 75-98, 1997.

MENDONÇA, E. S.; MATOS, E. S. Matéria orgânica do solo: métodos de análises. Viçosa, MG: [s. n.], 2005. 77 p.

MILANO, M.; DALCIN, E. Arborização de vias públicas. Rio de Janeiro: Light, 2000. 206 p.

PANDOLFO, M. C. et al. Resposta da erva-mate (Ilex paraguariensis St. Hil.) à adubação mineral e orgânica em um Latossolo Vermelho alumino férrico. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 13, p. 37-45, 2003.

PAUSTIAN, K. et al. Management options for reducing CO2 emissions from agricultural soils. Biogeochemistry, Philadelphia, v. 48, p. 147-163, 2000.

PICCOLO, G. A. et al. Organic carbon fractions in a yerba mate plantation on a subtropical Kandihumult of Argentina. Geoderma, Amsterdam, v. 123, p. 333-341, 2004.

PRAT KRICUN, S. D.; BELINGHERI, L. D. Aplicación de nitrógeno em plantaciones de yerba mate con diferentes densidades. In: WINGE, H. et al. (ed). Erva-mate biologia e cultura no cone sul. Porto Alegre: Ed. Universidade UFRGS, 1995. p. 73-79.

PULITO, A. P. Resposta à fertilização nitrogenada e estoque de nitrogênio biodisponível em solos usados para plantações de Eucalyptus. 2009. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais) - Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2009.

REISSMANN, C. B. et al. Avaliação da exportação de macronutrientes pela exportação da erva-mate. In: SEMINÁRIO SOBRE ATUALIDADES E PERSPECTIVAS FLORESTAIS, 1985, Curitiba. Anais […]. Curitiba: EMBRAPA; CNPF, 1985. p. 128-139. Tema: Silvicultura da erva-mate (Ilex paraguariensis St. Hil).

REISSMANN, C. B. et al. Chemical composition of Ilex paraguariensis St. Hil. Under different management conditions in seven localities of Paraná State. Brazilian Archives of Biology and Technology, Curitiba, v. 42, p. 187-194, 1999.

REISSMANN, C. B. et al. Production and foliar N, P, K, Ca and Mg levels in erva-mate (Ilex paraguariensis St. Hil.), related to increasing base saturation levels. Brazilian Archives of Biology and Technology, Curitiba, v. 40, p. 241-249, 1997.

RIBEIRO, M. M. et al. Nutrição da erva-mate com sulfato de amônio. Cerne, Lavras, v. 14, p. 204-211, 2008.

SANTIN, D. et al. Sobrevivência, crescimento e produtividade de plantas de erva-mate produzidas por miniestacas juvenis e por sementes. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 25, n. 3, p. 571-579, 2015.

SATTERTHWAITE, F. E. An approximate distribution of estimates of variance components. Biometrics Bulletin, Washington, v. 2, p. 110-114, 1946.

SHANG, C.; TIESSEN, H. Organic matter lability in a tropical Oxisol: evidence from shifting cultivation, chemical oxidation, particle size, density, and magnetic fractionations. Soil Science Society of America Journal, Baltimore, v. 162, p. 795-807, 1997.

SILVA, I. R.; MENDONÇA, E. S. Matéria orgânica do solo. In: NOVAIS, R. F. et al. (ed). Fertilidade do solo. Viçosa, MG: SBCS, 2007. p. 275-374.

SOUZA, J. L. M. et al. Exportação de nutrientes foliares em diferentes tipos de poda na cultura da erva-mate. Scientia Agraria, Curitiba, v. 9, n. 2, p. 177-185, 2008.

TANEVA, L.; GONZALEZ-MELER, M. A. Decomposition kinetics of soil carbon of different age from a forest exposed to 8 years of elevated atmospheric CO2 concentration. Soil Biology & Biochemistry, Berlin, v. 40, p. 2670-2677, 2008.

VIEIRA, F. C. B. et al. Carbon management index based on physical fractionation of soil organic matter in an Acrisol under long-term no-till cropping systems. Soil & Tillage Research, Valdivia, v. 96, p. 195-204, 2007.

YEOMANS, J. C.; BREMNER, J. M. A rapid and precise method for routine determination of organic carbon in soil. Communications in Soil Science and Plant Analysis, New York, v. 19, p. 1467-1476, 1988.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509810843

Licença Creative Commons