Padrão espacial de quatro formações florestais do estado de São Paulo, através da função K de Ripley

Robson Louiz Capretz, João Luís Ferreira Batista, Jaime Felipe Medina Sotomayor, Camila Rossetti da Cunha, Marcos Felipe Nicoletti, Ricardo Ribeiro Rodrigues

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050986622

Investigar o padrão espacial das árvores, segundo suas classes de tamanho e segundo suas espécies mais abundantes pode fornecer evidências sobre a estrutura da comunidade vegetal, sendo que, o padrão espacial é uma questão-chave para estudos de ecologia florestal. O nível de organização espacial das árvores no ambiente depende de diversos processos ecológicos e características próprias de cada ambiente, de modo que a melhor compreensão deste quadro fornece subsídios importantes para o conhecimento sobre formações florestais. Neste trabalho objetivou-se estudar o padrão espacial das árvores, segundo suas classes de diâmetro e das quatro espécies mais abundantes em diferentes florestas, visando fornecer evidências sobre a ecologia de cada comunidade vegetal. A descrição do padrão espacial em cada formação florestal foi realizada segundo a Função K de Ripley. As formações florestais estudadas foram: Floresta Ombrófila, Cerradão, Floresta Estacional e Restinga. Instalou-se uma parcela de 10,24 ha em cada formação florestal, e todas as árvores com circunferência na altura do peito (CAP) a partir de 15 cm foram medidas, georreferenciadas e identificadas. Os resultados obtidos ressaltam o caráter agregado em florestas tropicais, como foi observado em todas as florestas estudadas. As árvores do Cerradão e da Restinga apresentaram padrões de agregação muito próximos. Para a Floresta Ombrófila, o padrão agregado foi significativo em toda a escala de distâncias estudada. Na Floresta Estacional, foi observada tendência à aleatoriedade, embora, uma agregação significativa tenha sido notada para curtas distâncias. O padrão espacial por classes de diâmetro foi, em linhas gerais, agregado para árvores menores que 10 cm de diâmetro, e entre 10 e 20 cm, e aleatório para as demais, evidenciando uma tendência de que árvores jovens são mais agregadas do que árvores adultas. O padrão espacial das espécies dominantes é sempre muito semelhante ao padrão geral de cada formação florestal. As diferenças entre o padrão espacial das espécies dominantes coincidentes entre as formações florestais indicam que seu padrão é influenciado por cada ambiente. Ressaltando-se assim, a importância da sua autoecologia e dos processos ecológicos intrínsecos a cada comunidade que podem explicar os padrões observados.

Palavras-chave


ecologia florestal; estrutura populacional; análise espacial; floresta tropical

Texto completo:

PDF

Referências


ANJOS, A. Análise do padrão de distribuição espacial da araucária (Araucaria angustifólia) em algumas áreas no Estado do Paraná, utilizando a função K de Ripley. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 66, p. 38-45, 2004.

ANJOS, A. et al. Análise do efeito de um manejo em regime de rendimento sustentável sobre o padrão de distribuição espacial do palmiteiro (Euterpe edulis Martius), utilizando a Função k de Ripley. Árvore, Viçosa, v. 22, n. 2, p. 215-225. 1998.

ARMESTO, J. et al. A comparison of spatial patterns of trees in some tropical and temperate forests. Bio-tropica, Washington, v. 8, n. 1, p. 1-11. 1986.

BAROT, S. et al. Demography of a savanna palm tree: predictions from comprehensive spatial pattern analyses. Ecology, Oxford, v. 80, p. 1987-2005, 1999.

BATISTA, J. Spatial dynamics of trees in a brazilian atlantic tropical forest under natural and man-aged conditions. 1994. 330 f. Thesis (PhD thesis)-University of Washington, Seattle, 1994.

BATISTA, J.; MAGUIRE, D. Modelling the spatial structure of tropical forests. Forest Ecology and Management, Amsterdam v. 110, p. 293-314, 1998.

BUSING, R. Composition, structure and diversity of cove forest stands in the great smoky mountains: a patch dynamics perspective. Journal of Vegetation Science, Knivsta, v. 9, p. 881-890, 1998.

CAPRETZ, R. L. Análise dos padrões espaciais de árvores em quatro formações florestais do Estado de São Paulo, através de análises de segunda ordem, como a Função K de Ripley. 2004. 93 f. Disser-tação (Mestrado em Ecologia)-Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, 2004.

CAPRETZ, R. L. et al. O uso de análises de segunda ordem (função k de Ripley) para a detecção do pa-drão espacial em três áreas submetidas a manejos silviculturais diferentes na região de Paragominas, Pará. In: REUNIÃO DA RBRAS, 48.; SEAGRO, 10., 2003, Belo Horizonte. Anais ... Lavras: Universidade Federal de Lavras, 2003, p.192-196.

COLLINS, S.; KLAHR, S. Tree dispersion in oak-dominated forests along an environmental gradient. Oecologia, Berlim, v. 86, p. 471-477, 1991.

CONDIT, R. et al. Recruitment near conspecific adults and the maintenance of tree and shrub diversity in a neotropical forest. American Naturalist, Chicago, v. 140, p. 261-286, 1992.

CONDIT, R. et al. Spatial patterns in the distribution of tropical tree species. Science, Inglaterra, v. 288, n. 5470, p. 1414-1418, 2000.

CONNELL, J. Diversity in tropical rain forests and coral reefs. Science, Londres, v. 199, p. 1302-1310. 1978.

CONNELL, J. H. On the role of natural enemies in preventing competitive exclusion in some marine an-imals and in rain forest trees. In: DEN BOER, P. J. GRADWELL, G. (ed). Dynamics of populations. PUDOC, 1971. p. 298–312.

COOMES, D. et al. Identifying aggregation and association in fully mapped spatial data. Ecology, Ox-ford, v. 80, p. 554-565, 1999.

DEMELAS, K. M.; PEDRONI, F.; SANCHEZ, M. Estrutura e Dinâmica Populacional de Copaíba (Copai-fera langsdorffii Desf. Fabaceae-Caesalpinioideae) em uma área de Mata de Galeria, Barra do Garças-MT. In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 58., 2007, São Paulo. Anais... São Paulo, 2007.

DIAS, A. Estrutura e diversidade do componente arbóreo e a regeneração do palmito (Euterpe edu-lis) em um trecho de mata secundária, no parque estadual de Carlos Botelho, SP. 1993. 126 f. Disser-tação (Mestrado em Recursos Florestais)-Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, 1993.

DIGGLE, P. Statistical analysis of spatial point patterns. 2. ed. London: Arnold, 2003. 159 p.

DIGGLE, P. Statistical analysis of spatial point patterns. London: Academic Press. 1983. 272 p.

EDMAN, M.; JONSSON, B. Spatial pattern of downed logs and wood-decaying fungi in an old-growth picea abies forest. Journal of Vegetation Science, Knivsta, v. 12, p. 609-620, 2001.

FONSECA, M. G.; MARTINI, A. M; DOS SANTOS, F. A. Spatial structure of Aspidosperma polyneuron in two semideciduous forests in Southeast Brazil. Journal of Vegetation Science, Knivsta, v. 15, p. 41-48, 2004.

FRANCO, G. Florística e fitossociologia de duas unidades do mosaico florestal da Estação Ecológica de Caetetus floresta estacional semidecidual, Gália, SP. 2002. 95 f. Dissertação (Mestrado em Ciên-cias)-Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, 2002.

GETIS, A.; FRANKLIN, J. Second-order neighbourhood analysis of mapped point patterns. Ecology, Oxford, v. 68, p. 473-477, 1987.

GRAU, H. Regeneration patterns of Cedrela lilloi (Meliaceae) in Northwestern Argentina subtropical montane forests. Journal of Tropical Ecology, Cambridge, v. 16, p. 227-242, 2000.

HAASE, P. et al. Spatial pattern in Anthyllis cytisoides shrubland on abandoned land in southeastern Spain. Journal of Vegetation Science, Knivsta, v. 8, p. 627-634, 1997.

HAASE, P. Spatial pattern analysis in ecology based on ripley's k function: introduction and methods of edge correction. Journal of Vegetation Science, Knivsta, v. 6, p. 575-582, 1995.

HARMS, K. et al. Habitat associations of trees and shrubs in a 50 ha neotropical forest plot. Journal of Vegetation Science, Knivsta, v. 11, p. 801-812, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050986622

Licença Creative Commons