Adaptação da Fórmula de Monte Alegre para previsão do perigo de incêndios florestais na região central do estado de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1980509852851

Palavras-chave:

Meteorologia florestal, Índice de perigo, Proteção florestal

Resumo

Considerando que a formulação de índices de perigo de incêndios auxilia no planejamento das atividades de prevenção e combate, refletindo de forma antecipada a probabilidade de ocorrência e de propagação dos incêndios florestais, o presente trabalho teve por objetivo realizar o ajuste e validação da Fórmula de Monte Alegre para áreas de cultivo de eucalipto no Estado de São Paulo. Foram utilizados dados de umidade relativa do ar, precipitação pluviométrica e registros de ocorrência de incêndios florestais no período de 11/10/2003 a 29/04/2016. Para a análise, o conjunto de dados foi dividido em duas partes, sendo que as observações entre os anos de 2003 e 2013 (75%) foram utilizadas para o ajuste da FMA, enquanto os dados referentes aos anos de 2014 a 2016 (25%) foram utilizados para validar a nova classificação gerada conforme o estabelecimento dos novos valores limiares de distinção entre a classes de perigo de incêndios. Os resultados demonstraram que o estabelecimento de novos limiares para as definições das classes de perigo proporcionou melhorias na eficiência da Fórmula de Monte Alegre em prever a ocorrência de incêndios na região de estudo.

Biografia do Autor

João Francisco Labres dos Santos, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR

Engenheira Florestal, Me., Pesquisador Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal, Universidade Federal do Paraná, Jardim Botânico, Av. Prefeito Lothário Meissner, 632, CEP 80210-170, Curitiba (PR), Brasil.

Bruna Kovalsyki, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR

Engenheira Florestal, Dra., Pesquisadora no Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal, Universidade Federal do Paraná, Jardim Botânico, Av. Prefeito Lothário Meissner, 632, CEP 80210-170, Curitiba (PR), Brasil.

Tiago de Souza Ferreira, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR

Engenheiro Florestal, Me., Pesquisador Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal Universidade Federal do Paraná, Jardim Botânico, Av. Prefeito Lothário Meissner, 632, CEP 80210-170, Curitiba (PR), Brasil.

Franciane Pajewski, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR

Engenheira Florestal, Ma., Pesquisador Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal Universidade Federal do Paraná, Jardim Botânico, Av. Prefeito Lothário Meissner, 632, CEP 80210-170, Curitiba (PR), Brasil.

Antonio Carlos Batista, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR

Engenheiro Florestal, Dr., Professor do Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal, Universidade Federal do Paraná, Jardim Botânico, Av. Prefeito Lothário Meissner, 632, CEP 80210-170, Curitiba (PR), Brasil.

Alexandre França Tetto, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR

Engenheiro Florestal, Dr., Professor do Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal, Universidade Federal do Paraná, Jardim Botânico, Av. Prefeito Lothário Meissner, 632, CEP 80210-170, Curitiba (PR), Brasil.

Ronaldo Viana Soares, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR

Engenheiro Florestal, Dr., Professor do Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal, Universidade Federal do Paraná, Jardim Botânico, Av. Prefeito Lothário Meissner, 632, CEP 80210-170, Curitiba (PR), Brasil.

Referências

ALVARES, C. A. et al. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, Berlin, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2013.

BORGES, T. S. et al. Desempenho de alguns índices de risco de incêndios em plantios de eucalipto no norte do Espírito Santo. Floram, Rio de Janeiro, v. 37, n. 92, p. 535-543, 2011.

CASTEDO-DORADO, F. et al. Modelling the probability of lightning-induced forest fire occurrence in the province of León (NW Spain). Forest Syst, [s. l.], v. 20, n. 1, p. 95-107, 2011.

IBGE. Geociências: divisão regional do Brasil em regiões geográficas. Rio de Janeiro, 2017a. Shapefile.

IBGE. Produção da extração vegetal e da silvicultura. Rio de Janeiro, 2017b. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/media/com_mediaibge/arquivos/15f538e9095614fc3204f828b22fa714.pdf. Acesso em: 11 jul. 2019.

KOVALSYKI, B. et al. Avaliação da eficiência da Fórmula De Monte Alegre para o município de Ponta Grossa – PR. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 10, n. 19, p. 208-218, 2014.

LWARCEL CELULOSE. Shapefile: áreas de cultivos florestais (Banco de Dados). [S. l.], 2016.

MACHADO, A. P. M. et al. Avaliação dos focos de calor e da fórmula de Monte Alegre no parque Nacional da Chapada dos Guimarães. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 5, n. 5, p. 355-361, 2017.

MBANZE, A. A. et al. Desempenho dos índices de Nesterov e Fórmula de Monte Alegre no Distrito de Lichinga, Norte de Moçambique. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 27, n. 2, p. 687-696, 2017.

NUNES, J. R. S. FMA+ - um novo índice de perigo de incêndios para o estado do Paraná – Brasil. 2005. Tese (Doutorado em Ciências Florestais) - Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2005.

NUNES, J. R. S. et al. Desempenho da Fórmula de Monte Alegre (FMA) e da Fórmula de Monte Alegre Alterada (FMA+) no distrito florestal de Monte Alegre. Floresta, Curitiba, v. 40, n. 2, p. 319-326, 2010.

NUNES, J. R. S.; SOARES, R. V.; BATISTA, A. C. Ajuste da Fórmula de Monte Alegre Alterada – FMA+ para o estado do Paraná. Floresta, Curitiba, v. 37, n. 1, p. 1-14, 2007.

NUNES, J. R. S.; SOARES, R. V.; BATISTA, A. C. FMA+-Um novo índice de perigo de incêndios florestais para o estado do Paraná, Brasil. Floresta, Curitiba, v. 36, n. 1, p. 75-91, 2006.

RODRÍGUEZ, M. P. R. et al. Ajuste e desempenho dos índices de perigo de incêndios Nesterov, FMA e FMA+ na empresa florestal Macurije, Cuba. Floresta, Curitiba, v. 42, n. 4, p. 651-660, 2012.

SAMPAIO, O. B.; SOARES, R. V. “Skill Score” – Um método para análise da eficiência de índices de incêndios florestais. Floresta, Curitiba, v. 30, n. 1/2, p. 172, 2000.

SOARES, R. V. Índices de perigo de incêndio. Floresta, Curitiba, v. 3, n. 3, p. 19-40, 1972.

SOARES, R. V.; BATISTA, A. C.; TETTO, A. F. Incêndios Florestais: controle, efeitos e uso do fogo. Curitiba: Fupef, 2017. 250 p.

TETTO, A. F. et al. Incêndios florestais atendidos pela Klabin do Paraná no período de 1965 a 2009. Cerne, Lavras, v. 21, n. 3, p. 345-351, 2015.

TORRES, F. T. P. et al. Analysis of efficiency of fire danger indices in forest fire prediction. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 41, n. 2, 2017.

UNAL, I. Defining an optimal cut-point value in ROC analysis: an alternative approach. Computational and Mathematical Methods in Medicine, [s. l.], v. 2017, 3762651, 2017.

VÉLEZ, R. Factores ambientales: los índices meteorológicos de peligro. In: VÉLEZ, R. La defensa contra incendios forestales: fundamentos y experiências. Madrid: McGraw-Hill, 2009.

VIEGAS, D. X. et al. Calibração do sistema canadiano de perigo de incêndio para aplicação em Portugal. Silva Lusitana, [s. l.], v. 12, n. 1, p. 77-93, 2004.

WHITE, B. L. A. et al. Development of a fire danger index for eucalypt plantations in the northern coast of Bahia, Brazil. Floresta, Curitiba, v. 43, n. 4, p. 601-610, 2013.

WHITE, L. A. S.; WHITE, B. L. A.; RIBEIRO, G. T. Evaluation of forest fire danger indexes for eucalypt plantations in Bahia, Brazil. International Journal of Forestry Research, [s. l.], v. 2015, 613736, 2015.

WILKS, D. S. Statistical methods in the atmospheric science. 3rd ed. Oxford: Elsevier, 2011. 676 p.

Downloads

Publicado

17-11-2021

Como Citar

Santos, J. F. L. dos, Kovalsyki, B., Ferreira, T. de S., Pajewski, F., Batista, A. C., Tetto, A. F., & Soares, R. V. (2021). Adaptação da Fórmula de Monte Alegre para previsão do perigo de incêndios florestais na região central do estado de São Paulo. Ciência Florestal, 31(4), 1867–1884. https://doi.org/10.5902/1980509852851

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

> >>