Características tecnológicas das madeiras de Luehea divaricata, Carya illinoinensis e Platanus x acerifolia quando submetidas ao vergamento.

Darci Alberto Gatto, Clovis Roberto Haselein, Elio José Santini, José Newton Cardoso Marchiori, Miguel Antão Durlo, Leandro Calegari, Diego Martins Stangerlin

Resumo


O presente trabalho foi desenvolvido com o objetivo de investigar as características do vergamento da madeira de Platanus x acerifolia (Ait.) Willd. (plátano), Luehea divaricata Mart. et Zucc (açoita-cavalo) e Carya illinoinensis (Wangenh) K. Koch (nogueira-pecã) procedentes de florestas não-manejadas para esse fim, das regiões da Depressão Central e Encosta Superior do Nordeste do estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Foram abatidas cinco árvores adultas representativas de cada espécie, por região de estudo, totalizando trinta árvores. De cada árvore abatida, retirou-se uma tora de 2,50 m de comprimento (partindo da base), que foram transportadas para serraria e desdobradas. De cada tora, retirou-se uma prancha central de 8 cm de espessura, da qual foram confeccionados corpos-de-prova para ensaios de vergamento. Os corpos-de-prova foram condicionados em câmara climatizada até um teor de umidade de aproximadamente 14%. Os corpos-de-prova foram cozidos em água fervente por 35 minutos e vergados em raios de 16 e 21 cm. Para a qualificação dos defeitos de vergamento, foi seguida a metodologia descrita por Vorreiter (1958). Os principais resultados indicam que a madeira de nogueira-pecã verga melhor que as demais espécies, independentemente do raio testado. Aparentemente, a porosidade em anel, característica da espécie, contribuiu para o resultado. Já as madeiras de açoita-cavalo e plátano, com porosidade difusa e com grande proporção de parênquima, apresentaram uma grande quantidade de peças defeituosas.


Palavras-chave


vergamento; tecnologia da madeira; qualidade da madeira.

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. Standard methods of testing small clear specimens of timber: ASTM D 143 – 94. Philadelphia, PA: 1995.

AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. Standard practice for sampling forest trees for determination of clear wood properties: ASTM D5536-94. Philadelphia, PA: 1995.

BIBLIS, E. J. Properties and grade yield of lumber from a 27-year-old slash pine plantation. Forest Products Journal, Madison, v. 40, n. 3, p. 21-24, 1990.

BODIG, J.; JAYNE, B. A. Mechanics of wood and wood composites. New York: Van Nostrand Reinhold, 1982. 712 p.

CLARK, W. Veneering and Wood Bending in the Furniture Industry. London: Pergamon Press , 1965. 120 p.

COPANT, Comision Panamericana de Normas Técnicas. Selección y colección de maderas, COPANT 30:1- 001, 1971.

DAVIS. E. M. Machining and related characteristics of United States hardwoods. Washington: U.S. DEPARTMENT OF AGRICULTURE FOREST SERVICE. 1962. p. 39-42.(Technical Bulletin, 1267).

FORTES, A. B. Aspectos fitogeográficos, demográficos e econômicos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Globo, 1956.

GROSSER, D. Defeitos da madeira. Curitiba: FUPEF, 1980. 63 p. (Serie Técnica, n. 2).

HERRMANN, M. L. de P.; ROSA, R. de O. Relevo. In: IBGE. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: 1990. p. 55-84.

KOLLMANN, F. Technologie des holzes und der holzerkstoffe. Erter Band. Berlin : Springer, 1951. 1050 p.

KOLLMANN, F. F. P.; CÔTE, W. A. Principles of wood science and technology. vol. I. Solid Wood. New York : Springer-Verlag, 1968. 592 p.

McALISTER, H.; POWERS Jr., H. R. Physical and mechanical properties of half-sib families of rust-resistant loblolly and slash pine. Forest Products Journal, Madison, v. 42, n. 11/12, p. 15-20, 1992.

VORREITER, L. Holztechnologischeshandbuch. Band II. Wien: Georg Fromme, 1958. 646 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19805098516

Licença Creative Commons