Produção de serapilheira e retorno de macronutrientes em três grupos florísticos de uma Floresta Ombrófila Mista, RS

Régis Villanova Longhi, Solon Jonas Longhi, Luciane Belmonte Chami, Luciano Farinha Watzlawick, Angelo Augusto Ebling

Resumo


O objetivo do presente estudo foi avaliar a produção de serapilheira e o retorno de macronutrientes em três grupos florísticos, ocorrentes na Floresta Ombrófila Mista, localizada na FLONA de São Francisco de Paula, RS. Para isso, utilizou-se três conglomerados permanentes de 1 ha (100 x 100m) cada, onde a vegetação foi previamente classificada, por análise de agrupamento, em três distintos grupos florísticos: GF1 - Floresta Secundária de Encosta; GF2 - Floresta Ombrófila Mista Típica; e GF3 - Floresta de Locais Úmidos. Para a coleta dos dados foram distribuídos, sistematicamente, 16 coletores de serapilheira de 1m² de área, por grupo florístico. O material, recolhido mensalmente durante um ano, foi separado nas seguintes frações: folhas de folhosas, grimpas, galhos, miscelânea e sementes. Para a análise química dos macronutrientes - nitrogênio (N), fósforo (P), potássio (K), cálcio (Ca), magnésio (Mg) e enxofre (S) - contidos na serapilheira depositada, foram considerados os grupos florísticos, as frações e as estações climáticas. A produção anual de serapilheira foi de 8.354,4 kg.ha-1, 7.927,5 kg.ha-1 e 7.017,8 kg.ha-1 nos grupos GF2, GF1 e GF3, respectivamente. Nos grupos GF1 e GF3, a primavera foi a estação que apresentou a maior deposição, seguida pelo verão, inverno e outono. O GF2 apresentou maior deposição no verão, seguido da primavera, outono e inverno. As frações folhas de folhosas e grimpas constituíram no principal componente, respondendo também pelo maior retorno de macronutrientes. O retorno total estimado de macronutrientes foi de 358,57 kg.ha-1.ano-1, 284,25 kg.ha-1.ano-1 e 256,80 kg.ha-1.ano-1 para os grupos GF2, GF3 e GF1, respectivamente. A ordem da transferência dos macronutrientes presentes na serapilheira depositada foi: N>Ca>K>Mg>S>P, para os grupos GF1 e GF2; e Ca>N>K>Mg>S>P, para o GF3.


Palavras-chave


floresta com araucária; ecologia; nutrição florestal

Texto completo:

PDF

Referências


BACKES, A.; PRATES, F. L.; VIOLA, M. G. Produção de serapilheira em Floresta Ombrófila Mista, em São Francisco de Paula, Rio Grande do Sul, Brasil. Acta Botânica Brasílica, Porto Alegre, v. 19, n. 1, p. 155-160, jan./abr. 2005.

BRITEZ, R. M. Ciclagem de nutrientes minerais em duas florestas da planície litorânea da Ilha do Mel, Paranaguá, PR. 1994. 240 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal)–Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1994.

BRITEZ, R. M. et al. Deposição estacional de serapilheira e macronutrientes em uma floresta de Araucária, São Mateus do Sul, Paraná. Revista do Instituto Florestal, São Paulo, v. 4, n. 3, p. 766-772, 1992.

BRAY, J. R.; GORHAM, E. Litter production in forests of the world. Advances in Ecological Research, London, v. 2, p. 101-157, 1964.

CALDEIRA, M. V. W. et al. Quantificação de serapilheira e de nutrientes – Floresta Ombrófila Mista Montana – Paraná. Rev. Acad., Curitiba, v. 5, n. 2, p. 101-116, 2007.

CALDEIRA, M. V. W. et al. Quantificação de serapilheira e de nutrientes em uma Floresta Ombrófila Densa. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 29, n. 1, p. 53-68, jan./mar. 2008.

CALVI, G. P.; PEREIRA, M. G.; ESPÍNULA JUNIOR, A. Produção de serapilheira e aporte de nutrientes em áreas de floresta atlântica em Santa Maria de Jetibá, ES. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 19, n. 2, p. 131-138, abr./jun. 2009.

CHAMI, L. B. Vegetação e mecanismos de regeneração natural em diferentes ambientes da Floresta Ombrófila Mista na FLONA de São Francisco de Paula, RS. 2008. 121 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal)–Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2008.

CUNHA, G. C. et al. Dinâmica nutricional em floresta estacional decidual com ênfase aos minerais provenientes da deposição da serapilheira. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 3, n. 1, p. 35-64, 1993.

CUSTÓDIO FILHO, A. et al. Produção de serapilheira e o retorno de macronutrientes em floresta pluvial atlântica – Estação Biológica de Boracéia (São Paulo – Brasil). Revista do Instituto Florestal, São Paulo, v. 8, n. 1, p.1-16, jan./jun.1996.

DANTAS, M.; PHILLIPSON, J. Litterfall e litter nutrient content in primary and secondary Amazonian ‘terra firme’ rain forest. Journal of Tropical Ecology, Cambridge, v. 5, n. 1, p. 27/36, Feb. 1989.

DELITTI, W. B. C. Aspectos comparativos da ciclagem de nutrientes minerais na mata ciliar, no campo cerrado e na floresta implantada de Pinus elliottii Engelm var. elliottii (Mogi-Guaçu, SP). 1984. 132 f. Tese (Doutorado em Biociências) Universidade de São Paulo, Instituto de Biociências, São Paulo, 1984.

FACELLI, J. M.; PICKETT, S. T. A. Plant litter: its dynamics and effects on plant community structure. The Botanical Review, New York, v. 57, p. 1-32, 1991.

FIGUEIREDO FILHO, A. et al. Avaliação estacional da deposição de serapilheira em uma Floresta Ombrófica Mista localizada no sul do estado do Paraná. Ciência Florestal, Santa Maria, v.13, n.1, p.11-18, 2003.

FIGUEIREDO FILHO, A. et al. Produção estacional de serapilheira em uma Floresta Ombrófica Mista na Floresta Nacional de Iratí (PR). Ambiência, Guarapuava, v. 1, n. 2, p. 259-269, 2005.

FLOSS, P. A.; CALDATO, S. L.; BOHNER, J. A. M. Produção e decomposição de serapilheira na Floresta Ombrófila Mista da reserva florestal da EPAGRI/EMBRAPA de Caçador, SC. Revista Agropecuária Catarinense, Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 19-22, 1999.

GOLLEY, F. B. Ciclagem de minerais em um ecossistema de Floresta Tropical Úmida. São Paulo: EPU, 1975. 256 p.

GOLLEY, F. B. et al. Ciclagem de minerais em um ecossistema de floresta tropical úmida. São Paulo: Pedagógica e Universitária, 1978. 256 p.

GOMES, J. F. et al. Classificação e crescimento de unidades de vegetação em Floresta Ombrófila Mista, São Francisco de Paula, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 18, n. 1, p. 93-107, 2008.

IBAMA/ICMBio, Temperatura e precipitação pluvial de 2000 a 2008 na Floresta Nacional de São Francisco de Paula, RS. São Francisco de Paula: 2008. 115 p. (Relatório não publicado)

KOEHLER, W. C. Variação estacional de deposição de serapilheira e de nutrientes em povoamentos de Pinus taeda na região de Ponta Grossa – PR. 1989. 138 f. Tese (Doutorado em Ciências Florestais)-Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1989.

LONGHI, S. J. et al. Classificação e caracterização de estágios sucessionais em remanescentes de Floresta Ombrófila Mista na FLONA de São Francisco de Paula, RS, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 16, n. 2, p. 113-125, 2006.

LONGHI, S. J. et al. Fatores ecológicos determinantes na ocorrência de Araucaria angustifolia e Podocarpus lambertii, na Floresta Ombrófila Mista da FLONA de São Francisco de Paula, RS, Brasil. Ciência Rural, Santa Maria, v. 40, n. 1, p. 57-63, 2010.

MOREIRA, F. M. S.; SIQUEIRA, J. O. Microbiologia e bioquímica do solo. Lavras: Ed. UFLA, 2002. 626 p.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961. 42 p.

NARVAES, I. da S.; LONGHI, S. J.; BRENA, D. A. Florística e classificação da regeneração natural em Floresta Ombrófila Mista na Floresta Nacional de São Francisco de Paula, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 18, n. 2, p. 233-245, 2008.

PINTO, S. I. C. et al. Ciclagem de nutrientes em dois trechos de floresta estacional semidecidual na reserva florestal Mato do Paraíso em Viçosa, MG, Brasil. Revista Árvore, Viçosa, v. 33, n. 4, p. 653-663, 2009.

RIBEIRO, S. B. et al. Diversidade e classificação da comunidade arbórea da Floresta Ombrófila Mista da FLONA de São Francisco de Paula, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, n. 2, p. 101-108, 2007.

RIO GRANDE DO SUL. Governo do Estado. Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Inventário florestal contínuo do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: SEMA, 2002. 706 p. (Relatório Final).

SANQUETTA, C. R. et al. Estrutura vertical de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista no Centro-Sul do Paraná. Revista Ciências Exatas e Naturais, Iratí, v. 3, n. 1, p. 59-73, 2001.

SCHUMACHER, M. V. et al. Produção de serapilheira em uma floresta de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze no município de Pinhal Grande-RS. Revista Árvore, Viçosa, v. 28, n. 1, p. 29-37, 2004.

SILVA, F. A. S. E.; AZEVEDO, C. A. V. Versão do programa computacional Assistat para o sistema operacional Windows. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v. 4, n. 1,

p. 71-78, 2002.

SOUSA, S. G. A. Produção e decomposição de serapilheira de uma floresta ombrófila mista aluvial, Rio Barigui, Araucária, PR. 2003. 127 f. Tese (Doutorado em Ciências Florestais)–Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2003.

STRECK, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. 2. ed. Porto Alegre: EMATER/RS–ASCAR, 2008. 222 p.

TEDESCO, M. J. et al. Análise de solo, plantas e outros materiais. Porto Alegre: Departamento de Solos – UFRGS, 1995. 118 p. (Boletim Técnico).

VILLELA, D.; PROCTOR, J. Litterfall Mass, chemistry, and nutrient retranslocation in a monodominant forest on Maracá Island, Roraima, Brazil. Biotropica, Washington, v. 31, n. 2, p. 198-211, 1999.

VITOUSEK, P. M. Litterfall, nutrient cycling, and nutrient limitation in tropical forests. Ecology, Ithaca, v. 65, n. 1, p. 285-298, 1984.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050984514

Licença Creative Commons