Estrutura, composição florística e relações ambientais da regeneração natural em uma floresta estacional semidecidual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1980509848183

Palavras-chave:

Recrutamento vegetal, Variáveis ambientais, Áreas privadas protegidas, Floresta Atlântica

Resumo

O objetivo deste estudo foi descrever a florística e estrutura da regeneração natural do estrato arbustivo-arbóreo em um fragmento florestal no sul do estado do Espírito Santo, bem como verificar a interação da vegetação com algumas variáveis ambientais selecionadas. Foi desenvolvido na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Cafundó, em doze subparcelas de 1 x 20 m, onde foram delimitadas três classes de tamanho - classe 1 (plantas entre 0,1 e 1 m de altura), classe 2 (1,1 e 3 m de altura) e classe 3 (altura maior que 3 m e menor que 5 cm DAP). A RPPN possui uma área de 517 ha, onde 358 ha foram utilizados para alocação das unidades experimentais. Os indivíduos foram classificados quanto ao grupo ecológico e síndrome de dispersão. Foi calculado o índice de diversidade, equabilidade, densidade e frequência das espécies e a similaridade de Sorensen entre o estrato regenerante e adulto. A interação do estrato regenerante com variáveis ambientais foi realizada através da Análise de Correspondência Canônica. Foram amostrados 678 indivíduos, distribuídos em 73 espécies/morfoespécies, sendo Actinostemon klotzschii e Goniorrhachis marginata as mais abundantes. A similaridade entre regeneração e estrato arbóreo foi 29%. O grupo ecológico e a dispersão predominante, respectivamente, foram secundária tardia e zoocoria. A diversidade de Shannon (H’) foi 3,13 e equabilidade de 0,72. As espécies Goniorrhachis marginata, Actinostemon klotzschii e Psychotria carthagenensis tiveram correlação com carbono (C), fósforo (P), declividade e cobertura de dossel. Concluiu-se que a regeneração natural na área estudada possui elevada riqueza e densidade de indivíduos quando comparado a estudos desenvolvidos na mesma fitofisionomia. As variáveis ambientais estudadas parecem ter pouca influência na distribuição das espécies da regeneração natural, uma vez que apenas o carbono, o fósforo, a declividade e a cobertura do dossel explicaram parte da distribuição das espécies no fragmento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrêssa Mota Rios Barreto, Universidade Federal do Espírito Santo, Jerônimo Monteiro, ES

Engenheira Florestal, Me., Programa de Pós-graduação em Ciências Florestais, Centro de Ciências Agrárias e Engenharias, Universidade Federal do Espírito Santo, Av. Carlos Lindemberg, 316, CEP 29550-000, Jerônimo Monteiro (ES), Brasil.

Lhoraynne Pereira Gomes, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG

Bióloga, Ma., Programa de Pós-graduação em Botânica, Universidade Federal de Viçosa, Campus Universitário, 36570-900, Viçosa (MG), Brasil.

Sustanis Horn Kunz, Universidade Federal do Espírito Santo, Jerônimo Monteiro, ES

Bióloga, Dra., Professora do Departamento de Ciências Florestais e da Madeira, Centro de Ciências Agrárias e Engenharias, Universidade Federal do Espírito Santo, Av. Carlos Lindemberg, 316, CEP 29550-000, Jerônimo Monteiro (ES), Brasil.

Henrique Machado Dias, Universidade Federal do Espírito Santo, Jerônimo Monteiro, ES

Biólogo, Dr., Professor do Departamento de Ciências Florestais e da Madeira, Centro de Ciências Agrárias e Engenharias, Universidade Federal do Espírito Santo, Av. Carlos Lindemberg, 316, CEP 29550-000, Jerônimo Monteiro (ES), Brasil.

Karla Maria Pedra de Abreu, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo, Alegre, ES

Bióloga, Dra., Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo, Alegre, ES, Brasil.

Referências

ADAMS, M. A. et al. Legumes are different: Leaf nitrogen, photosynthesis, and water use efficiency. PNAS, Stanford, v. 113, n. 15, 4098-4103, 2016. DOI: https://doi.org/10.1073/pnas.1523936113

AGUIAR, M. D. et al. Similaridade entre adultos e regenerantes do componente arbóreo em floresta com Araucária. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 24, e00083214, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.083214

ALVARES, C. A. et al. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrif, Stuttgart, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.1127/0941-2948/2013/0507

ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 181, n. 1, p. 1-20, 2016. DOI: https://doi.org/10.1111/boj.12385

ARCHANJO, K. M. P. A. et al. Estrutura do componente arbóreo da reserva particular do patrimônio natural Cafundó, Cachoeiro de Itapemirim, Espírito Santo, Brasil. Floresta, Curitiba, v. 42, n. 1, p. 145-160, 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rf.v42i1.26311

AVILA, A. L. et al. Floristic clusters on natural regeneration in Mixed Rain Forest remnant, RS, Brazil. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 39, n. 91, p. 331-342, 2011.

BOUKILI, V. K.; CHAZDON, R. L. Environmental filtering, local site factors and landscape context drive changes in functional trait composition during tropical forest succession. Perspectives in Plant Ecology, Evolution and Systematics, Jena, v. 24, p. 37-47, 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ppees.2016.11.003

CALIMAN, J. P. et al. Seasonal pattern of nutrient cycling in the Atlantic Forest across a topographic gradient. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 48, n. 125, e3200, 2020. DOI: https://doi.org/10.18671/scifor.v48n125.23

CHAZDON, R. L.; GUARIGUATA, M. R. Natural regeneration as a tool for large-scale forest restoration in the tropics: prospects and challenges. Biotropica, Hoboken, v. 48, n. 6, p. 716-730, 2016. DOI: https://doi.org/10.1111/btp.12381

DUPUY, J. M.; CHAZDON, R. L. Interacting effects of canopy gap, understory vegetation and leaf litter on tree seedling recruitment and composition in tropical secondary forests. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 255, n. 11, p. 3716-3725, 2008. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.foreco.2008.03.021

EMBRAPA. Manual de métodos de análise de solos. 2nd ed. Rio de Janeiro: Centro Nacional de Pesquisa de Solos, 2011.

GANDOLFI, S.; LEITÃO FILHO, H. F.; BEZERRA, C. L. Levantamento florístico e caráter sucessional das espécies arbustivo-arbóreas de uma floresta mesófila semidecídua no município de Guarulhos, SP. Revista Brasileira de Biologia, São Carlos, v. 55, n. 4, p. 753-767, 1995.

GARCIA, C. C. et al. Regeneração natural de espécies arbóreas em fragmentos de Floresta Estacional Semidecidual Montana, no domínio da Mata Atlântica, em Viçosa, MG. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, n. 4, p. 677-688, 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050984512

GODINHO, T. O. et al. Fertilidade do solo e nutrientes na serapilheira em fragmento de Floresta Estacional Semidecidual. Ecologia e Nutrição Florestal, [s. l.], v. 1, n. 3, p. 97-109, 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.13086/2316-980x.v01n03a01

GOMES JUNIOR, D. et al. Decomposition of Leaf Litter in Semideciduous Submontane Forest, in The Southern State of Espírito Santo. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 26, nesp 1, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/2179-8087.040018

HIGUCHI, P. et al. Composição florística da regeneração natural de espécies arbóreas ao longo de oito anos em um fragmento de floresta estacional semidecidual, em Viçosa, MG. Revista Arvore, Viçosa, MG, v. 30, n. 6, p. 893-904, 2006.

HIGUCHI, P. et al. Fatores determinantes da regeneração natural em um fragmento de floresta com araucária no planalto catarinense. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 43, n. 106, p. 251-259, 2015.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2012. 275 p.

INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL. Cachoeiro de Itapemirim/ES (Pacotuba). Available at: https://meteorologia.incaper.es.gov.br/graficos-da-serie-historica-cachoeiro_de_itapemirim. Access in: 26 set. 2019.

JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO. Flora do Brasil 2020. Rio de Janeiro, 2020. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/. Acesso em: 25 nov. 2021.

KUNZ, S. H.; MARTINS, S. V. Regeneração natural de floresta estacional Semidecidual em diferentes estágios sucessionais (Zona da Mata, MG, Brasil). Floresta, Curitiba, v. 44, n. 1, p. 111-124, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rf.v44i1.30736

MAGURRAN, A. E. Medindo a diversidade biológica. Curitiba: Ed. UFPR, 2013.

MARCUZZO, S. B.; VIEIRA, M.; SALIN, M. Regeneration under the Canopies of Native Species in a restoration area. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 27, n. 1, e20170521, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/2179-8087.052117

PIROVANI, D. B.; SILVA, A. G.; SANTOS, A. R. Análise da paisagem e mudanças no uso da terro no entorno da RPPN Cafundó, ES. Cerne, Lavras, v. 21, n. 1, p. 27-32, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/01047760201521011182

REZENDE, C. L. et al. From hotspot to hopespot: an opportunity for the Brazilian Atlantic Forest. Perspectives in Ecology and Conservation, [s. l.], v. 16, p. 208-214, 2018. DOI: https://doi.org/10.1016/j.pecon.2018.10.002

RIBEIRO, M. C. et al. The Brazilian Atlantic Forest: how much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, Amsterdam, v. 142, p. 1141-1153, 2009. DOI: https://doi.org/10.1016/j.biocon.2009.02.021.

SANTIAGO, L. S. et al. Tropical tree seedling growth responses to nitrogen, phosphorus and potassium addition. Journal of Ecology, [s. l.], v. 100, n. 2, p. 309-316, 2012. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1365-2745.2011.01904.x

SHEPHERD, G. J. Fitopac v. 2. 1. 2. 85. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2010.

SMITH-RAMÍREZ, C.; ARMESTO, J. J.; FIGUEROA, J. Flowering, fruiting and seed germination in Chilean rain forest myrtaceae: ecological and phylogenetic constraints. Plant Ecology, Dordrecht, v. 136, 119-131, 1998. DOI: https://doi.org/10.1023/A:1009730810655

SOBOLESKI, V. F. et al. Variação de atributos funcionais do componente arbóreo em função de gradientes edáficos em uma floresta nebular no sul do Brasil. Rodriguesia, Rio de Janeiro, v. 68, n. 2, p. 291-300, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-7860201768201

TER BRAAK, C. J. F. The analysis of vegetation-environment relationship by canonical correspondence analysis. Vegetatio, [s. l.], v. 69, p. 69-77, 1987. DOI: https://doi.org/10.1007/BF00038688

VAN DER PIJL, L. Principles of dispersal in higher plants. 3th ed. New York: Springer-Verlag, 1982.

VENTUROLI, F.; FELFILI, J. M.; FAGG, C. W. Avaliação temporal da regeneração natural em uma floresta estacional semidecídua secundária em Pirenópolis, Goiás. Revista Arvore, Viçosa, MG, v. 35, n. 3, p. 473-483, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-67622011000300010

VOLPATO, G. H.; MIRANDA NETO, A.; MARTINS, S. V. Avifauna como bioindicadora para avaliação da restauração florestal: estudo de caso em uma floresta restaurada com 40 anos em Viçosa – MG. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 28, n. 1, p. 336-344, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509831604

Publicado

24-06-2022

Como Citar

Barreto, A. M. R., Gomes, L. P., Kunz, S. H., Dias, H. M., & Abreu, K. M. P. de. (2022). Estrutura, composição florística e relações ambientais da regeneração natural em uma floresta estacional semidecidual. Ciência Florestal, 32(2), 757–775. https://doi.org/10.5902/1980509848183

Edição

Seção

Artigos