Maturação fisiológica e coleta de sementes de Eugenia uniflora L. (Pitanga), Santa Maria, RS.

Angela Luciana de Avila, Marileia da Silva Argenta, Marlove Fátima Brião Muniz, Igor Poleto, Elena Blume

Resumo


Este estudo teve como objetivo acompanhar a maturação fisiológica, seus parâmetros indicadores e identificar o momento adequado para a coleta de sementes de Eugenia uniflora, avaliando também a incidência de fungos em frutos e sementes. A pesquisa foi realizada de agosto a outubro de 2004 em Santa Maria, RS. A coleta dos frutos e sementes ocorreu semanalmente, partindo de três árvores matrizes, com início aos 7 dias após a antese (DAA) e término aos 77 DAA. As variáveis observadas foram: altura, diâmetro, peso verde e sanidade de frutos e sementes e teor de umidade, massa seca e germinação das sementes. Identificou-se que a época adequada para a coleta das sementes, no período e local de estudo, ocorreu entre 56 e 63 DAA, quando os frutos apresentavam coloração vermelha e as sementes elevada germinação. Nesse período, o tamanho e o peso de frutos e sementes atingiram seus valores máximos e o teor de umidade e matéria seca das sementes mostraram tendência à estabilização. Os gêneros fúngicos Cladosporium sp. e Alternaria sp.  apresentaram as maiores taxas de incidência nos frutos e nas sementes e podem influenciar o armazenamento e a germinação das sementes de mudas de Eugenia uniflora.


Palavras-chave


produção de sementes; qualidade fisiológica; qualidade sanitária.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, E. U. et al. Maturação fisiológica de sementes de sabiá. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 27, n. 1, p. 1-8, jan./jun. 2005.

ANDRADE, R. N. B.; FERREIRA, A. G. Germinação e armazenamento de sementes de uvaia (Eugenia pyriformis Camb.) – Myrtaceae. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 22, n. 2, p.118-125, jul./dez. 2000.

AURICCHIO M. T. et al. Atividades antimicrobiana, antioxidante e toxicidade de Eugenia uniflora. Latin American Journal of Pharmacy, Buenos Aires, v. 26, n. 1, p. 76-81, ene-/feb. 2007.

BACKES, P.; IRGANG, B. Árvores do Sul: guia de identificação e interesse ecológico. Santa Cruz do Sul: Instituto Souza Cruz, 2002. 326 p.

BARNETT, H. L.; HUNTER, B. B. Illustrated genera of imperfect fungi. 4th ed. St. Paul: American Phytopathological Society, 1998. 218 p.

BONGIOLO, A. M. Efeito do extrato hidroalcoólico de Eugenia uniflora L. (Myrtaceae) sobre a hiperglicemia e dislipidemia de ratos diabéticos induzidos por aloxana. 2008. 56 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) – Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma.

BRASIL. Ministério da Agricultura e da Reforma Agrária. Regras para análise de sementes. Brasília: SNDA/DNDV/CLAV, 1992. 365 p.

CASTRO, R. D.; BRADFORD, K. J.; HILHORST, H. W. M. Desenvolvimento de sementes e conteúdo de água. In: FERREIRA, A. G.; BORGHETTI, F. Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. p.51-68.

FIGLIOLIA, M. B.; AGUIAR, I. B. Secagem, extração e beneficiamento de sementes. In: AGUIAR, I. B.; PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; FIGLIOLIA, M. B.. (Orgs.). Sementes florestais tropicais. 1. ed. Brasília, 1993. p. 303-331.

FONSECA, F. L. et al. Maturidade fisiológica das sementes do ipê-amarelo, Tabebuia chrysotricha (Mart. Ex DC.) Standl. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 69, p. 163-141, dez. 2005.

HERZOG, N. F. M. Maturação fisiológica e avaliação do potencial fisiológico de sementes de Campomanesia xanthocarpa O. Berg. 2007. 62 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Marechal Cândico Rondon.

IOSSI, E. et al. Maturação fisiológica de sementes de Phoenix roebelenii O’Brien. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 29, n. 1, p. 147-154, jan./jun. 2007.

LEONHARDT, C. et al. Maturação fisiológica de sementes de Tarumã-de-espinho (Citharexylum montevidense (Spreng.)Moldenke – Verbenaceae), no Jardim Botânico de Porto Alegre, RS. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 23, n. 1, p. 100-107, jan./jun. 2001.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 4. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2002. 368 p. v.1.

MARCHIORI, J. N. C.; SOBRAL, M. Dendrologia das angiospermas: Myrtales. Santa Maria: Ed. da UFSM, 1997. 304 p.

MARTINELLI-SENEME, A. et al. Germinação e sanidade de sementes de Bauhinia variegata. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 5, p. 719-724, set./out. 2006.

MASETTO, T. E. et al. Avaliação da qualidade de sementes de Eugenia pleurantha (Myrtaceae) pelo teste de raios X. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 29, n. 3, p. 151-155, set./dez. 2007.

MENDES, A. M. S.; FIGUEIREDO, A. F.; SILVA, J. F. Crescimento e maturação dos frutos e sementes de urucum. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 28, n. 1, p. 133-141, jan./abr. 2006.

MITTAL, R. K.; MATHUR, S. B. Pathology. In: VOZZO, J. A. Tropical tree seed manual. Washington: United States Department of Agriculture/Forest Service. 2003. p. 177-190.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961. 42 p.

NEERGAARD, P. Seed pathology. 2nd.ed. London: Mac Millan Press, 1979. 1191p. v.2.

PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; AGUIAR, I. B. Maturação e dispersão de sementes. In: AGUIAR, I. B.; PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; FIGLIOLIA, M. Sementes florestais tropicais. Brasília: ABRATES, 1993. p. 215-274.

POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. Brasília, 1985. 289 p.

POULSEN, K. M.; PARRATT, M. J.; GOSLING, P. G. Tropical and sub-tropical tree and shrub seed handbook. Zürich, ISTA, 1998. 204 p.

SANTANA, P. J. A. Maturação, secagem e armazenamento de sementes de espécies de Eugenia (Myrtaeae). 2007. 81 f. Dissertação (Mestrado em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente) – Instituto de Botânica da Secretaria do Meio Ambiente, São Paulo.

SANTOS, J. P.; WAMSER, A. F.; DENATDI, F. Qualidade de frutos ensacados em diferentes genótipos de macieira. Ciência Rural, Santa Maria, v. 37, n. 6, p.1614-1620, nov./dez. 2007.

SANTOS, A. F. Fisiologia da maturação, amadurecimento e armazenamento pós-colheita de pitanga (Eugenia uniflora L.). 2001. 90 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Universidade Federal da Paraíba, Terra de Areia.

SANTOS, C. M. R; FERREIRA, A. G.; ÁQUILA, M. E. A. Características de frutos e germinação de sementes de seis espécies de Myrtaceae nativas do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 13-20, jul./dez. 2004.

SCALON, S. de P. Q. et al. Germinação e crescimento de mudas de pitangueira (Eugenia uniflora L.) sob condições de sombreamento. Revista Brasileira de Fruticultura, Cruz das Almas, v. 3, n. 3, p. 31-37, set./dez. 2001.

SILVA, C. V. et al. Fracionamento e germinação de sementes de uvaia (Eugenia pyriformis Cambess. – Myrtaceae). Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 213-221, jul./dez. 2003.

WIELEWICKI, A. P.; LEONHARDT, C.; SCHLINWEIN, G. Proposta de padrões de germinação e teor de água para sementes de algumas espécies florestais presentes na região sul do Brasil. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 28, n. 3, p. 191-197, set./dez. 2006.

YORINORI, J. T. Doenças da soja causadas por fungos. Informe Agropecuário. v. 8, n. 94, 1982. p. 40-46.

ZONTA, E. P.; MACHADO, A. A. Sistema de análise estatística para microcomputadores – SANEST. Pelotas: Instituto de Física e Matemática-UFPel, 1984.




DOI: https://doi.org/10.5902/19805098420

Licença Creative Commons