ARQUITETURA E ESTRUTURA VERTICAL DA COMUNIDADE ARBÓREA DE UMA FLORESTA ESTACIONAL SUBTROPICAL

Malcon do Prado Costa, Solon Jonas Longhi, Alessandro Abreu Fávero

Resumo


Arquitetura de uma árvore é a expressão do equilíbrio entre os processos de crescimento endógeno e as forças externas exercidas pelo ambiente. Objetivou-se delimitar e caracterizar os estratos verticais, observando a regularidade da distribuição de abundância de espécies no gradiente hipsométrico de árvores, em uma comunidade arbórea na Floresta Estacional Subtropical. A amostragem foi realizada usando catorze parcelas (20 m x 100 m), distribuídas sistematicamente, registrando os táxons e a altura total das árvores com circunferência a altura do peito ≥ 30 cm. Os estratos verticais foram delimitados a partir da análise de agrupamento (Bray-Curtis; ligação completa). Foram analisados a abundância de espécies e os modelos arquitetônicos. Realizou-se uma análise de redundância (RDA), da distribuição de abundância das espécies com os modelos arquitetônicos, nos estratos verticais delimitados. Para avaliar a distribuição de abundância nas classes de altura usou-se a análise de correspondência destendenciada (DCA). Constatou-se que a comunidade arbórea está formada por quatro estratos verticais. Ocorreu uma relação entre as espécies dos modelos arquitetônicos com a estrutura vertical da comunidade arbórea, observando, assim, a existência de estratégias de ocupação do dossel entre as espécies de acordo com o modelo arquitetural analisado. Os modelos arquitetônicos com ocupação preferencial por determinados estratos foram os de Aubréville para o sub-bosque e o de Prevost para os estratos emergentes. Outras espécies apresentaram ampla distribuição nos estratos verticais na comunidade arbórea, não possuindo distribuição preferencial na estrutura vertical. Sendo os modelos de arquitetura - Massart, Rauh, Roux, Champagnat e Troll, primordiais para a conformação arquitetural da comunidade arbórea local situada na floresta subtropical.


Palavras-chave


ecologia funcional, ecologia vegetal; fitossociologia; silvologia, traço funcional.

Texto completo:

PDF

Referências


ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. Angiosperm Phylogeny Group III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 181, n. 1, p. 1-20, 2016.

BARTHÉLÉMY, D.; CARAGLIO, Y. Plant architecture: a dynamic, multilevel and comprehensive approach to plant form, structure and ontogeny. Annals of Botany, London, v. 99, n. 3, p. 375-407, 2007.

BORCARD, D.; GILLET, F.; LEGENDRE, F. Numerical ecology with R. New York: Springer, 2011. 306 p.

FINOL, H. Nuevos parâmetros a considerar-se em el análisis estrucutural de las sevas virgenes tropicales. Revista Forestal Venezolana, Merida, v. 14, n. 21, p. 29-42, 1971.

GIEHL, E. L. H. et al. Espectro e distribuição vertical das estratégias de dispersão de diásporo do componente arbóreo em uma floresta estacional no sul do Brasil. Acta Botanica Brasileira, Belo Horizonte, v. 21, n. 1, p. 137-145, 2007.

HALLÉ, F.; OLDEMAN, R. A. A.; TOMLINSON, P. B. Tropical trees and forests: an architectural analysis. Berlin: Springer-Verlag, 1978. 441p.

HELDWEIN, A. B.; BURIOL, G. A.; STRECK, N. A. O clima de Santa Maria, RS. Ciência & Ambiente, Santa Maria, v. 38, p.43-58, 2009.

HOSOKAWA, R. T.; MOURA, J. B.; CUNHA, U. S. Introdução ao manejo e economia florestal. Curitiba: Ed. UFPR, 2008. 164 p.

HUTCHINSON, G.E. Concluding remarks. Cold Spring Harb. Symp. Quant. Biol., 22, 415–427, 1957.

HUECK, K. As Florestas da América do Sul. São Paulo: Polígono, 1972. 466 p.

KLEIN, R. M. Aspectos dinâmicos da vegetação do sul do Brasil. Sellowia, Itajaí, n. 36, p. 5-54, 1984.

KOHYAMA, T. Size-structure tree populations in gap-dynamic Forest-the Forest arquitecture hypotesis for the stable coexistent of species. Journal of Ecology, London, v. 81, n. 1, p. 131-143, 1993.

LAMPRECHT, H. Ensayo sobre la estructura floristica del parte sur-oriental del bosque universitário "El Caimital" Estado Baridas. Revista Forestal Venezolana, Merida, v. 7, n. 10/11, p. 77-119, 1964.

LEGENDRE, P.; GALLAGHER, E. D. Ecologically meaningful transformations for ordination of species data. Oecologia, Heidelberg, v. 129, n. 2, p. 271-280, oct. 2001.

LEITE, P. F.; KLEIN, R. M. Vegetação. In: IBGE. Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. p. 113-150.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Secretaria da Agricultura, 1961. 42p.

OKSANEN, J. et al. VEGAN: Community Ecology Package. R package version 1.17-8. Viena: [s.n.], 2011. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2011.

OLDEMAN, R. A. A. Forests: elements of silvology. Berlin: Springer-Verlag, 1990. 624 p.

RAMBO, S. J. B. A fisionomia do Rio Grande do Sul: Ensino de monografia natural. 2 ed. Porto Alegre: Livraria Selbach, 1956. R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: A language and envioronmental for statistical computing R. Foundation for Statistical Computing, 2012. Disponível em: < https://www.r-project.org/>.Acesso em: 07 dez. 2012.

SCCOTI, M. S. V. et al. Mecanismos de regeneração natural em remanescente de Floresta Estacional Decidual. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, n. 3, p. 459-472, 2011.

SOBRAL, M. et al. Flora Arbórea e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. 2.ed. São Carlos:

RiMa, 2013. 362 p.

STRECK, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. 2. ed. Porto Alegre: EMATER/RS; ASCAR, 2008. 222 p.

THE INTERNATIONAL PLANT NAMES INDEX (IPNI, 2012). Disponível em:. Acesso em: 26 ago. 2012.

TOMLINSON P. B. Branching and axis differentiation in tropical trees. Tropical trees as living systems, 1932, Edited by P. B. Tomlinson and Martin H. Zimmermann, 2010. Cambridge University Press, London – New York – Melbourne. p.187 – 207, 2010.

VEGA, C. L. Observaciones ecologicas sobre los bosques de roble de la Sierra Boyacá, Colombia. Turrialba, Turrialba, v. 16, n. 3, p. 286-296, 1966.

VESTER, H. F. M. The trees and the forest. The role of tree architecture in canopy development; a case study in secondary forests (Araracuara, Colombia). 1997. 180 f. Tesis (Doctoral) - Universiteit van Amsterdam, Amsterdam, 1997.

VESTER, H. F. M.; SALDARRIAGA, J. Algunas características estructurales, arquitectónicas y florísticas de la sucesión secundaria sobre Terrazas Bajas en la región de Araracuara (Colombia). Revista de La Facultad Nacional de Agronomía, Medellín, v. 1, n. 2, p. 15-45, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509835052

Licença Creative Commons