Crescimento inicial do Eucalyptus dunnii Maiden consorciado com Zea mays L., na região de Santa Maria, RS.

Paulo Renato Schneider, César Augusto Guimarães Finger, Juarez Martins Hoppe, Lindolfo Storck, Frederico Dimas Fleig, Marcos Vinicius Schneider, Maria Talita Fleig, Alcides Gatto

Resumo


No presente trabalho foi estudado o crescimento inicial de Eucalyptus dunnii Maiden sob o consórcio de Zea mays L. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos ao acaso com 3 repetições e 7 tratamentos. Os tratamentos forma definidos para o Eucalyptus com e sem adubação, consorciado com milho com adubação, e ambas espécies em monocultura adubado. A análise realizada demonstra que a adubação do Eucalyptus resulta em aumento na altura e diâmetro do coleto aos sete meses do plantio e que esta diferença não persiste aos 14 meses; o crescimento em altura do Eucalyptus não sofre interferência da concorrência do milho, mas o crescimento em diâmetro do coleto é afetado pela concorrência do milho. A produção de grãos de milho não é afetada pelo consórcio com Eucalyptus.


Palavras-chave


Agroforestry, growth, Zea mays, Eucalyptus dunnii

Texto completo:

PDF

Referências


COUTO, L. et al Consorciação de Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden com cultura agrícola anual no Vale do Rio Doce, Minas Gerais. In: CONGRESSO FLORESTAL BRASILEIRO, 6. Campos do Jordão: 1990. Anais... São Paulo, SBS, 1990. p.256-259.

COUTO, L.; BARROS, N.F.; REZENDE, G.C. Interplanting Soubean with Eucalyptus a 2-tier Agroforestry Venture in Southeastern Brazil. Aust. For. Res., Australia, v.12, p.329-332, 1982.

DANTAS MONIZ, C.V. Comportamanto inicial do Eucalipto (Eucalyptus torelliana F. Muell), em plantio consorciado com milho (Zea mays L.), no Vale do Rio Doce, Minas Gerais. Viçosa: UFV, 1987. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) Universidade Federal de Viçosa.

GRAÇA, L.R.; RIBAS, L.C.; BAGGIO, A.J. A rentabilidade econômica da bracatinga no Parana. Boletim de Pesquisa Florestal, Curitiba: Embrapa, v.12, p.47-72, 1986.

GRALA, L.R.; MENDES, J.B. Analise econômica de sistemas de reflorestamento. Boletim de Pesquisa Florestal, Curitiba: Embrapa, v.14, p.54-63, 1987.

KING, K.F.S. Agro-Silviculture (the Taugya System) Ibadan. University of Ibadan, Departamento of Forestry, 1968. 109p. (Bulletim 1).

LEMOS, R.C. et al. Levantamento dos solos do Rio Grande do Sul. Recife; Ministerio da Agricultura - Departamento Nacional de Pesquisa Agropecuaria - Divisão de Pesquisa Pedologica, 1973. 43p. (Boletim Técnico n°301).

MORENO, J.A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura - RS, 1961, 41p.

OJEDA, J.M. Comportamento de Terminalia ivorensis A. Chev. en su fase de estabelecimento, associado com maíz, caupi y frijol, utilizando pseudoestaca y planton en el transplante. Turrialba: URC-CATIE, 1979. 90p. (Tese de Mestrado).

SCHREINER, H.G.; BAGGIO, A.J. Culturas intercalares de milho (Zea mays L.) em reflorestamento de Pinus taeda L. no Sul do Paraná. Curitiba: Embrapa, v.8/9, p.26-49, 1984. (Boletim de Pesquisa Florestal).

SCHREINER, H.G.; BALLONI, E.A. Consorcio das culturas de feijão (Phaseolus vulgares L.) e eucalipto (Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden) no sudeste do Brasil. Curitiba: Embrapa, v.12, p.83-104, 1986. (Boletim de Pesquisa Florestal).

VIEIRA, C. O feijão em cultivos consorciados. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 1985. 134p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19805098319

Licença Creative Commons