Dinâmica espaço-temporal da paisagem e estrutura populacional de Euterpe precatoria Mart. em fragmento florestal no município mato-grossense de Alta Floresta, Brasil

Jakeline Santos Cochev, Ana Aparecida Bandini Rossi, Sandra Mara Alves da Silva Neves, Kelli Évelin Muller Zortéa, Alex de Souza Rodrigues

Resumo


O Euterpe precatoria Mart., é utilizado na indústria de cosmético e alimentícia e vem sendo cada vez mais explorado no ambiente Amazônico. O objetivo deste trabalho é analisar a dinâmica espaço-temporal da paisagem e o efeito da fragmentação na estrutura e no padrão de distribuição espacial da espécie Euterpe precatoria, tendo como modelo um fragmento florestal no município de Alta Floresta-MT. Foram utilizadas imagens orbitais do satélite Landsat-2/MSS de 1975, Landsat-3/MSS de 1979, Landsat-5/TM de 1985, 1990, 1995, 2000, 2005 e 2010 e do Landsat-8/OLI de 2017. A partir dos dados gerados por meio de sensoriamento remoto foi calculado o Índice de Transformação Antrópica – ITA e Regressão Linear. Foram traçadas duas parcelas de 200 m x 25 m, no sentido borda-interior. A estrutura horizontal e vertical da espécie foi caracterizada por meio das análises: número de indivíduos, densidade, área basal, distribuição diamétrica e distribuição espacial. O padrão de distribuição espacial foi estimado pelo índice de Morisita, com um nível de significância de 5%. As primeiras atividades antrópicas no entorno do fragmento de estudo iniciaram-se a partir de 1984 com a abertura da rodovia MT-325. A intensificação do uso da terra contribuiu para a redução da vegetação, cujo período mais crítico ocorreu entre 1990 a 2000. Foram amostrados 102 indivíduos na parcela A e 218 na parcela B. A densidade foi maior na parcela B. As duas parcelas apresentaram maior número de indivíduos distribuídos na primeira classe diamétrica. A população analisada apresentou dois padrões de distribuição espacial, padrão aleatório na parcela A e padrão agregado na parcela B. Euterpe precatoria encontra-se balanceado quanto ao processo de sucessão e recrutamento dos indivíduos, pois os valores da razão ‘q’ mostram que há um grande número de indivíduos nas primeiras classes de altura e DAP.


Palavras-chave


Açaí, Remote sensing, Spatial distribution, Amazon

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, J. C. et al. Estrutura e distribuição espacial de andirobeiras (Carapa spp.) em floresta de várzea do estuário amazônico. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 4, p. 1009-1019, out./dez. 2014.

ALVES JUNIOR, F. T. et al. Estrutura diamétrica de um fragmento de Floresta Atlântica em matriz de cana-de-açúcar, Catende-PE. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 13, n. 3, p. 328-333, 2009.

ANDRADE, R. T. G. et al. Fitossociologia de uma floresta de terra firme na Amazônia Sul-Ocidental, Rondônia, Brasil. Biota Amazônia, Macapá, v. 7, n. 2, p. 36-43, 2017.

ARRUDA, J. C.; SILVA, C. J.; SANDER, N. L. Conhecimento e uso do babaçu (AttaleaSpeciosa Mart.) por quilombolas em Mato Grosso. Fragmentos de Cultura, Goiás, v. 24, n. 2, p. 239-252, 2014.

AZÊVEDO, H. S. F. S. et al. Transferability of heterologous microsatellite loci between species of Euterpe genus. Genetics and Molecular Research, Ribeirão Preto, v. 16, n. 4, p. 1-7, 2017.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável. Programa de Zoneamento-Ecológico-Econômico. Caderno temático: biodiversidade no âmbito do zoneamento ecológico-econômico. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2007. 240 p.

BROWER, J. E.; ZAR, J. H. Field and laboratory methods for general ecology. Iowa: W.C. Brown Company Publishers; Cambridge: Cambridge University Press, 1977. 632 p.

CARVALHO, F. A.; NASCIMENTO, M. T. Estrutura diamétrica da comunidade e das principaispopulações arbóreas de um remanescente de floresta Atlântica Submontana (Silva Jardim-RJ, Brasil). Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 33, n. 2, p. 327-337, 2009.

COCHEV, J. S. et al. Sistemas de produção olerícola comercial do município mato-grossense de Alta Floresta, Brasil. Rae’ ga-o espaço geográfico em análise, Curitiba, v. 32, p. 240-266, 2014.

CRUZ, C. B. M. et al. Carga antrópica da bacia hidrográfica da Baía de Guanabara. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 9., 1998, Santos. Anais [...]. Santos: SBSR, 1998. v. 9, p. 99-109.

DARDENGO, J. D. F. E. et al. Spatial structure of Theobroma subincanum Mart. and Theobroma speciosum Willd. ex Spreng. in the Parque Nacional do Juruena, Mato Grosso state, Brazil. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 41, n. 1, p. 1-10, 2017.

DE LIOCOURT, F. De l’amena gemente dessapinieres. Bulletin Société Franche-Comté et Belfort, [s. 1.], v. 4, p. 396-409, 1898.

ENVIRONMENTAL SYSTEMS RESEARCH INSTITUTE. ArcGis advanced: realease 10.4. Redlands: ESRI, 2016.

FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR, M. C.; NOGUEIRA, P. E. Levantamento da vegetação arbórea na região de Nova Xavantina, MT. Boletim do Herbário Ezechias Paulo Heringer, Brasília, v. 3, p. 63-81, 1998.

FERREIRA, J. C. V. Mato Grosso e seus municípios. Cuiabá: Buriti, 2001. 660 p.

FREITAS, S. R.; HAWBAKER, T. J.; METZGER, J. P. Effects of roads, topography, and land use on forest cover dynamics in the Brazilian Atlantic Forest. Forest Ecology and Management, Amsterdam, n. 259, p. 410-417, 2010.

GOUVEIA, R. G. L.; GALVANIN, E. A. S.; NEVES, S. M. A. S. Aplicação do Índice de Transformação Antrópica na análise multitemporal da bacia do córrego do Bezerro Vermelho em Tangará da Serra-MT. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 37, n. 6, 2013.

HIGUCHI, P. et al. Dinâmica da comunidade arbórea em um fragmento de floresta estacional semidecidualmontana em Lavras, Minas Gerais, em diferentes classes de solos. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 32, n. 3, p. 417-426, 2008.

IBGE. IBGE Cidades. Rio de Janeiro, 2017.

LA PETERNELLI, L. A.; MELLO, M. P. Conhecendo o R: uma visão estatística. Viçosa, MG: UFV, 2007.

LAURANCE W. F. et al. The fate of Amazonian forest fragments: a 32-year investigation. Biological Conservation, Essex, v. 144, n. 1, p. 56-67, 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j. biocon.2010.09.021.

LEMESHEV, M. Socialismo y Naturaleza. Fundamentos científicos de lautilización socialista de lanaturaleza (en ruso). Moscú: Editorial Misl, 1982. v. 223.

LIMA-RIBEIRO, M. S. Efeitos de borda sobre a vegetação e estruturação populacional em fragmentos de Cerradão no Sudoeste Goiano, Brasil. Revista Acta Botânica Brasilica, Brasília, v. 22, n. 2, p. 535-545, 2008.

LORENZI, H. J. Flora brasileira:'Arecaceae' (palmeiras). [S. l.]: Instituto Plantarum, 2010.

MACHADO, E. L. M. et al. Flutuações temporais nos padrões de distribuição diamétrica da comunidade arbóreo-331 arbustivo e de 15 populações em um fragmento florestal. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 34, n. 4, p. 723-732, 2010.

MARTINS, F. R. Estrutura de uma floresta mesófila. Campinas: Unicamp, 1991. 245 p.

MATEO, J. Geoecologia de los paisajes. Mérida: ULA, 1991.

MATO GROSSO. Secretaria de Estado de Planejamento. Regiões de Planejamento de Mato Grosso: 2017. Cuiabá: Secretaria de Estado de Planejamento, 2017. 245 p.

MEIRA, M. R. et al. Caracterização estrutural do BARBATIMÃO (Stryphnodendronadstringens (Mart.) Coville) no cerrado do norte de Minas Gerais. Revista Ciência Florestal, Santa Maria, v. 26, n. 2, p. 627-638, abr./jun. 2016.

MEYER, H. A. Structure, growth and drain in balanced uneven-aged forests. Journal of Forest, [s. 1.], v. 50, p. 85-92, 1952.

NASI, R. Analysis of the spatial structure of a rattan population in a mixed dipterocarp forest of Sabah (Malaysia). Acta Oecologica, Paris, v. 34, n. 1, p. 73-85, 1993.

NOVAES FILHO, J. P. et al. Distribuição de Carbono em Solos sob Floresta Primária na Amazônia Meridional. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 31, n. 1, p. 83-92, 2007.

NUNES, Y. R. F. et al. Variações da fisionomia, diversidade e composição de guildas da comunidade arbórea em um fragmento de floresta semidecidual em Lavras, MG. Acta Botânica Brasílica, Brasília, v. 17, n. 2, p. 213-229, 2003.

ODUM, E. P.; BARRETT, G. W. Fundamentos de Ecologia. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

PIROVANI, D. et al. Uso de geotecnologias para estudo da fragmentação florestal com base em princípios de ecologia da paisagem. In: SANTOS, R. A. et al (org.). Geotecnologias aplicadas aos recursos florestais. Alegre: CAUFES, 2012. p. 24-41.

RICKLEFS, R. E. A Economia da Natureza. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009. 503 p.

RODRIGUES, R. R. Análise de um remanescente de vegetação natural às margens do rio Passa Cinco, Ipeúna, SP. 1991. Tese (Doutorando em Ciências) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1991.

ROSS, J. S. O relevo no processo de produção do espaço. In: MORENO, G.; HIGA, T. C. S. Geografia de Mato Grosso: território, sociedade, ambiente. Cuiabá: Entrelinhas, 2005. p. 218-237.

SCOLFORO, S. R. Manejo Florestal. Lavras: UFLA; FAEPE. 1998. 443 p.

SILVA, B. M. et al. Estrutura e padrões de distribuição espacial de duas espécies de Theobroma em um parque de preservação permanente no norte do estado de Mato Grosso. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 9, n. 17, p. 2789-95, 2013.

STEEGE, H. et al. Hyperdominance in the AmazonianTree Flora. Science, Cambridge, v. 342, p. 325-334, 2013. DOI: 10.1126/science.1243092.

TARIFA, J. R. Mato Grosso: clima - análise e representação cartográfica. Cuiabá: Entrelinhas, 2011. 102 p.

THERY, H. Routes et déboisement en Amazonie brésilienne: rondônia 1974-1996. Mappemonde, Avignon, v. 97, p. 35-40, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509831737

Licença Creative Commons