ESTRUTURA POPULACIONAL E DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE Theobroma speciosum Willd. Ex Spreng NO NORTE DO ESTADO DE MATO GROSSO

Tatiane Lemos Varella, Ana Aparecida Bandini Rossi, Maicon Douglas Arenas de Souza, Greiciele Farias da Silveira, Jakeline Santos Cochev, José Julio de Toledo, Carolina Joana da Silva

Resumo


Entender os padrões de estrutura e distribuição espacial das espécies de árvores é fundamental para prever a variação espacial de processos sucessionais, genéticos e ecológicos de um ecossistema florestal. Neste estudo foram analisadas a estrutura populacional e a distribuição espacial de Theobroma speciosum (cacauí) em três fragmentos florestais urbanos (Parques C/E com 6,72 ha amostrados, J com 3,92 ha e Zoobotânico com 15,84 ha) em Alta Floresta e no Parque Nacional do Juruena - PNJu (com 3,2 ha amostrados) no norte do estado de Mato Grosso. Foram amostrados 323 indivíduos de Theobroma speciosum, sendo 50 no fragmento do Parque C/E (7,44 ind. ha-1), 32 no Parque J (8,16 ind.ha-1), 76 no Parque Zoobotânico (4,79 ind. ha-1 ) e 165 no PNJu (51,56 ind. ha-1). A menor densidade de indivíduos encontrada nos parques urbanos pode estar relacionada com o processo de fragmentação, visto que não houve uma relação positiva da densidade e do número de indivíduos com a área amostral. Além disso, a maior densidade foi encontrada no PNJu, que é uma unidade de conservação de floresta contínua e com nenhuma intervenção antrópica recente. Os fragmentos florestais urbanos (com exceção do Parque Zoobotânico) apresentaram uma menor quantidade de indivíduos nas classes inferiores de diâmetro (0-5 cm) e altura (0-5 m) com relação à estrutura encontrada no PNJu. Essa diferença provavelmente deve-se à menor área dos Parques C/E e J e consequentemente a um efeito de borda mais intenso que afetou a regeneração florestal. O padrão de distribuição dos indivíduos em todas as populações foi agregado. Esses resultados indicam que a espécie é susceptível à fragmentação provavelmente devido ao isolamento, pois apresenta autoincompatibilidade e uma dispersão zoocórica limitada.


Palavras-chave


cacauí; Amazônia; ecologia florestal.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUILAR, R. Plant reproductive susceptibility to habitat fragmentation: review and synthesis through a meta-analysis. Ecology Letters, Oxford, v. 9, n. 8, p. 968-980, 2006.

ALMEIDA, F. S.; CORTINES, E. Estrutura populacional e distribuição espacial de Piptadenia gonoacantha (Mart.) J. F. Mac br. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 15, n. 2, p. 18-23, 2008.

ANDREAZZI, C. S.; PIRES, A. S.; FERNANDEZ, A. S. Mamíferos e palmeiras neotropicais: interações em paisagens fragmentadas. Oecologia Brasiliensis, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p. 554-574, 2009.

ARENAS, M. D. et al. Cobertura vegetal de Alta Floresta, Amazônia meridional matogrossense. Revista Espacios, Caracas, v. 36, n. 20, p. 15-26, 2015.

BERNASOL, W. P.; LIMA-RIBEIRO, M. S. Estrutura espacial e diamétrica de espécies arbóreas e seus condicionantes em um fragmento de cerrado sentido restrito no sudoeste goiano. Hoehnea, São Paulo, v. 37, n. 2, p. 181-198, 2010.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável. Programa de Zoneamento-Ecológico-Econômico. Caderno temático: biodiversidade no âmbito do zoneamentoecológico-econômico. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2007. 240 p.

BROWER, J. E.; ZAR, J. H. Field and laboratory methods for general ecology. 2. ed. Dubique: Win. C. Brown, 1977. 226 p.

BRUNA, E. M. Are plant populations in fragmented habitats recruitment limited? Tests with an Amazonian herb. Ecology, Tempe, v. 84, n. 4, p. 932-947, 2003.

BRUZINGA, J. S. et al. Distribuição espacial de indivíduos adultos de pequi. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 41, n. 98, p. 249-256, 2013.

CAMPBELL, D. G. et al. Quantitative ecological inventory of terra firme and várzea tropical forest on the Rio Xingu, Brazilian Amazon. Brittonia, New York, v. 38, n. 4. p. 369-393, 1986.

CARVALHO, A. L.; FERREIRA, E. J. L.; LIMA, J. M. T. Comparações florísticas e estruturais entre comunidades de palmeiras em fragmentos de floresta primária e secundária da Área de Proteção Ambiental Raimundo Irineu Serra – Rio Branco, Acre, Brasil. Acta Amazônica, Rio Branco, v. 40, n. 4, p. 657-666, 2010.

CARVALHO, D. A. et al. Distribuição de espécies arbóreo-arbustivas ao longo de um gradiente de solos e topografia em um trecho de floresta ripária do Rio São Francisco em Três Marias, MG, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 28, n. 2, p. 329-345, 2005.

CARVALHO, F. A.; NASCIMENTO, M. T. Estrutura diamétrica da comunidade e das principais populações arbóreas de um remanescente de floresta atlântica sub montana (Silva Jardim-RJ, Bradil). Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 33, n. 2, p. 327-337, 2009.

CAVALCANTE, P. B. Frutas comestíveis da Amazônia. Belém: CEJUP; CNPq; Museu Paraense Emílio Goeldi, 1991. (Coleção Adolfo Ducke).

CRAWLEY, M. J. Plant ecology. Oxford: Blackwell, 1986.

DARDENGO, J. F. E. Diversidade genética, distribuição espacial e anatomia foliar de Theobroma L. em população natural no norte do estado de Mato Grosso. 2014. 88 f. Dissertação (Mestrado em Biodiversidade e Agroecossistemas Amazônicos) – Universidade do Estado de Mato Grosso, Alta Floresta, 2014.

DUCKE, A. As espécies brasileiras do gênero Theobroma L. Boletim Técnico Instituto Agronômico, Campinas, v. 28, p. 1-20, 1953.

ESTOPA, R. A. et al. Diversidade genética em populações naturais de candeia (Eremanthus erythropappus (DC.) Macleish). Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 70, p. 97-106, 2006.

FELFILI, J. M. Distribuição de diâmetros de quatro áreas de cerrado sensu stricto na Chapada do Espigão Mestre do São Francisco. In: FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR, M. C. S. (Org.). Biogeografia do bioma cerrado: estudo fitofisionômico da Chapada do Espigão Mestre do São Francisco. Brasília: UnB, 2001.

FERRÃO, J. E. M. Fruticultura tropical: espécies com frutos comestíveis. Lisboa: Instituto de Investigação Científica Tropical, 2001. v. 3. 652p.

GILABERT-ESCRIVÁ, M. V. et al. Fatty acid and triacyl glycerol composition and thermal behavior of fats from seeds of Brazilian Amazonian Theobroma species. Journal of Science of Food and Agriculture, New Jersey, v. 82, n. 13, p. 1425-1431, 2002.

KREBS, C. J. Ecological methodology. New York: University of British Columbia, 1989. 653 p.

LANA, M. D. et al. Distribuição diamétrica de Escheweilera ovata em um fragmento de floresta ombrófila densa - Igarassu, PE. Revista Floresta, Curitiba, v. 43, n. 1, p. 59-68, 2013.

LAURANCE, W. F. et al. Pervasive alteration of tree communities in undisturbed Amazonian forests. Nature, London, v. 428, p. 171-175, 2004.

LAURANCE, W. F.; VASCONCELOS, H. Consequências ecológicas da fragmentação florestal na Amazônia. Oecologia Brasiliensis, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 434-451, 2009.

MACHADO, E. L. M. et al. Flutuações temporais nos padrões de distribuição diamétrica da comunidade arbóreo-arbustivo e de 15 populações em um fragmento florestal. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 34, n. 4, p. 723-732, 2010.

MIRANDA, I. P. A. et al. Levantamento quantitativo de espécies oleaginosas para produção de biodiesel na Reserva Extrativista do Capanã Grande – Município de Manicoré-AM. Relatório final do Projeto realizado na RESEX Capanã Grande no Município de Manicoré-AM. Manicoré: CTAgro; MCT; CNPq, 2004. 48 p.

MULLER-LANDAU, H. C. et al. Comparing tropical forest tree size distributions with the predictions of metabolic ecology and equilibrium models. Ecology Letters, Oxford, v. 9, n. 5, p. 589-602, 2006.

NASCIMENTO, H. E. M. et al. Effects of the surrounding matrix on tree recruitment in Amazonian Forest Fragments. Conservation Biology, Amsterdam, v. 20, n. 3, p. 853-860, 2006.

NASCIMENTO, H.; LAURANCE, W. F. Biomass dynamics in Amazonian Forest fragments. Ecological Applications, Tempe, v. 14, p. S127–S138, 2004.

NEPSTAD D. C. et al. Mortality of large trees and lianas following experimental drought in an amazon forest. Ecology, Brooklyn, v. 88, n. 9, p. 2259-2269, 2007.

OLIVEIRA, L. C. et al. Impactos da exploração seletiva de madeira em áreas em processo de fragmentação florestal na Amazônia Ocidental. Cerne, Lavras, v. 9, n. 2, p. 213-220, 2003.

PAGLIA, A. P.; FERNANDEZ, F. A. S.; MARCO, P. Efeitos da fragmentação de habitats: quantas espécies, quantas populações, quantos indivíduos, e serão eles suficientes? In: ROCHA, C. F. D. et al. (Org.). Biologia da conservação. São Carlos: RIMA, 2006. p. 281-316.

PARKER, K. C. et al. Population structure and spatial pattern of two coastal populations of Ocala sand pine (Pinusclausa). Journal of the Torrey Botanical Society, Lawrence, v. 124, n. 1, p. 22-33, 1997.

PARQUE NACIONAL DO JURUENA. [website]. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: a language and environment for statistical computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing, 2005.

RABELLO, A.; RAMOS, F. N.; HASUI, E. Efeito do tamanho do fragmento na dispersão de sementes de copaíba (Copaifera langsdorffii Delf.). Biota Neotropica, Campinas, v. 10, n. 1, p. 47-54, 2010.

RIBEIRO, J. F.; FONSECA, C. E. L.; SILVA, J. C. S. Cerrado: caracterização e recuperação de matas de galeria. Planaltina: Embrapa Cerrados, 2001.

SADDI, N. A primeira contribuição sobre a flora de Humboldt (Aripuanã, Mato Grosso). In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 26., 1975, Rio de Janeiro. Trabalhos... Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências, 1977.

SILVA, B. M. et al. Estrutura e padrões de distribuição espacial de duas espécies de Theobroma em um parque de preservação permanente no norte do estado de Mato Grosso. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 9, n. 17, p. 2789, 2013.

SILVA JÚNIOR, M. C. Fitossociologia e estrutura diamétrica da mata de galeria do Taquara, na reserva ecológica do IBGE, DF. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 28, n. 3, p. 419-428, 2004.

SOUZA, C. S. C. et al. Caracterização estrutural da espécie Theobroma subincanum Mart (Cupuí) na reserva extrativista do Rio Cajari, Amapá-Brasil. In: SIMPÓSIO LATINO-AMERICANO SOBRE MANEJO FLORESTAL, 5., 2011, Santa Maria. Anais... Santa Maria: UFSM, 2011. p. 799-806.

SOUZA, J. P.; COIMBRA, F. G. Estrutura populacional e Distribuição espacial de Qualea parviflora Mart. em um Cerrado sensu stricto. Biosciência, Taubaté, v. 21, n. 2, p. 65-70, 2005.

TARIFA, J. R. Mato Grosso: clima – análise e representação cartográfica. Cuiabá: Entrelinhas, 2011. 102 p.

TOLEDO, J. J. et al. Tree mode of death in Central Amazonia: effects of soil and topography on tree mortality associated with storm disturbances. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 263, p. 253-261, 2012.

VASCONCELOS, H. L. et al. Long-term effects of forest fragmentation on Amazonian ant communities. Journal of Biogeography, Oxford, v. 33, n. 8, p. 1348-1356, 2006.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509831589

Licença Creative Commons