Manejo de florestas naturais degradadas na Amazônia: estudo de caso sobre critérios de colheita

Marco Antonio Siviero, Ademir Roberto Ruschel, Jorge Alberto Gazel Yared, José Francisco Pereira, Osmar José Romeiro de Aguiar, Sílvio Brienza Junior, Paulo Cezar Gomes Pereira, Sabrina Benmuyal Vieira, Karina Piekarski Siviero Contini, Agust Sales

Resumo


Este trabalho trata de uma experiência inovadora em relação a critérios para colheita de árvores em floresta natural degradada na Amazônia. A pesquisa foi desenvolvida em 535,6 ha de floresta na Fazenda Shet, em Dom Eliseu - PA, usando a base de dados do censo florestal referente a árvores com DAP ≥ 25 cm. Os critérios para colheita das árvores consideraram, prioritariamente, os seguintes elementos: grau de sanidade, qualidade do fuste (2 e 3), diâmetro máximo a permanecer na floresta (DAP < 100 cm), árvores de menor diâmetro (25 ≥ DAP ≤ 55 cm), espécies com maior densidade de árvores por unidade de área, distribuição diamétrica, segundo o coeficiente de Liocourt, manutenção das espécies intensamente exploradas no passado e com população de árvores ≤ 0,15 arv.ha-1. Foram inventariadas 46.012 árvores, pertencentes a 106 espécies, e planejadas para colheita 23,19% (10.671 árvores), aos 12 anos após a exploração anterior. Baseando-se no planejamento da colheita e seguindo os critérios, a previsão de colheita em relação à população total inventariada teve como resultado: 2,16% árvores pelo critério de sanidade; 15,45% pela forma de fuste; 0,26% pelo diâmetro máximo; 93,93% pelo menor diâmetro; 57,50% pela densidade arbórea; e 5,04% pela manutenção das espécies. A colheita foi realizada em 98,79% das árvores com sanidade comprometida; 22,20% com fuste 2 e 3; 97,39% com diâmetro máximo; 95,02% com menor diâmetro; e 90,30% com maior densidade arbórea. Foram mantidas 98,14% das espécies Astronium lecointei, Cordia goeldiana, Copaifera sp., Hymenaea courbaril, Hymenolobium petraeum, Handroanthus serratifolius e Manilkara elata, intensivamente exploradas no passado, e 98,70% de outras 53 espécies com menor abundância (≤ 0,15 arv.ha-1). O planejamento da exploração seguindo os critérios de colheita propostos possibilitou a extração de árvores em ciclos de 10 a 12 anos, sendo um tempo menor que o previsto pela legislação. A manutenção da diversidade de espécies arbóreas e a conservação da floresta em pé, previstas com esses critérios técnicos, podem ser alternativas para o manejo florestal ecológica e economicamente viável. 


Palavras-chave


Colheita florestal; Diâmetro de colheita; Colheita por distribuição de diâmetros; Manejo florestal

Texto completo:

PDF

Referências


BRAGA, A. J. T.; GRIFFITH, J. J.; PAIVA, H. N. de; MEIRA NETO, J. A. A. Composição do banco de sementes de uma floresta semidecidual secundária considerando o seu potencial de uso para recuperação ambiental. Revista Árvore. v. 32, n. 6, p. 1089-1098, dez. 2008.

BRASIL. Conselho Nacional de Meio Ambiente. CONAMA. Resolução nº 406, 2 de fevereiro de 2009. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 06 fev. 2009. Seção 1. p. 100.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. MMA. Instrução Normativa nº 5, de 11 de dezembro de 2006. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 5 mar. 2006.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. MMA. Instrução Normativa nº 1, de 13 de fevereiro 2015. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 13 fev. 2015. n. 31, Seção 1, p. 67.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. MMA. Lei Nº 12.651, de 28 de maio de 2012. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 28 mai. 2012. p. 1.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. MMA. Lei Nº 4.771, de 15 de setembro de 1965. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 15 set. 1965. p. 9529.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. MMA. Lei Nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 12 fev. 1998. p. 1.

FERREIRA, J. N. et al. Degradação florestal na Amazônia: como ultrapassar os limites conceituais, científicos e técnicos para mudar esse cenário. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental, 2015. 29 p.

FIGUEIREDO FILHO, A.; DIAS, A. N.; STEPKA, T. F.; SAWCZUK, A. R. Crescimento, mortalidade, ingresso e distribuição diamétrica em floresta ombrófila mista floresta. Curitiba, PR, v. 40, n. 4, p. 763-776, out./dez. 2010.

FONTES, C. G. Revelando as causas e a distribuição temporal da mortalidade arbórea em uma floresta de terra-firme na Amazônia Central. 2012. 63f. Dissertação (Mestrado em Ciências de Floresta Tropicais) – Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, 2012.

FONTES, C. G.; CHAMBERSB, J. Q.; HIGUCHI, N. Revealing the causes and temporal distribution of tree mortality in Central Amazonia, Forest Ecology and Management, v. 424, p. 177-183, May 2018.

GARZÓN, G.; PAOLA L. Conocimiento tradicional sobre las plantas medicinales de yarumo (Cecropia sciadophylla), carambolo (Averrhoa carambola) y uña de gato (Uncaria tomentosa) en el resguardo indígena de Macedonia, Amazonas. Luna Azul, v. 43, p. 386-414, jul. 2016.

IWAKIRI, S.; ZELLER, F.; PINTO, J. A.; RAMIREZ, M. G. L.; SOUZA, M. M.; SEIXAS, R. Avaliação do potencial de utilização da madeira de Schizolobium amazonicum “Paricá” e Cecropia hololeuca “Embaúba” para produção de painéis aglomerados. Acta Amazonica, v. 40, n. 2, p. 303-308, nov. 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA ESTATÍSTICA. IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira: Sistema fitogeográfico, inventário das formações florestais e campestres, técnicas e manejo de coleções botânicas, procedimentos para mapeamentos. Rio de Janeiro, 2012. 92 p.

INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, SOCIAL E AMBIENTAL DO PARÁ. IDESP. Estatística municipal de Dom Eliseu. Dom Eliseu, Pará, 2014. 47 p.

INSTITUTO DO HOMEM E MEIO AMBIENTE DA AMAZÔNIA. IMAZON. Fatos Florestais da Amazônia. Belém, Pará, 2005. 140 p.

INSTITUTO DO HOMEM E MEIO AMBIENTE DA AMAZÔNIA. IMAZON. Fatos Florestais da Amazônia. Belém, Pará, 2010. 124 p.

LIMA, J. P. C.; LEÃO, J. R. A. Dinâmica de Crescimento e Distribuição Diamétrica de Fragmentos de Florestas Nativa e Plantada na Amazônia Sul Ocidental. Floresta e Ambiente, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 70-79, jan./mar. 2013.

LIOCOURT, F. De. L’aménagement des sapinières. Paris: Société Forestière de Franche-Comté et Belfort, 1898.

FEITOSA, T. R. Caracterização, diversidade e similaridade florística de uma floresta intensivamente explorada no município de Dom Eliseu, sudeste do Estado do Pará. 2015. 41 f. Monografia (Trabalho de conclusão do curso de Engenharia Florestal) – Universidade Federal Rural da Amazônia, Belém, 2015.

MEYER, H. A. Structure, growth, and drain in balanced uneven-aged forests. Journal of Forestry, Bethesda, n. 52, v. 2, p. 85-92, 1952.

PARÁ (Estado). Secretaria de Estado e Meio Ambiente. SEMA. Gerência de Sistemas de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais. Autorização para Exploração Florestal nº 2077/2012 (AUTEF). Belém, 2013. Disponível em: http://monitoramento.sema.pa.gov.br/simlam/index.htm. Acesso em: 15 dezembro de 2016.

PARÁ (Estado). Secretaria de Estado e Meio Ambiente. SEMA. Gerência de Sistemas de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais. Autorização para Exploração Florestal nº 2377/2013 (AUTEF). Belém, 2014. Disponível em: http://monitoramento.sema.pa.gov.br/simlam/index.htm. Acesso em: 15 dezembro de 2016.

PEREIRA, P. C. G. Potencial silvicultural das espécies do gênero Cecropia na Amazônia. 2015. 45 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Universidade Federal Rural da Amazônia, Belém, 2015.

POGGIANI, F. Florestas para fins energéticos e ciclagem de nutrientes. Série Técnica IPEF. 1 (2):D1–D11. 1980.

SABOGAL, C. et al. Diretrizes técnicas de manejo para produção madeireira mecanizada em florestas de terra firme na Amazônia brasileira. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 2009. 217p.

SALES, A. et al. Estimation of the commercial height of trees with laser meter: a viable alternative for forest management in the Brazilian Amazon. Ecology and Evolution. p. 1-6, 2018.

SCHWARTZ, G.; PEREIRA, P. C. G.; SIVIERO, M. A.; PEREIRA, J. F.; RUSCHEL, A. R.; YARED, J. A. G. Enrichment planting in logging gaps with Schizolobium parahyba var. amazonicum (Huber ex Ducke) Barneby: A financially profitable alternative for degraded tropical forests in the Amazon. Forest Ecology and Management. 390:166–172, 2017.

SIVIERO, M. A. et al. Nossa indústria madeireira rumo à sustentabilidade. Referência Florestal, Curitiba, p. 72-73, dez. 2009. Artigo técnico.

SIVIERO, M. A.; LOURENÇO, R. F.; PACHECO, A. Quebrando paradigmas. Referência Florestal, Curitiba, p. 45-47, fev. 2007. Informe técnico.

SIVIERO, M. A. et al. É possível inovar no manejo de florestas naturais? Referência Florestal, Curitiba, p. 94-96, jul. 2011. Artigo técnico.

SOUZA, D. R.; SOUZA, A. L. Emprego do método BDq de seleção após a exploração florestal em floresta ombrófila densa de terra firme, Amazônia Oriental. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 4, p. 617-625, jul./ago. 2005.

VATRAZ, S. et al. Efeitos de tratamentos silviculturais sobre o crescimento de Laetia procera (Poepp.) Eichler em Paragominas, PA, Brasil. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 40, n. 93, p. 095-102, mar. 2012.

VATRAZ, S. et al. Efeito da exploração de impacto reduzido na dinâmica do crescimento de uma floresta natural. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 44, n. 109, p. 261-271, mar. 2016.

VIEIRA, D. S. et al. Comparação estrutural entre floresta manejada e não manejada na comunidade Santo Antônio, Estado do Pará. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 24, n. 4, p. 1067-1074, out./dez. 2014.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509825856

Licença Creative Commons