INTERFERÊNCIA DE DOSES DE COBRE NO CRESCIMENTO E NA QUALIDADE DE MUDAS DE Bauhinia forficata Link, Pterogyne nitens Tul E Enterolobium contortisiliquum Vell.

Rodrigo Ferreira da Silva, Clovis Orlando da Ros, Alex Dellai, Andre Luís Grolli, Douglas Leandro Shaid, Patricia Viel

Resumo


O cobre é um elemento essencial às plantas, mas quando presente em altas concentrações no solo pode se tornar tóxico ao metabolismo vegetal. Uma das estratégias para reabilitação de áreas contaminadas por metais é a fitorremediação, que consiste na introdução de espécies vegetais no solo contaminado. O trabalho objetivou avaliar a interferência de doses crescentes de cobre aplicadas ao solo no crescimento e na qualidade de mudas de Bauhinia forficata Link, Pterogyne nitens Tul e Enterolobium contortisiliquum Vell. O experimento foi conduzido em casa de vegetação, no delineamento inteiramente casualizado, com oito repetições, em arranjo fatorial (3 x 6), sendo três espécies florestais e seis doses de cobre no solo (0, 60, 120, 180, 240 e 300 mg kg-1). Foram avaliados os parâmetros: altura, diâmetro de colo, massa seca aérea, massa seca radicular, área superficial específica e índice de qualidade de Dickson. Os resultados evidenciaram que as mudas de timbaúva são mais tolerantes do que as de pata-de-vaca e carne-de-vaca e apresentam melhor qualidade de mudas em doses mais elevadas de cobre. As doses de cobre reduzem com maior intensidade a altura de plantas, massa seca da parte aérea e raízes, área superficial específica e o índice de qualidade de Dickson das mudas de Bauhinia forficata Link e Pterogyne nitens Tul em relação à Enterolobium contortisiliquum Vell. As mudas de timbaúva toleram maiores doses de cobre no solo em relação à pata-de-vaca e à carne-de-vaca.


Palavras-chave


metais; fitorremediação; espécies arbóreas.

Texto completo:

PDF

Referências


ACCIOLY, A. M. A.; SIQUEIRA, J. O. Contaminação química e biorremediação do solo. In: NOVAES, R. F.; ALVAREZ, V. H. V.; SCHAEFER, C. E. G. R. Tópicos em Ciência do Solo. Viçosa: SBCS, 2000. p. 299-352.

ANDREAZZA, R. et al. Bacterial stimulation of copper phytoaccumulation by bioaugmentation with rhizosphere bacteria. Chemosphere, Oxford, v. 81, p. 1149-1154, 2010.

BAKER, A. J. M. et al. The possibility of in situ heavy metal decontamination of polluted soils using crops of metal accumulating plants. Resources, Conservation and Recycling, Amsterdam, v. 11, p. 41-49, 1994.

BELLION, M. et al. Extracellular and celullar mechanisms sustaining metal tolerance in ectomycorrizal fungi. FEMS Microbiology Letters, Oxford, v. 254, p. 173-181, 2006.

BOMFIM, A. A. et al. Avaliação morfológica de mudas de Madeira-Nova (Pterogyne nitens tull.) produzidas em tubetes e sacos plásticos e de seu desempenho no campo. Floresta, Curitiba, v. 39, p. 33-40, 2009.

BRANZINI, A.; GONZÁLEZ, R. S.; ZUBILLAGA, M. Absorption and translocation of copper, zinc and chromium by Sesbania virgata. Journal of Environmental Management, v. 102, p. 50–54, jul. 2012.

CAIRES S. M. et al. Desenvolvimento de mudas de cedro-rosa em solo contaminado com cobre: tolerância e potencial para fins de fitoestabilização do solo. Revista Árvore, Viçosa, v. 35, n. 6, p. 1181-1188, 2011.

CHAIGNON, V.; HINSINGER, P. A. Biotest for evaluating for bioavailability to plants in a contaminated soil. Journal of environment quality. Madison, v. 32, p. 824 -833, mai./jun. 2003.

CARNEIRO, J. G. A. Produção e controle de qualidade de mudas florestais. Curitiba: UFPR/FUPEF, 1995. 451 p.

COLZI, I. et al. Copper tolerance strategies involving the root cell wall pectins in Silene paradoxa L. Environmental and Experimental Botany, v. 78, p. 91–98, maio 2012.

CRUZ, C. A. F. et al. Efeito de diferentes níveis de saturação por bases no desenvolvimento e qualidade de mudas de ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa (Mart.) Standley). Scientia Forestalis, v. 66, p. 100-107, 2004.

DICKSON, A.; LEAF, A. L.; HOSNER, J. F. Quality appraisal of white spruce and white pine seedling stock in nurseries. The Forestry Chronicle, Mattawa, v. 36, n. 1, p. 10-13, mar. 1960.

EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. Rio de Janeiro: Embrapa-SPI, 2006. 412 p.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011.

FONSECA, E. P. et al. Padrão de qualidade de mudas de Trema micrantha (L.) Blume, produzidas sob diferentes períodos de sombreamento. Revista Árvore, Viçosa, v. 26, n. 4, p. 515-523, jul./ago. 2002.

GONÇALVES, J. L. M.; BENEDETTI, V. Nutrição e Fertilização Florestal. Piracicaba: [s. n.], 2005. 427 p.

KABATA-PENDIAS, A.; PENDIAS, H. Trace elements in soils and plants. 3. ed. Boca Raton: CRC Press, 2001. 315 p.

KOPITTKE, P. M.; MENZIES, N. W. Effect of Cu toxicity on growth of cowpea (Vigna unguiculata). Plant and Soil, Dordrecht, v. 279, n. 1/2, p. 287-296, 2006.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 5. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2008. v. 2.

MARSCHNER, P. Marschner's Mineral Nutrition of Higher Plants. Amsterdam: Elsevier/Academic Press, 2011. 684 p.

MILLALEO, M. et al. Manganese as essential and toxic element for plants: transport, accumulation and resistance mechanisms. Journal of Soil Science and Plant Nutrition, Temuco, v. 10, n. 4, p. 470-481, 2010.

NASCIMENTO, C. W. A.; ACCIOLY, A. M. A; BIONDI, C. M. Fitoextração de metais pesados em solos contaminados: avanços e perspectivas. Tópicos em Ciência do Solo, Viçosa: SBCS, 2009. v. 6, p. 461-495.

PILON-SMITS, E. Phytoremediation. Annual Revisions in Plant Biology, Palo Alto, v. 56, p. 15-39, 2005.

SANTOS, H. P. et al. Comportamento fisiológico de plantas de aveia (Avena strigosa) em solos com excesso de cobre. Bento Gonçalves: EMBRAPA Uva e vinho, 2004. 10 p. (Comunicado Técnico, n. 49).

SILVA, R. F. et al. Comportamento de Peltophorum dubium (Sprengel) Taubert, Parapiptadenia rigida (Bentham) Brenan e Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong Cultivadas em Solo Contaminado com Cobre. Revista Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, p. 105-112, 2011a.

SILVA, R. F. et al. Crescimento e qualidade de mudas de Timbó e Dedaleiro cultivadas em solo contaminado por cobre. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 16, p. 881-886, 2012.

SILVA F. R. et al. Influência da contaminação do solo por cobre no crescimento e qualidade de mudas de Açoita-Cavalo (Luehea divaricata Mart. & Zucc.) E Aroeira-Vermelha (Schinus therebinthifolius Raddi). Revista Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, n. 1, p. 111-118, jan./mar. 2011b.

SILVA, R. F. et al. Tolerância de mudas de canafístula (Peltophorum dubium (SPRENG.) TAUB.) inoculada com Pisolithus microcarpus a solo com excesso de cobre. Revista Ciência Florestal, Santa Maria, v. 20, 2010.

TAIZ, L; ZEIGER, E. Fisiologia Vegetal. 5. ed. São Paulo: Artmed, 2012. 954 p.

TENNANT, D. A. Test of a modified line intersect method of estimating root length. Journal of Ecology, Oxford, v. 63, n. 3, p. 995-1001, nov. 1975.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509822764

Licença Creative Commons