Aspectos da vegetação arbórea em fragmento de Estepe Estacional Savanícola, Barra do Quaraí-RS, Brasil

Luciano Farinha Watzlawick, Solon Jonas Longhi, Paulo Renato Schneider, César Augusto Guimarães Finger

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509813320

O presente estudo teve por objetivo avaliar a composição florística, a estrutura horizontal e vertical, bem como os padrões de distribuição espacial do componente arbóreo e agrupamento de espécies em uma amostra de Estepe Estacional Savanícola localizada no Parque do Espinilho, Barra do Quaraí - RS. Para o levantamento florístico e análise fitossociológica foi instalada, em uma área de ocorrência de Aspidosperma quebracho-blanco, uma unidade permanente de 4 ha (200 x 200 m), onde todos os indivíduos com circunferência (C) ≥ 15,7 cm a 30 cm do nível do solo foram amostrados e medidas a circunferência e altura total. Foram encontrados 145 indivíduos/ha, distribuídos em 11 espécies, 10 gêneros e 8 famílias, com área basal de 4,06 m²/ha. A vegetação arbórea apresentou Índice de Diversidade de Shannon estimado em 1,86, sendo que as espécies com os maiores valores de importância foram Prosopis nigra (25,86%), Aspidosperma quebracho-blanco (24,57%), Prosopis affinis (24,30%) e Vachellia caven (10,51%), representando 85,26% do total. A vegetação arbórea apresenta dois estratos bem definidos, o inferior com 93,3% das árvores e o superior com apenas 6,7% do total de árvores amostradas. Neste a espécie Aspidosperma quebracho-blanco predomina com 70,0% das árvores. Com relação ao padrão de distribuição espacial das espécies, Aspidosperma quebracho-blanco apresentou tendência ao agrupamento, de acordo com o Índice de Payandeh, enquanto que as demais espécies apresentaram-se agrupadas. Aspidosperma quebracho-blanco e Prosopis nigra tendem a ocorrer associadas, enquanto Prosopis affinis e Vachellia caven formam grupos individuais. A associação estudada constitui-se de uma formação de espécies única no Brasil, apresentando questão de raridade em termos de composição de espécies e estrutura.


Palavras-chave


Parque do Espinilho; <i>Prosopis</i>; <i>Aspidosperma quebracho-blanco</i>; <i>Vachellia caven</i>

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, F. da S.; MARCHIORI, J. N. C. O Inhanduvá (Prosopis affinis Spreng.) no Rio Grande do Sul. 2-Ocorrência Natural na região do Jarau, Quaraí. Balduinia, Santa Maria, n.25, p.1-9, 2010.

ALVES, F. da S.; MARCHIORI, J. N. C. O Inhanduvá (Prosopis affinis Spreng.) no Rio Grande do Sul. 5-Ocorrência Natural na várzea do rio Santa Maria, Rosário do Sul. Balduinia, Santa Maria, n.27, p.1-7, 2011a.

ALVES, F. da S.; MARCHIORI, J. N. C. O Inhanduvá (Prosopis affinis Spreng.) no Rio Grande do Sul. 7-Ocorrência Natural na planície de inundação do Arroio Itapororó, município de Alegrete. Balduinia, Santa Maria, n.28, p.1-7, 2011b.

APG - III. Angiosperm Phylogeny Group. An update of the angiosperm phylogeny group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Boutanical Journal of the Linean Society, v. 161, p.105-121, 2009.

ARAUJO, P. et al. Estructura del bosque de La María EEA INTA Santiago del Estero. Quebracho, Santiago del Estero, Argentina. v. 16, p.5-19, 2008.

CIENTEC – Consultoria e Desenvolvimento de Sistemas Ltda. Software Mata nativa 2: Sistema para análise fitossociológica e elaboração de inventários e planos de manejo de florestas nativas. Viçosa, MG. Copryght 2001-2006 Cientec

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2. ed. Rio de Janeiro, 2006. 306 p.

FELFILI, J. M.; SERVILHA, A. C. Distribuição espacial de parcelas e de espécies em quatro áreas de cerrado sensu stricto na Chapada do Espigão Mestre de São Francisco. In: FELFILI, J. M.; SILVA Jr., M. C. da (org.). Biogeografia do bioma Cerrado: estudo fitofisiônomico na Chapada do Espigão Mestre do São Francisco. Brasília: UnB, 2001, p.61- 74.

GALVANI, F.R. Vegetação e aspectos ecológicos do Parque Estadual do Espinilho, Barra do Quaraí, RS. 2003. 154f. Tese (Doutorado em Botânica) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2003.

GARCIA, I.S. et al. Vegetação atual da Região Sul. Porto Alegre: Ministério do Interior, Superintendência do Desenvolvimento da Região Sul, 1978. 108p.

GAUCH, H. G. Multivariate analysis in community ecology. Cambridge: Cambridge University Press, 1982. 180p.

GIMÉNEZ, A.M. et al. Diversidad vegetal en siete unidades demostrativas del chaco semiárido argentino. Madera y Bosques, Xalapa, México. v.13, p.61-78, 2007.

GRULKE, M. Una propuesta de manejo silvipastoril para zonas del Chaco Saltenõ. Informe final de la práctica NADEL. Eidgneössishe – Technische Hochschule Zürich. 1994. 150p.

HILL, M. O. TWINSPAN: a FORTRAN program fo arranging multivariate data in an ordered two way table by classification of individual and attributes. Ithaca, NY: Cornell University, 1979. 60p.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: 1991. 92p.

LEITE, P. F. As diferentes unidades fitogeográficas da Região Sul do Brasil. Curitiba: UFPR, 1994. 160 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná.

LUDWIG, J.A. A test of different quadrat variance methods for the analysis of spatial pattern In: CORMACK, R.M., ORD, J.K. (Eds.). Spatial and temporal analysis in ecology. Fairland: International Co-operative Publ., 1979. p.289-304. (Statistical ecology, 8).

McCUNE, B.; MEDDORF, M.J. PC-ORD: multivariate analysis of ecological data. Version 6.0. Oregon: MjM Software Desing, 2011. 28p.

MAGURRAN, A.E. Diversidad Ecológica e su Medición. Barcelona: Vedra, 1988. 200p.

MARCHIORI, J. N. C. et al. O Inhanduvá (Prosopis affinis Spreng.) no Rio Grande do Sul. 3-Parque da Cabanha do Loreto, São Vicente do Sul. Balduinia, Santa Maria, n.25, p.22-31, 2010.

MARCHIORI, J. N. C.; ALVES, F. da S. O Inhanduvá (Prosopis affinis Spreng) no Rio Grande do Sul. 6-Descrição de um parque natural na várzea do rio Ibucí, município de Cacequi. Balduinia, Santa MARIA, N;27, P.20-26, 2011.

MARCHIORI, J. N. C. et al.. O gênero Prosopis L. (Leguminosae – Mimosoidaeae) no Rio Grande do Sul. Ciência e Natura, Santa Maria, v.5, p.171-162, 1983.

MARCHIORI, J. N. C.; LONGHI, S. J. Estrutura fitossociológica de uma associação natural de Parque Inhanduvá com Quebracho e Cina-Cina, no Rio Grande do Sul. Ciência e Natura, Santa Maria, v.7, p.147-162, 1985.

MARCHIORI, J. N. C. et al.Composição florística e estrutura do Parque de Inhanduvá no Rio Grande do Sul. Revista do Centro de Ciências Rurais, Santa Maria, v.15, n.4, p.319-334, 1985.

MICROSOFT OFICCE EXCEL. Parte do produto Microsoft Office Professional 2003. Copryght 1985-2003 Microsoft Corporation. 2003.

MORENO, J.A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Governo do Estado do Rio Grande do Sul, Secretaria da Agricultura, 1961. 41p.

MUELLER-DOMBAIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: John Wiley e Sons, 1974. 369p.

PAYANDEH, B. Comparison of method for assessing spatial distribuition of trees. Forest Science 16, p. 312-317. 1970.

PASTORE, U. et al. Levantamento dos recursos naturais. Folhas SH. 22. Porto Alegre e parte das folhas SH. 21 Uruguaiana e SI 22. Lagoa Mirim – Vegetação. IBGE, Rio de Janeiro: IBGE, 1986. v. 33. p. 541-619.

PIELOU, E.C. An introduction to mathematical ecology. New York: John Willey, 1969. 286p.

RAMBO, S J. B. A fisionomia do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Selbach, 1956. 456 p.

RAMOS, G. Florísitca y fitosociología preliminar de la vegetación nativa leñosa de Rincón de Frabquía, Bella Unión - Uruguay. 2008. 49f. Tesis (Tecnicatura en Gestión de Recursos Naturales y Desarrollo Sustentable) Faculdad de Ciencias, Universidad de la República, Uruguay, 2008.

REITZ, P.R.et al. Projeto Madeira do Rio Grande do Sul. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1983. 435p. (Sellowia, n.34-35).

SACHTLER, M. Inventario y desarrollo forestal del noroeste argentino (Plan NOA II). Reconocimiento Florestal em la Región Noroeste. Roma: FAO DP/ARG/70/536, 1977. 426p. (Informe Técnico nº 1).

SANQUETTA, C. R. Análise da Estrutura Vertical de Florestas através do Diagrama h-M. Ciência Florestal, Santa Maria, v.5, n.1, p.55-68, abr. 1995.

SILVA JUNIOR, M.C. Fitossociologia e estrutura diamétrica da mata de galeria do taquara, na Reser Ecológica do IBGE, DF. Revista Árvore, Viçosa-MG, v.28, n.3, p.419-428, 2004.

SIMAS, V.R. et al. Vegetação arbórea fanerógama ocorrente em área de nidificação de Atta vollenweideri (Forel, 1983) (Hymenoptera: formicidae). Revista da FZVA, Uruguaiana, v.9, p.79-88, 2002.

TEIXEIRA, A. de P.; ASSIS, M.A. Estrutura Diamétrica e Distribuição Espacial de Espécies Arbóreas em uma Mata de Brejo no Município de Rio Claro, SP. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 1, p. 567-569, 2007.

VELOSO, H.; GÓES-FILHO, L. Fitogeografia brasileira: classificação fisionômica e ecológica da vegetação Neotropical. In: Projeto RADAMBRASIL. Ministério de Minas e Energia. Salvador: 1982. 85p. (Boletim Tec. Série Vegetação, 1).




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509813320

Licença Creative Commons