Diagnóstico Ambiental da Área de Preservação Permanente da Nascente do Córrego Almeida Utilizando Ferramenta de Geoprocessamento (Aparecida de Goiânia - GO)

Thiago Augusto Mendes, João Victor Mariano, Paulo Henrique Gonçalves Marques, Layara de Paula Sousa Santos

Abstract


Na maioria das cidades brasileiras, especialmente nas metrópoles, as ocupações urbanas afetam e até são instaladas em áreas de preservação permanente (APP). Como consequência dessas ocupações inapropriadas, surgem inúmeros impactos ambientais como: erosões, alagamentos e contaminação de corpos hídricos. Neste contexto foi realizado diagnóstico ambiental da APP referente a uma das nascentes do Córrego Almeida, situada no Bairro Jardim Luz, município de Aparecida de Goiânia (GO), a fim de avaliar os impactos ambientais provocados pelas ações humanas à microbacia em questão e sugerir possíveis medidas mitigadoras para posterior recuperação ambiental. Durante vistorias in loco foi constatada a existência de erosão, possivelmente ocasionada pela má execução dos serviços de pavimentação e drenagem urbana das ruas adjacentes e ocupação e uso do solo impróprio em alguns locais. Para a avaliação da susceptibilidade à erosão e do potencial erosivo do solo da área estudada, utilizou-se a metodologia do Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo (IPT). A prática desta metodologia tornou possível a elaboração e apresentação do Mapa de Potencialidade à Erosão Laminar da APP podendo-se constatar que aproximadamente 23% da área analisada possui alta potencialidade à erosão e está mais próxima à nascente e às vias urbanas.

Keywords


Ocupações Urbanas; Microbacia; Erosão

References


AÇÃO CIVIL PÚBLICA AMBIENTAL. Ministério Público do Estado de Goiás. 4° Promotoria de Justiça de Aparecida de Goiânia, 2004. Disponível em: http://www.mpgo.mp.br/portalweb/hp/9/docs/microbacia_almeida.pdf>. Acesso em 04 de março de 2015.

ALVES, A. K.; COSTA, M. V. C. V. Mapeamento do Uso do Solo e Cobertura Vegetal da Bacia do Ribeirão Santa Juliana no Triângulo Mineiro – MG. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto (SBSR), 13., 2007, Florianópolis. Anais... São José dos Campos: INPE, 2007. Artigos, p. 3.877-3.883. Disponível em: http://marte.dpi.inpe.br/col/dpi.inpe.br/sbsr@80/2006/11.15.21.21/doc/3877-3883.pdf>. Acesso em 26 de fevereiro de 2012.

ASHMAN, M. R.; PURI, G. Essential soil science: a clear and concise introduction to soil science. Oxford: Blackwell Publishers, 2002. 198 p.

BRASIL. Banco de Dados Geomorfométricos do Brasil (TOPODATA/INPE). 2009. Disponível em: . Acesso em 06 de março de 2015.

CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE (CONAMA). Resolução n° 302, de 20 de Março de 2002. Dispõe sobre os parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente de reservatórios artificiais e o regime de uso do entorno, 2002.

CARVALHO, J. C.; SALES, M. M.; SOUZA, N. M.; MELO, M. T. S. Processos Erosivos no Centro-Oeste Brasileiro. Brasília: Universidade de Brasília: FINATEC, 2006. XXXIV, 464 p.

CONCIANI, W. Processos Erosivos: Conceitos e Ações de Controle. Cuiabá: CEFET-MT, 2008, 148p.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. Rio de Janeiro, 2009. 412 p.

FRANCO, J. G. O. Direito Ambiental Matas Ciliares. Curitiba: Juruá, 2009.

GUERRA, S. M. S. Carta de predisposição à erosão na SUAPE, PE. Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia, 9°, Anais digitais. 1999.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Zoneamento Ecológico Econômico da Área do Aglomerado Urbano de Goiânia. Goiânia, 1994.

____________. Manuais Técnicos em Geociências. Manual Técnico de Pedologia. Divulga os procedimentos metodológicos utilizados nos estudos e pesquisas de geociências. Rio de Janeiro, RJ – Brasil, 2007. Disponível em . Acesso em março de 2015.

____________. Estimativas da população residente no brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2014. Brasil, 2014. Disponível em: . Acesso em março de 2015.

INFANTI JÚNIOR, N.; FORNASSARI FILHO, N. Processos da dinâmica superficial. In Geologia de Engenharia, ed. Antônio Manoel dos Santos e Sérgio Nertan Alves Brito. São Paulo: ABGE. p 132 – 152. 1998.

INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS (IPT) – Manual de Geotecnia: Taludes de rodovias. Orientação para diagnóstico e solução de seus problemas. São Paulo: IPT. Publicação IPT nº 1843. 388p, 1991.

LAL, R.; ELLIOT, W. Erodibility and erosivity. soil erosion research methods. 2 ed. Flórida: St. Lucie Press, USA, p. 181 – 208, 1994.

MARQUES, P. H. G. A Produção de Lixo (Resíduos) no Espaço Urbano de Goiânia: O Papel da Educação Ambiental. Goiânia, GO: UCG, 2006.

MOREIRA, I.V.D. Vocabulário Básico do meio ambiente. Rio de Janeiro: Feema/Petrobrás, 1992.

MOTA, S. Urbanização e meio ambiente. 3 ed. Rio de Janeiro: ABES, 2003, 356 p.

NASCIMENTO, M. A. L. S.; CASSETI, V. Carta geomorfológica do município de Goiânia. In: Carta de Risco do Município de Goiânia. IPLAN/IBGE/UFG, Goiânia, 1991.

NBR ISO 14.001 – Sistemas da gestão ambiental: requisitos com orientação para uso. Rio de Janeiro: ABNT, 2004.

PREFEITURA MUNICIPAL DE APARECIDA DE GOIÂNIA. Carta de Risco de Aparecida de Goiânia – GO. Relatório Final. Goiânia, Goiás, 2012.

PRUSKI, F. F. Conservação do Solo: práticas mecânicas para controle da erosão hídrica. 2. ed. atual. e ampl. – Viçosa: Ed. UFV, 2009, 279 p.

SALOMÃO, F.X.T. Controle e prevenção dos processos erosivos. In: GUERRA et. al. Erosão e conservação dos solos: conceitos, temas e aplicações. 1999. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, Cap. 7, p.229-267.

____________. Erosão e a ocupação rural e urbana. In: ______. 3º Curso de Geologia de Engenharia Aplicada a Problemas Ambientais. São Paulo: AGAMA-DIGEM, 1992. p. 44-71.

____________. Subsídio para controle de erosão em Mato Grosso. Simpósio Nacional de Controle de Erosão, 6°, Presidente Prudente. Anais digitais. 1998.

SANTANA, M. N. R. Identificação dos impactos ambientais da ocupação irregular na área de preservação permanente (APP) do Córrego Tamanduá em Aparecida de Goiânia. Anais do II Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental 06 a 09 de novembro de 2011. Londrina – PR.

SEIXAS, B. L. S. Fundamentos do manejo e da conservação do solo. Salvador: Centro Editorial e Didático da UFBA, 1984, 304 p.

SOUSA, S. B.; PINHEIRO, E. S.; OLIVEIRA, L. C. N. Geoprocessamento e Geomorfologia Ambiental - Aplicações em análise de paisagem. In: 4º Encontro Nacional dos Grupos PET Geografia, 2009, Três Lagoas - MS. Os paradigmas da geografia (re)pensando o território e o ambiente no ensino, pesquisa e extensão, 2009.

WILD, A. Soils and the environment: an introduction. Cambridge: Cambridge University Press, 1993. 287 p.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179460X22867

Copyright (c) 2016 Ciência e Natura



Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.