RELAÇÕES TEMPORAIS NA NARRATIVA INFANTIL EM DADOS DE FALA DE PORTUGUÊS BRASILEIRO

Simone Mendonça Soares, Bibiana Cardoso da Silva

Resumo


Este estudo investiga o padrão de uso dos recursos linguísticos utilizados por crianças de 3 a 6 anos para expressar relações temporais em narrativas orais. As narrativas sob análise são provenientes de um banco de dados constituído pela produção oral de 60 crianças entre 3 e 6 anos de idade dos municípios de Novo Hamburgo e Porto Alegre no Rio Grande do Sul. Os dados utilizados são de 8 destas crianças, 4 na faixa de 3 a 4 anos de idade e 4 na faixa de 5 a 6 anos de idade. A análise dos dispositivos que compõem o sistema temporal nas narrativas mostrou que, de forma geral, as crianças menores estruturam mais a sequencialidade dos eventos, enquanto que as crianças maiores já dominam de forma qualificada, ou seja, com maior articulação de dispositivos gramaticais e lexicais, tanto a sequencialidade quanto a simultaneidade entre os eventos da narrativa.

Palavras-chave


Aquisição da linguagem; Narrativas; Relações temporais

Texto completo:

PDF

Referências


AZEREDO, J. C. Gramática Houaiss da Língua Portuguesa. São Paulo: PUBLIFOLHA, 2013.

GUIMARÃES, A. M. M. O desenvolvimento da coesão: estratégias da passagem do contexto ao texto. Ilha do desterro, n. 27, 1992.

HEINE, H. Amigos. São Paulo: Ática, 1999.

HOPPER, P.J. Aspect and foregrounding in discourse. In: GIVON, T. (Ed.), Syntax and Semantics 12: Discourse and Syntax, p. 213-241. New York: Academic Press, 1979.

LUFT, C. P. Moderna Gramática Brasileira. São Paulo: Globo, 1996.

MATHEUS, M. H. M.; BRITO, A. M.; DUARTE, I.; FARIA, I. H. Gramática da Língua Portuguesa. Lisboa: Caminho, 1989.

SCHNEIDER, S. D. Concordância nominal na fala de crianças de 3 a 6 anos de idade do município de Novo Hamburgo: Porto Alegre: UFRGS. Tese de Doutorado, 2012.

SILVA, B. C. É na creche que se aprende a ir pra escola: um estudo sobre as orientações de letramento das crianças em uma creche comunitária na periferia de Porto Alegre. Porto Alegre: UFRGS. Dissertação de Mestrado, 2012.

SOARES, S. M. A concordância verbal de terceira pessoa do plural na fala de crianças de uma creche comunitária de Porto Alegre: aprendizagem de uma regra variável. Porto Alegre: UFRGS. Tese de Doutorado, 2012.

TRAVAGLIA, L. C. O aspecto verbal em Português. Uberlândia: Gráfica da UFU, 1981.

WEIST, R. M. Tense and Aspect. In: FLETCHER, P.; GARMAN, M. (eds.), Language acquisition. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

WEIST, R. M.; LYYTINEN, P; WYSOCKA, J.; ATANASSOVA, M. The interaction of language and thought in children’s language acquisition: A crosslinguistic study. Journal of Child Language, 24, p. 81–121, 1997.

WEIST, R. M., ATANASSOVA, M., WYSOCKA, J. & PAWLAK, A. Spatial and temporal systems in child language and thought: A cross-linguistic study. First Language, 19, p. 267–311, 1999.

WIGGLESWORTH, G. Children’s individual approaches to the organization of narrative. Journal of Child Language, 24, p. 279-309, 1997.

WINSKEL, H. The expression of temporal relations in Thai children’s narratives. First Language, 27, p. 133-158, 2007.

ZILLES, A. M. S. e PEREIRA, S. P. K. O desenvolvimento do background em narrativas de crianças de 4 a 9 anos. Letras de Hoje, v. 33, n. 02, 1998.




DOI: https://doi.org/10.5902/1516849229356

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores da revista L&C:

                                                                                          


Órgãos aos quais a revista L&C pertence:

 

                              

 

E-ISSN 2674-6921. Revista Qualis B3, área de Letras e Linguística, Classificações de Periódicos Quadriênio 2017-2020 (CAPES).